Jorge Paz Amorim

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Sou Jorge Amorim, Combatente contra a viralatice direitista que assola o país há quinhentos anos.

terça-feira, 14 de agosto de 2018

Deputado Wadih Damous(PT/RJ) defende impeachment contra Dodge por “desvio de conduta”


Deputado discursou em plenário sobre declaração de Galloro relativa a ações de membros do MP e do Judiciário para descumprir ordem de soltura de Lula

O deputado Wadih Damous (PT-RJ), em discurso no plenário nesta terça-feira (14), afirmou que as “estarrecedoras” declarações do diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro – sobre a ação de membros do Ministério Público e do Judiciário para descumprimento de ordem judicial que mandava libertar Lula – ensejam, se confirmadas, processo disciplinar contra o desembargador Thompson Flores, do TRF-4, e processo de impeachmentcontra a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. “Trata-se de gravíssimo desvio de conduta”, definiu o deputado.

Damous fez referência na tribuna ao conteúdo da entrevista de Galloro ao jornal Estado de S.Paulo, no último fim de semana, em que ele deu detalhes da operação que procurou abafar o habeas corpus concedido pelo desembargador Rogério Favreto, também do TRF-4, para libertação de Lula, no dia 8 de julho. “A partir dali se desencadeou uma série de episódios estarrecedores que mostram quão corrompido está o sistema de justiçabrasileiro”, lembrou o deputado.

Segundo o diretor-geral da PF, o delegado de plantão naquele fim de semana recebeu telefonemas não só do juiz Sérgio Moro ordenando o descumprimento da decisão, mas da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, e do presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Thompson Flores, no sentido de demovê-lo a obedecer a ordem judicial.

“Essa é a anarquia completa instalada no sistema de justiça, é a molecagem alçada à condição de ato de Estado. Nós não podemos ficar de braços cruzados. Não se trata aqui de ato de ofício, de ato inerente ao exercício jurisdicional ou ao exercício do Ministério Público. Temos que convocar essas autoridades aqui para averiguar se, de fato, aconteceu esse desvio de conduta”, reivindicou Damous.

Diante da incongruência e da arbitrariedade das ações cometidas, o parlamentar questionou: “Será que a procuradora vive monitorando plantões para saber se o juiz de plantão vai conceder ou não habeas corpus? Isso apenas prova que o presidente Lula, preso ilegalmente, é um preso político”.
(PT Câmara)

Esquivel leva mensagem do Papa à Cármen Lúcia e pede Lula Livre



O Nobel da Paz esteve no STF junto com a jurista Carol Proner e o ator Osmar Prado para pedir respeito à presunção da inocência e à Constituição

O ativista dos Direitos Humanos e ganhador do Prêmio Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivelparticipou de uma reunião, na tarde desta terça-feira (14), com a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, para falar do golpe e da prisão política de Lula. Além dele, estiveram no encontro a jurista Carol Proner, o ator Osmar Prado e o Frei Sérgio Gröjen, um dos sete grevistas de fome que pede a liberdade ao ex-presidente.

Esquivel disse que fez questão de lembrar a presidente do STF do estado de exceção em que o país se encontra desde o golpe de estado, que tirou a presidenta legítima Dilma Rousseff. “Falamos do que está acontecendo no Brasil e na América Latina. Para que eles [ministros] tomem consciência de que Lula é um preso político reconhecido por várias nações. Precisamos encontrar uma saída justa para o povo brasileiro”, relata.

A jurista Carol Proner, uma das autoras do livro “Comentários a um Acórdão Anunciado – O Processo Lula no TRF-4”, revelou que o grupo levou à Cármen Lúcia a mensagem do Papa Francisco sobre os “golpes brancos” que estão ocorrendo na América Latina. “Fizemos um relato da ida ao Vaticano, na nossa visita ao Papa para falar dos retrocessos que o Brasil está passando, praticamente 20 anos em 2, da grave crise de Direitos Humanos, daviolência aos líderes populares e indígenas e da intolerância religiosa”.

“Falamos também da questão jurídica da presunção da inocência e do papel do Judiciário nas eleições de 2018. Transmitimos a ela a mensagem do Papa que identifica que na América Latina está ocorrendo uma processo de criminalização [de líderes] por parte das mídias e que, segundo o Papa, depois aos judiciários dos países latino-americanos não lhes restam saída a não ser inventar leis para ratificar aquelas acusações antecipadas pela imprensa”, conta Carol.

Lula Candidato

O ator Osmar Prado revelou que a presidente do STF ouviu os relatos do grupo com atenção e acredita que ela saiu sensibilizada. Ele aproveitou para exaltar a coragem e força de Lula. “Como artista eu estou aqui clamando por Justiça e pela liberdade de Lula, que é um preso político. Ele precisa concorrer porque é o líder de todas as pesquisas. Amanhã teremos a inscrição de sua candidatura. É preciso manter resistência. Ele poderia simplesmente ter pedido asilo político, mas tem muita coragem de ficar e reafirmar sua inocência”, exalta Prado.

Carol Proner revelou ainda que a conversa também tratou da execução antecipada da pena de Lula, que fere a observância do princípio constitucional da presunção da inocência, e da consequente necessidade de avaliação das ADC`s 43 e 44, que tratam da prisão após condenação em segunda instância. “Nos cabe defender a Democracia e os direitos políticos do ex-presidente, sua liberdade, e a de um quarto dos presos brasileiros que estão em regime fechado por conta da interpretação que não respeita a presunção da inocência, segundo dados do CNJ [Conselho Nacional de Justiça]”, revela a jurista.

Esquivel falou à Cármen Lúcia da iniciativa de indicar o ex-presidente ao prêmio de Nobel da Paz por todas as políticas que combateu a miséria. “Eu lembrei ela que propus que Lula seja o Nobel da Paz por todo trabalho realizado para os mais pobres. Ele tirou 36 milhões de pessoas da miséria e deu uma vida digna, com saúde,educação e trabalho. Espero que isso alimenta o coração da ministra”, explica o ativista.

Ao longo da reunião, a jurista entregou a presidente do STF assinaturas fruto da intensa solidariedade internacional a Lula. Uma série de manifestações ocorreram em várias partes do mundo, que reforçam a defesa da liberdade do ex-presidente e pelo seu direito de disputar as eleições em outubro.

“Levamos a ela as 240 mil assinaturas nominais e impressas, colhidas de juristas do mundo inteiro, pedindo a liberdade de Lula por reconhecer a condição de preso político. O povo tem noção do que é justo e não precisa ser jurista. Se havia alguma dúvida quanto a perseguição, o dia 8 de julho deixou evidente que existe uma vontade de mantê-lo preso. Isso é revoltante porque temos o direito político de Lula ser candidato e o do povo de votar em quem quer que seja. As eleições de 2018 estão aprisionadas se Lula não for candidato”, aponta Carol.
(Agência PT de Notícias)

STF retira de Moro trecho de delação sobre Lula e Mantega

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira (14) derrubar a decisão individual do ministro Edson Fachin que determinou o envio de um dos depoimentos de delatores da Odebrecht contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega para a 13ª Vara Federal em Curitiba, comandada pelo juiz federal Sérgio Moro.

Por 3 votos a 1, os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski entenderam que um dos depoimentos nos quais há citações aos nomes de Lula e Mantega não tem relação com as investigações da Lava Jato, presidida pelo magistrado. Os pedidos para retirar a competência de Moro foram solicitados pela defesa dos acusados.

De acordo com um dos depoimentos de delação premiada de ex-executivos da Odebrecht, foram feitos pagamentos a Guido Mantega, que teriam sido usados por ele na campanha eleitoral do seu partido. Os depoimentos também citam suposta relação pessoal de Emilio Odebrecht com o ex-presidente Lula.

Com a decisão, os depoimentos delações deixarão a 13ª Vara Federal em Curitiba e serão divididas entre a Justiça Eleitoral e a Federal de Brasília.
(Agência Brasil/ Sul21)

TRE cancela apuração no Ginásio Lorotinha



E o ocioso ginásio de esportes que Simão Lorota construiu ao lado do Mangueirão? Seria usado em outubro como local de apuração dos votos dos paraenses.

Não será mais. O Tribunal Regional Eleitoral fugiu daquele local fantasmagórico e optou por realizar a contagem em sua própria sede, o que é elogiável porque economiza dinheiro público.

Agora, fora um jogo de exibição de voleibolistas aposentados, marcado para o próximo mês, o ginásio Lorotinha de custo altíssimo ficará fechado até o ano que vem, tendo como serventia apenas seus muros a cães e bebuns pra mijarem.

A não ser que o valentão Lyoto Machida sinta uma repentina coceira na cara e resolva desafiar algum malvado pra fazer o serviço. Credo!

Ao vivo é muito pior


O agiota Henrique Meirelles teria a graça do personagem Raimundo Flamel, do conto 'Nova Califórnia', de Lima Barreto, não fosse um sombrio destruidor da vida dos mais humildes.

Pra quem não lembra, Flamel faz alquimia com ossos exumados do cemitério transformando-os em ouro. Tinha a intenção de aguçar a cobiça dos habitantes da pequena cidade e mostrar que amavam mais o ouro do que seus entes queridos, assim como Meirelles ama mais o dinheiro do que respeita direitos.

Meirelles foi o artesão do golpismo que mandou ao cemitério do desperdício 7.400 obras públicas, paralisando-as irresponsavelmente a fim de fazer sobrar dinheiro para remunerar o rentismo flibusteiro financiador do golpe que depôs Dilma e ungiu ao poder uma quadrilha de malfeitores.

Pois bem, agora o candidato/banqueiro surge com a ideia de jerico de retomar as obras, divulgando aberta e impunemente a intenção delinquente de usar o BNDES na retomada daquilo que assassinou friamente há dois anos, sem dar satisfações do custo eleitoreiro dessa vilania.

Em um país sério isso dá cadeia. Aqui, nesses tempos de banditismo explícito, vira plataforma de campanha com direito a desdém ao Código Penal vigente e à Lei da Improbidade Administrativa.

Desgraçadamente, aquilo que é direito e muitas vezes foi conquistado às custas de muitos sacrifícios virou moeda eleitoreira nas mãos de alguém que vive da desgraça alheia, principalmente daqueles 65 milhões de inadimplentes que os agiotas da laia desse Meirelles espremerão até a última gota de sangue. Lamentável! 

Multi processador do falso moralismo quer fazer do jagunço bagaço



Esse episódio, envolvendo a assessora fantasma do jagunço alçado à condição de mito dos comedores de cocô, tem dois resultados.

Primeiro, prova que o famigerado é tão corporativo e parasita como qualquer parlamentar do Congresso Nacional que confunde apoio logístico com apropriação indébita e desmedida daquele dinheiro público disponível ao exercício do mandato.

Segundo, que o moralismo de fancaria exacerbado a partir do surgimento da malsinada Lava Jato não passa de um amontoado de notas de três reais acondicionadas em valises que o descuidista praticante e juramentado Geddel Vieira Lima nem perderia tempo com elas.

Mas a mídia comparsa do candidato tucano não perde a oportunidade pra espinafrar discretamente o jagunço, como se roubo de merenda escolar, superfaturamento na aquisição de equipamentos do metrô e cobrança de pedágio em rodovias a custos mais elevados que os cobrados na rica Noruega fossem crimes menores.

Mesmo no âmbito do mau uso do dinheiro público por parlamentares, há casos de tucanos semelhantes ao da vendedora de açaí remunerada pela Câmara Federal . Ou já esqueceram do então deputado Duarte Nogueira(PSDB/SP), que pagava com verba da Câmara Federal os salários do motorista particular à disposição dos filhos dele?

E há mais. Muito mais. O que transforma mais essa denúncia, feita por quem não tem moral, em mero desvio de foco do debate principal com a finalidade eleitoreira de beneficiar alguém que certamente seria medalhista de ouro em qualquer olimpíada de desvio de dinheiro público. Simplesmente isto.

O conto do paco verde


Vassalo do barbalhismo catitu festeja em sua coluna no jornal emedebista dados fornecidos pelo Ministério do Meio Ambiente dando conta da redução do desmatamento na Amazônia, algo que deve sempre ser posto sob dúvidas em um governo sem credibilidade.

Hummm, será? Ano passado o governo norueguês suspendeu recursos do fundo que dispunha ao governo brasileiro, a título de incentivo pela redução do desmatamento, depois de constatado o aumento das ações de motosserras dos latifundiários.

O próprio jornal onde é publicada a coluna citada, há coisa de uma semana mais ou menos, festejou efusivamente o aumento da área destinada ao agronegócio, inclusive a pecuária, atividade que não gosta de árvores em pé, como é do conhecimento até do reino mineral.

Como a informação foi prestada em um fórum restrito ao território nacional, é possível que não passe de propaganda enganosa na mesma linha do combate déficit público, retomada do crescimento econômico e outras falcatruas labiosas que a mídia comparsa ecoa, mas o povo desdenha.  

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Comunidade científica articula reação a cortes no financiamento de pesquisas

Orçamento do CNPq pode ser reduzido em 33% no próximo ano, segundo presidente do órgão | Foto: TV Brasil/EBC
Entidades de pesquisadores e pós-graduandos realizam ato nesta terça-feira (14) no Ministério do Planejamento, em Brasília, para pressionar o governo federal contra cortes no financiamento do setor de pesquisas.
Mobilização da comunidade tem como base o anúncio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), divulgado na quinta-feira (9), que alerta para o encolhimento do orçamento em 2019, que pode ser reduzido a R$ 800 milhões, ante o R$ 1,2 bilhão do orçamento deste ano.
Segundo a carta aberta do presidente do CNPq, o professor Mario Neto Borges, o corte de 33% limitará a abertura de novos editais. A redução no repasse de recursos também afetará a Financiadora de Inovação e Projetos (Finep), que teve disponível para este ano o valor de R$ 1,6 bilhão, mas tem previsão de aproximadamente R$ 700 milhões para o próximo ano.
Está já é a terceira agência financiadora de pesquisa que sofre ameaças de cortes. No início do mês, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), também passou pela possibilidade de revisão do orçamento, mas teve suas bolsas garantidas pelo Ministério da Educação.
Em entrevista à repórter Ana Rosa Carrara, da Rádio Brasil Atual, pesquisadores analisam que os cortes, além de impedir o desenvolvimento da pesquisa no país, agravam a situação de bolsistas e preocupa pelos reflexos na economia brasileira, como cita o presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp), Marcos Buckeridge.
“Nós vamos ter um efeito, nos próximos cinco anos, que depois será preciso 30 anos para curar. Não dá para você desenvolver um novo parque científico, novamente, em apenas cinco anos”, analisa o presidente da Aciesp
(Rede Brasil Atual; Sul21)

A inoperância palpável e a falsa capilaridade



E o togado da capilaridade de origem paraguaia foi-se, quer dizer, deixou a presidência do Tribunal Superior Eleitoral que ocupou por apenas seis meses, mas garantiu seu nome na galeria dos piores a ocupar o posto.

Fracassou nas tentativas diversas feitas pra barrar prematuramente a candidatura Lula à presidência, sempre agindo com extremo desprezo à lei, aliás, modismo adotado por vários segmentos da toga depois que esta foi reduzida  à jagunçagem política.

Passa a ser apenas ministro do STF, onde notabilizou-se tristemente como fiador da mais abominável sinecura mantida às custas do dinheiro público, o tal auxílio moradia a detentores de imóveis luxuosos, agravado pelo sacrifício feito por outros segmentos de trabalhadores sacrificados a fim de que sobre recursos para iniquidades desse tipo. Lamentável!

LULALIVRE

@cartamaior

Luta por Lula livre vira livro que será lançado em São Paulo - Obra reúne 90 colaborações de artistas e será lançado nesta segunda-feira (13) no Teatro Oficina, em São Paulo https://goo.gl/e93tAC

Comeu cocô e foi à tevê




Assim como deixamos de ser donos das palavras a partir de quando as pronunciamos, nossa merda não mais nos pertence assim que sai de nós.

No entanto, em um caso e outro, temos total responsabilidade com seus respectivos destinos na medida em que, no caso das palavras, o artesanato verbal primoroso gera o bom debate; e no caso da 'obra' damos exemplo de higiene ao dar-lhe o destino certo.

Ao negligenciar esses cuidados, a socióloga Maria Lucia Victor Barbosa, autora confessa do fake news que gerou a crença na existência da URSAL(União das Repúblicas Socialistas da América do Sul), assume publicamente algo mais grave do que a sigla inventada: que inverteu deliberadamente funções anatômicas próprias de sua condição humana, abrindo mão da produção do bom debate, agravada pelo fato que atirou na cara de um determinado público aquilo que deveria ter dado descarga imediatamente após a produção.

Resultado: muitos desses incautos brincam até hoje distraídos com as fezes da doutora, na crença que estão verbalizando saído pelo canal errado e mal dirigido no espaço.

Como o Brasil possui um dos piores sistemas de saneamento básico do planeta, a brincadeira reacionária da citada socióloga, difundida por um astrólogo peidado(xiii) que se auto investiu da condição de filósofo e ganhou notoriedade fazendo o mesmo que a vetusta senhora, o produto dessa troca ainda estará a pairar no ar por muito tempo até que o anedotário o recolha ao depósito certo.

Mas, até lá, milhares dessas vítimas da confusão estarão marcados definitivamente pela tragicomédia gerada. Seja roupa de civil ou farda, certo é que carregarão para seus túmulos o mau odor e os respingos daquilo que achavam ser utilidade pública. E era apenas MERDA.

Tem de tudo, na terra do já teve


Carlos Santos distribuindo exemplares da nova(?) Província do Pará em restaurante da cidade é mau sinal para o jornalismo, bem como para as tradições daquele outrora respeitado jornal, apesar do nome do competente Antonio José Soares no expediente.

O performático bregueiro e pastiche do dono do SBT virou cabo eleitoral de Simão Jatene e brindou o povo paraense com a mais bizarra cena da política local, recentemente, quando a jornalista e candidata ao Senado pelo PSOL, Úrsula Vidal, teve sua entrevista cortada pelo som estridente de uma música de péssimo gosto, antes que começasse a falar a respeito das sandices do prefeito de Belém na coleta do lixo.

Isto demonstra a má intenção de vilipendiar  a memória de um outrora respeitável veículo de comunicação, transformando-o em panfleto da campanha do candidato ao governo do Pará, apadrinhado por Simão Jatene, usando a vigarice sorridente do concessionário atual da Rádio Marajoara como 'laranja'.

Na terra da destruição do imponente Grande Hotel, do abandono à lama e aos urubus do Mercado de São Braz, da transformação do lendário Bar do Parque em puxadinho metido a gourmet dos restaurantes e lanchonetes do hotel Princesa Louçã, parece natural o uso malino da marca de um ícone do jornalismo por um vassalo de interesses politiqueiros. Uma pena!
(foto extraída do blog VerO-Fato)

Marcha Nacional Lula Livre chega ao perímetro urbano de Brasília. Esquivel acompanha


A Marcha Nacional Lula Livre está a cada dia mais próxima da capital federal. Nesta segunda-feira (13), quarto dia da caminhada, as três colunas que compõem a marcha saíram por volta das 6h30 com destino à Brasília.

Cada coluna deverá percorrer cerca de 15km no dia de hoje, um percurso que deve durar até seis horas.

Com a maior proximidade do perímetro urbano, a expectativa, segundo o integrante da direção nacional do MST, Marco Barato, é que os militantes tenham ainda mais interação com a população.

“O dia de hoje é muito importante porque a gente entra em um processo de diálogo mais intenso com a sociedade — vamos pegar uma parte da cidade mais populosa, uma parte mais densa da marcha”, diz o dirigente.

À tarde, serão realizados debates de formação sobre a reforma agrária popular.

Barato afirma que o dia de hoje também será de preparação para outro momento importante da Marcha Lula Livre: o encontro das três colunas nesta terça-feira (14).

Ao todo são cerca de 5 mil camponeses divididos em três colunas. A coluna Tereza de Benguela reúne os militantes dos estados da região Centro-Oeste. Já na Coluna Prestes está a delegação que traz os estados do Sul e Sudeste do país. Os estados do Nordeste estão organizados na Coluna Ligas Camponesas.

Até o momento, cada coluna já percorreu mais de 30 km. Ao todo, serão cerca de 50 Km de caminhada até Brasília. Os marchantes chegam na capital federal na próxima quarta-feira (14), e participarão do ato de homologação da candidatura do ex-presidente Lula no dia 15 de agosto, último dia para que os pré-candidatos registrem seus nomes para concorrem ao pleito eleitoral de outubro.

Presente neste quarto dia de marcha, o ganhador do Prêmio Nobel da Paz e ativista pelos Direitos Humanos, Adolfo Pérez Esquivel, afirma que está presente na mobilização em solidariedade ao povo do Brasil e pela liberdade de Lula. "Temos que ter em conta que esta política, que tentam retirá-lo das eleições, está sendo replicada em todo o continente Latino Americano, como em Honduras e Paraguai, por exemplo. A extrema-direita está avançando na dominação dos povos. Por isso gritamos "Lula Livre", e que o povo brasileiro decida quem tem que governá-lo".

Está previsto uma série de atos em diversas partes do mundo para esta segunda-feira pedindo a liberdade de Lula e reafirmando o seu direito de ser candidato a presidência da República.
(Rute Pina/ Brasil de Fato)

Tempo de banditismo


Temer retirou mais de 5 milhões de pessoas do programa Bolsa Família, retirou mais de 165 mil dp programa  Benefício da Prestação Continuada e paralisou a construção de mais de 40 mil casas populares, contratadas ainda no governo Dilma pelo programa 'Minha Casa, Minha Vida'.

Ao mesmo tempo, tornou sem efeito um veto da presidenta deposta a um reajuste de cerca de 50% nos vencimentos dos integrantes do Poder Judiciário; mandou pagar, sem decisão judicial que justificasse, R$4 trilhões cobrados por multinacionais do petróleo e perdoou mais de R$160 bilhões de dívidas tributárias de ruralistas.

Em menos tempo que FHC, esse larápio investiu furiosamente contra os mais pobres do país, retirando seus direitos do orçamento da União, fazendo jorrar os recursos dessa transferência bandida nas contas da casta que financiou o golpe e recebe o pagamento pelo assassinato da democracia brasileira.

Pra completar o quadro teratológico, vêm à tona confidências de bandidos togados e um janízaro da Milícia Federal dando conta que uma determinação legal foi descumprida por esses malfeitores confidentes a fim de manter Lula sequestrado e longe das eleições.

Portanto, mais que estado de exceção, vivemos tempos onde a barbárie impera, com a lei sendo considerada incômodo porque garante direitos individuais, bem como a democracia liberal é achincalhada por um magarefe togado, que vê nas eleições um estorvo à sanha de verdugos inescrupulosos que se acham acima do bem e do mal. Não dá!

domingo, 12 de agosto de 2018

Barroso e Cristovam no reino da hipocrisia


Augusto Nardes, o Ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), relator do inquérito sobre as tais pedaladas, foi acusado de receber R$ 100 mil por mês dos esquemas de corrupção da Petrobras, que Dilma Rousseff tentou enfrentar.

A seção Radar, da Veja, informa que o desembargador João Pedro Gebran Neto admitiu a familiares que agiu fora da lei, ao desautorizar a decisão do juiz de plantão. Mas que sua intenção foi evitar o “mal maior”, da libertação de Lula. Esse era o mesmo álibi ao qual recorriam os torturadores do período militar para justificar suas brutalidades.

No entanto, mais uma vez o diáfano Ministro Luís Roberto Barroso repetiu sua cantilena de fé no futuro do país. Disse que em seus tempos de estudante combatia-se a tortura e a censura. E, agora, combate-se a corrupção “dentro da lei”. É o chamado reinado da hipocrisia.

Para justificar sua visão poliana, analisa o país da Constituinte até hoje e comemora o fato de um dos feitos nacionais ter sido o da inclusão social. Trata-se de malandragem retórica. Há um país em construção da Constituinte até o golpe. E políticas de inclusão social que foram consolidados em regime democrático.

A outra etapa do país, pós-golpe, se caracteriza pela destruição das políticas sociais, das redes de proteção social e dos direitos individuais.

Mas Barroso, que defendeu com unhas e dentes a Lei do Teto, que jamais deblaterou contra os cortes na saúde e na educação, votou a favor do reajuste de 16% dos Ministros do Supremo. Indagado sobre esse contrassenso, explicou que a votação se refere exclusivamente ao Supremo e não ao Judiciário como um todo. Ótimo! Qual a razão, então, das associações de magistrados comemorarem o feito?

Ontem mesmo, o Ministério Público Federal anunciava o reajuste dos salários, sem mexer no orçamento. Ou seja, será à custa da redução dos serviços jurisdicionais.

Não leva o campeonato de hipocrisia porque à sua frente está o campeoníssimo Cristovam Buarque. Em seu Twitter, Cristovam – que votou a favor da Lei do Teto - dizia que o MPF, em vez de dar aumento de salários com contenção de despesas, deveria usar a contenção para garantir as bolsas estudantis.
(Luís Nassif/GGN)

sábado, 11 de agosto de 2018

Fique ao lado de Lula


Como muitos dos que acompanham a América Latina já sabem, o ex-presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, está preso desde o dia 7 de abril.

Esta prisão foi amplamente condenada pelo movimento sindical e internacional como politicamente motivada. Somente no mês passado, o maior sindicato da Grã-Bretanha, Unite, e a AFL-CIO, a maior federação comercial dos EUA, acrescentaram seu apoio à campanha pela liberdade de Lula. A Unite também expressou sua solidariedade com o movimento sindical brasileiro e exigiu o fim dos ataques à democracia e ao progresso social que ocorreram no Brasil desde o golpe de verão de 2016.

Esse "golpe parlamentar" viu Dilma Rousseff – que havia recebido 54 milhões de votos – ser retirada da presidência sem um único voto do público brasileiro.

Inacreditavelmente, apesar do fato de Lula estar agora preso – e dos ataques generalizados e persistentes a Lula em grande parte da mídia privada brasileira nos últimos anos – pesquisas de opinião mostram que ele ainda é a principal escolha dos brasileiros nas pesquisas de opinião sobre as eleições presidenciais de outubro.

Lula enfrentou esse julgamento pela mídia como parte de uma campanha contra ele, onde seus direitos humanos básicos foram violados. Quando ele foi condenado por "atos indeterminados", sem provas materiais fornecidas contra ele, o viés contra ele e a injustiça do caso ficaram claros, mas ele e seus partidários ainda estão lutando.

Lula continua sendo o político mais popular do Brasil porque liderou um período de sucesso, tirando milhões da pobreza com seus programas sociais inovadores e reduzindo a desigualdade.

Quando eu era prefeito de Londres, tive o privilégio de conhecer Lula e o que ficou absolutamente claro foi como melhorar a vida dos brasileiros comuns foi sua paixão e sua razão de estar envolvido com a política.

Como disse recentemente a secretária geral da Confederação Sindical Internacional Sharan Burrow: "A democracia precisa ser restaurada com urgência e a única maneira de conseguir isso é por meio de eleições justas e democráticas nas quais Lula tenha o direito de ser candidato".

Mas essa luta não é apenas sobre um homem – também devemos defender a democracia e o progresso social no Brasil e em solidariedade a todos os movimentos que resistem ao governo golpista em todo o país.

Desde o verão de 2016, o governo não eleito do Brasil impôs medidas neoliberais linha-dura, incluindo um congelamento de gastos públicos de 20 anos e planos para privatizar a estatal petrolífera.

De fato, o atual governo não-eleito no Brasil é tão ruim que chegou a afrouxar a definição de escravidão em uma medida polêmica criticada pelo relator especial da ONU sobre a escravidão moderna, que disse que o decreto governamental "enfraqueceria a proteção" de populações pobres e excluídas que são vulneráveis ​​à escravidão".
Tudo isso foi feito sem qualquer endosso eleitoral, e o atual presidente está com um índice de popularidade de 2%.

Além disso, a prisão de Lula foi acompanhada de uma maior repressão do atual governo do presidente não eleito, que incluiu a extinção dos direitos sindicais, a repressão aos protestos dos movimentos sociais e, particularmente, preocupantes desenvolvimentos como o assassinato de Marielle Franco em março.

No entanto, a resistência está ocorrendo em todo o país contra o governo ilegítimo, através de greves, protestos, ocupações de terra e muito mais.

A dura realidade é que 54 milhões de brasileiros votaram em um presidente de esquerda, mas tiveram um presidente de direita imposto sobre eles. Parecia que eles estariam enfrentando uma escolha apenas de candidatos de direita ou candidatos centristas na próxima eleição se Lula fosse mantido fora das urnas.

Felizmente, a esquerda brasileira se uniu em torno da situação do líder mundial preso e um acordo foi feito para que Fernando Haddad, o ex-prefeito de São Paulo, para concorrer em seu lugar, se a Lula for negado o direito de concorrer.

Apesar de ter um plano B, Lula é o candidato e o próprio Haddad disse que vai "viajar por todo o país levando a voz de Lula" e está claro que milhares de progressistas ao redor do mundo não estão desistindo de Lula e seus ideais.

A menos que façamos tudo o que pudermos internacionalmente para Lula, a democracia em um dos países mais populosos e diversos do mundo será desviada pela segunda vez em dois anos. Com as políticas do governo do golpe já prejudicando o bem-estar social e os cuidados de saúde para os mais pobres do país, a luta no Brasil pela democracia e pelo progresso social também é nossa luta.

E essa luta também é importante em termos mais amplos na América Latina para o futuro dos movimentos progressistas e dos sindicatos.

A administração Trump apoiou os passos para trás no Brasil, e isso é parte de uma tendência preocupante dos EUA de apoiar governos e movimentos reacionários, direitistas e antitrabalhistas na região.

O futuro de Lula e de sua candidatura será decidido na próxima semana - vamos intensificar a pressão internacional para que a impressionante vitória da esquerda no México no mês passado não seja o único grande ganho para os progressistas na América Latina este ano.
(Ken Livingstone- ex prefeito de Londres/ via Brasil 247)

Miriam Leitão acerta ao dizer que Lula venceu o debate, mas erra ao apontar os motivos


Primeiro, vamos ler o que Miriam publicou em sua colona de hoje no jornal O Globo:

Lula venceu o debate por uma espécie de W.O. às avessas. Por estranha estratégia dos candidatos, o PT foi poupado de cobranças sobre o mensalão e o petrolão. Naquele mesmo dia havia acontecido um evento emblemático: o Ministério Público, que o ex-presidente acusa de perseguição, devolveu à empresa mais R$ 1 bilhão desviado da estatal. O partido foi poupado da crítica de o governo Dilma ter provocado a pior recessão do país, ter transformado 16 anos de superávit primário no maior rombo fiscal em duas décadas e iniciado a mais dolorosa onda de desemprego. Dilma foi invenção de Lula mas a ele nada é imputado.

Ele não estava presente no debate da Band, mas as acusações sobre as mazelas do país foram jogadas sobre o “governo atual”. O governo de Michel Temer está no fim, sem força e sem capacidade de alavancar seu candidato, o ex-ministro Henrique Meirelles. Era preciso deixar claro quem nos trouxe a esta situação. A impopularidade de Temer faz dele um alvo tão fácil quanto inútil. Na economia, ele pode ser acusado de não ter conseguido vencer o déficit público e de ter diminuído apenas ligeiramente o desemprego. Mas ele herdou os dois problemas. Como o atual presidente é carta fora do baralho, os candidatos que pretendem confrontar Lula ou Fernando Haddad não podem mais tratar o PT como se ele fosse uma abstração.

Miriam Leitão acerta ao dizer que Lula ganhou o debate — ninguém demonstrou ali que pode fazer melhor do que o PT em seus 13 anos de governo. Mas erra ao apontar os motivos.

Além disso, desconsidera que os candidatos estavam ali para disputar a segunda vaga no segundo turno.

A outra é de Lula — seja ele próprio ou Haddad, o que é provável. Para os que estavam no debate, o momento é de se atacarem mutuamente, se desconstruírem uns aos outros, não a Lula, que já tem uma imagem consolidada no eleitorado.

Além do mais, se atacado, Lula nem sequer poderia se defender, e isso ficaria claro ao público. Vitimizaria Lula.


Análise ruim também porque repete a lenga-lenga de que o PT provocou a recessão. Errado. O que provocou a recessão foi o movimento para derrubar Dilma, que inviabilizou o governo, com pautas bombas.

O jornalismo de guerra, aliado desse movimento, ajudou a colocar gasolina na fogueira.

Sobre a Petrobras, basta lembrar que, antes da Lava Jato, o valor da empresa era 160 bilhões de reais maior.

Com o espetáculo da investigação, perdeu valor, cancelou investimentos e, depois que Temer assumiu, mudou a estratégia da empresa, e o resultado o povo sente no bolso: combustível mais caro.

Miriam Leitão e O Globo vão até o fim nesta falácia de que colhemos hoje o fruto da semente plantada pelo PT. Só que não convence mais. Nem aos tolos.

No último ano em que Dilma governou num ambiente de relativa normalidade, em 2014, a taxa de desemprego era inferior a 4,8% — o que caracteriza pleno emprego, hoje é de 13% –, o dólar fechou a R$ 2,65 — hoje é R$ 3,86.

O botijão de gás de cozinha com 13 quilos custava 45 reais e hoje está em quase R$ 100. O litro da gasolina era vendido a R$ 2,90. Hoje está em torno de R$ 5.

Sob qualquer critério, o Brasil piorou. Mas, para Miriam Leitão, a culpa é do PT.

Enquanto estiver no Grupo Globo, ela vai bater nesta tecla. Pelo menos até o dia em que um novo editorial for publicado, e a empresa se desculpar pelo erro cometido de ter apoiado a derrubada de Dilma.
(Joaquim de Carvalho/ Diário do Centro do Mundo)

Derrotar o jornalixo bandido da Globosta



Taí um bom termômetro pra medir se a bandidagem midiática ainda tem força pra desconstruir com suas sandices uma liderança popular.

A campanha sórdida que o jornalixo global bandido inicia contra Dilma Rousseff e Fernando Haddad, ela liderando a corrida para o Senado em MG e ele provável vice de Lula, certamente medirá se aquela organização criminosa ainda tem bala na agulha suficiente para perpetrar mais crimes.

Lembrando que no voto a quadrilha de malfeitores global perdeu as quatro últimas eleições presidenciais pro PT 2002, 2006, 2010 e 2014 mesmo dedicando mais da metade do tempo jornalíxico em época de campanha pra produzir reporcagens delinquentes e panfletárias a favor da viralatice direitista e contra o PT.

Perdeu também a guerra pra destruir a sigla de Lula, usando sua lábia falso moralista e ungindo à condição de vestais togados mal afamados, de passado e presente nebulosos, por conta da falsidade ideológica na produção de provas contra desafetos, bem como no acobertamento de bandidos que lhes são simpáticos, por isso hoje foram desmascarados e viram ruir a imagem do heroísmo fabricado no covil global.

Hoje o Partido dos Trabalhadores possui mais de 2.100 milhões de filiados registrados no TSE, assim como é a sigla da preferência do eleitorado brasileiro, com percentual quatro vezes superior a da segunda colocada. Desconfio que o PT vai ganhar mais essas da quadrilha global.

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Tirou o pijama pra delinquir



Bandido de pijama verde oliva, ora homiziado na chapa presidencial do jagunço Jair Bolsonaro, prega, em público, um golpe militar caso a justiça confirme o registro da candidatura do ex-presidente Lula.

Trata-se de acintosa atitude fora da lei, desrespeitosa à Constituição Federal além de exibição torpe de prepotência por parte de um servidor público, ainda que inativo, mas devedor de obediência à lei

É inconcebível que alguém apresente-se como pleiteante de uma disputa democrática, mas prematuramente desnude sua índole truculenta desrespeitando as leis ao querer determinar quem deve ou não participar da eleição.

Depois da exibição burra de seu jeito preconceituoso de avaliar heranças étnicas, agora o infame vice de Bolsonaro arvora-se a concorrente e árbitro, postando-se acima da lei de forma abominável. cadeia nele!.

Milhares de camponeses dão início à Marcha Nacional Lula Livre



Iniciativa começou nesta sexta (10) e culminará com grande ato em Brasília no próximo dia 15, data em que Lula será registrado como candidato

Em mais uma demonstração de resistência contra a prisão política de Lula e pelo seu direito de participar das eleições, cerca de 5 mil camponeses de todas as regiões do Brasil deram início nesta sexta-feira (10) à Marcha Nacional Lula Livre, que percorrerá cerca de 50 quilômetros durante os próximos quatro dias.

Organizada pelo MST e pela Via Campesina, a iniciativa culminará com grande ato em Brasília no dia 15 de agosto, data em que o ex-presidente será registrado como candidato à Presidência da República. “A crise política que estamos vivendo é que nos trouxe até aqui. O governo que está aí é fracassado e vemos em Lula a pessoa certa para barrar os efeitos do golpe”, reitera Alexandre Conceição, da direção Nacional do PT.

O ponto de partida ocorreu simultaneamente nas cidades de Formosa (GO) e Luziânia (GO) e um terceiro grupo de manifestantes seguirá a partir da cidade de Engenho das Lages (DF). O encontro na capital federal ocorre no dia 14. A expectativa é que outras milhares de pessoas, entre representantes de movimentos sociais, comunidades campesinas, artistas e líderes políticos e sindicais se unam ao ato em Brasília.

Além de fortalecer a resistência contra a prisão arbitrária de Lula, mantido injustamente na Polícia Federal de Curitiba há mais de 100 dias, a Marcha também reforça a pressão sobre os inúmeros ataques do golpista Temer aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil.

“A nossa marcha tem três grandes objetivos. O primeiro está no próprio nome da marcha. Como nós vamos justificar que aqui há democracia se Lula não disputar as eleições? O segundo é em defesa dos direitos da classe trabalhadora. Queremos levar a importância da reforma agrária no Brasil, ainda mais num momento em que a miséria voltou a assombrar a população. Por fim, queremos criar um projeto popular para o país”, explica Marina dos Santos, dirigente do MST.
(Agência PT de Notícias)

Despesas do Judiciário crescem acima do teto em 12 meses


Se for confirmado pelo Congresso Nacional, o aumento de 16,38% no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), previsto para o ano que vem e aprovado nesta quarta-feira (8) pelos próprios magistrados, deve dificultar ainda mais o cumprimento da regra constitucional do teto de gastos nos próximos anos. A projeção é da economista Vilma da Conceição Pinto, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV).

“Os gastos do Poder Judiciário, em 2017, cresceram 7,5%, em termos nominais, enquanto o teto previa [limite de] 7,2%. Em 2018, no acumulado dos últimos 12 meses, as despesas já cresceram 4,1%, enquanto o teto para este ano é de 3%. No modo agregado, o Poder Judiciário não está cumprindo o teto”, diz a especialista. A estimativa ainda não leva em consideração os efeitos do reajuste salarial, que só será válido a partir do ano que vem, mas projeções preliminares indicam que o “efeito cascata” do aumento de salário dos ministros do STF, cuja remuneração corresponde ao teto do funcionalismo público, será de R$ 717 milhões apenas nas despesas do Poder Judiciário federal. Somando os demais poderes da União e os impactos nos estados, a conta final pode chegar a R$ 4 bilhões por ano.

Teto dos gastos

Ao longo dos três primeiros anos de vigência da Emenda Constitucional 95, aprovada em 2016, o Poder Executivo poderá compensar o crescimento de gastos dos demais poderes, no cálculo geral, mas, após esse período, a compensação não poderá ser mais feita. “Essa compensação tem um limite, depois vamos ter que conviver com o resultado muito acima do teto”, afirma a pesquisadora. Para Vilma da Conceição Pinto, em tempos de inflação reduzida, em cerca de 3%, um aumento salarial de dois dígitos levanta também “questões morais”.

Para o ministro Ricardo Lewandovski, um dos sete integrantes do STF que votaram a favor do reajuste, a medida corrige a defasagem dos salários no Judiciário. Ele chegou a citar o trabalho da Justiça na recuperação de recursos públicos desviados para justificar o aumento.

Despesas com pessoal

No Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2019, o Ministério do Planejamento prevê despesas de R$ 322 bilhões com pessoal. Esse número não leva em consideração o impacto do reajuste no STF, que deve ser, somando todos os poderes da União, de cerca de R$ 1,4 bilhão. O valor deverá ser reajustado na apresentação do Projeto de Lei Orçamentária que o governo deve enviar ao Congresso Nacional até o fim do mês.

Ao longo dos últimos nove anos, as despesas com servidores públicos federais tiveram aumento nominal de R$ 135 bilhões. O percentual de gastos saltou de 28,3% da Receita Corrente Líquida (RCL), em 2008, para 35,2%, em 2017. Pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), o gasto com pessoal não deve exceder 50% da receita dos governos, incluindo União, estados e muncicípios. Apesar da União ainda estar um pouco distante desse limite, a avaliação do Ministério da Fazenda é que há uma tendência de alta desde 2012.

No caso dos estados, a situação é pior. Dados da Secretaria do Tesouro Nacional mostram 24 das 27 unidades da federação gastam mais de 50% de suas receitas com pagamento de salários e encargos de servidores públicos. Somente Goiás, Sergipe e Distrito Federal ainda estariam abaixo desse limite, mas já chegando perto de 50%.
(Rafael Vilela- Agência Brasil/ via Sul21)

Quem ganhou o debate foram os donos de fazendas de perfis falsos e bots


Quem está dentro do quentinho de sua própria bolha ideológica tem certeza de que seu candidato venceu o debate entre os presidenciáveis, realizado na noite desta quinta (9), na TV Bandeirantes. Preso junto aos que pensam igual nas câmaras de eco das redes sociais ou das listas de WhatsApp e apartados da diferença por conta da ultrapolarização, há quem viva um mundo em que seu o desempenho de seu candidato o levará a conquistar 10 pontos percentuais na próxima pesquisa de intenção.

Por oposição, devem ter achado que o principal dele, seja quem for, passou vergonha. Pelo menos foi o que os memes – nova base da transmissão de conhecimento da civilização ocidental – assim disseram.

Na prática, um debate presidencial com oito pessoas é a festa bêbada da democracia. Não é possível aprofundar muito qualquer tema e, portanto, mesmo uma pessoa com conhecimento raso como um pires consegue sobreviver durante as suas poucas horas de duração. E as regras que possibilitam isolar candidatos acabam abrindo acordos informais de conveniência em nome da sobrevivência. Ou seja, eu pergunto a você, você pergunta pra mim e deixamos aquele chato ali, sozinho.

O debate, apesar de ter sido útil para trazer nomes desconhecidos à tona, não deve ter alterado a corrida eleitoral. Serviu, contudo, para comprovar que Lexotan não é usado apenas para acalmar depoente em CPIs no Congresso Nacional. E mostrou que, após a votação do impeachment, o nome de Deus se transformou em coringa na boca de político na TV. Não falarás o nome do senhor teu Deus em vão? Revogaram o mandamento.

Há frases e situações que atravessaram os limites das bolhas, claro. De Boulos para Meirelles: ''Aqui, nesse debate, tem 50 tons de Temer'' – o que tem potencial para estampar umas das coisas mais importantes da vida: camisetas. Ou de Ciro, sobre os devaneios do Cabo Daciolo: ''A democracia é uma beleza, mas ela tem certos custos''. Benevenuto Daciolo, que zerou a internet quando sacou uma bíblia para fazer suas considerações finais. Ele, que durante seu mandato de deputado federal, propôs mudar a Constituição para trocar o “todo o poder emana do povo” para “todo o poder emana de Deus”, confundiu bancada com púlpito.

Mas, se há um ganhador no debate entre os presidenciáveis, ele é o dono de qualquer empresa de consultoria digital que esteja alugando suas fazendas de perfis falsos e bots a candidatos para influenciar a opinião de eleitores nas redes sociais.

Tivemos uma amostra do caos que nos espera nos próximos dois meses. Nas redes, nuvens de perfis simples criados especialmente para o combate político (pouco ou nenhum seguidor, nome gerado por computador, imagens genéricas de perfil) produziram e reproduziram dezenas de milhares de tuítes a favor ou contra candidatos. O objetivo foi fazer você crer que, se todo mundo está falando de algo, é por que é verdade. O que é uma grande mentira.

Isso gerou situações pitorescas. Bolsonaro foi um dos dez temas mais falados na Rússia, Cabo Daciolo figurou entre os principais do Paquistão e Ciro e Marina, do Vietnã, por exemplo.

É ótimo saber que o mundo está participando ativamente das eleições brasileiras, postando dezenas de milhares de tuítes. Eu ficaria preocupado se alguém estivesse usando robôs desses países para manipular o debate público por aqui.

A verdade é que aquilo que passa pela tela do celular já alterou a forma como vemos e percebemos debates eleitorais, dando a eles novos significados a depender dos estímulos que recebemos. Qual o impacto disso nas eleições? Ultimamente, tenho achado que, se não matar a democracia, já também demais.
(Blog do Leonardo Sakamoto)

Ex-presidente do Chile apoiará Lula na ONU


Explode a pressão nacional e internacional a favor de Lula. No Brasil, ele disparou nas pesquisas e agora vence até em SP. No exterior, a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet chefia, agora, o Comitê de Direitos Humanos da ONU e acolherá a denúncia de Lula. Além disso, juristas do mundo inteiro fazem abaixo-assinado exigindo sua libertação e candidatura.

A agência de notícias espanhola EFE, uma das maiores do mundo, fundada em 1939, noticia que Juristas internacionais estão denunciando irregularidades no julgamento de Lula.

Diz a matéria que “Dez juristas e advogados europeus e latino-americanos denunciaram (…) irregularidades no processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pediram que a legalidade seja respeitada “com rigor e independência”.

A denúncia foi feita em uma carta enviada de Paris à presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, e que também será remitida aos presidentes da França, Emmanuel Macron, e do Governo espanhol, Pedro Sánchez, assim como ao primeiro-ministro de Portugal, Antonio Costa, e aos respectivos chanceleres.

A iniciativa foi impulsionada pelo advogado francês William Bourdon, presidente e fundador da associação de proteção e defesa das vítimas de crimes econômicos Sherpa.

A carta também é assinada por outros nomes, como o jurista Emilio García, presidente da Fundação Sul Argentina, e o presidente de honra da Liga de Direitos Humanos (LDH), Henri Leclerc, e expressa sua preocupação com a parcialidade do processo e os obstáculos à libertação.

O grupo de juristas e advogados denunciou, entre outros pontos, o fato de o juiz Sergio Moro ter autorizado divulgar na imprensa elementos como a gravação de uma conversa telefônica entre o ex-presidente e sua sucessora, Dilma Rousseff, e questionou “o caráter precipitado, injusto e parcial do processo”.

Os signatários disseram estar igualmente preocupados com as “graves afrontas aos direitos da defesa” de Lula, como submeter seus advogados a escuta telefônica.

Uma cópia da carta também será enviada de forma simultânea aos dez ministros do STF e ao presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luiz Fux.

Mas não é essa a principal boa notícia para Lula. A grande notícia é a de que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, nomeou na quarta-feira (8) a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet como alta comissária para os Direitos Humanos.



Na prática, Bachelet terá enorme e decisiva influência sobre a denúncia do ex-presidente Lula de violação de seus direitos humanos por ter sido condenado e preso em um processo farsesco e sem provas com a finalidade escancarada de impedir que vença a eleição presidencial no país.

Bachelet, como se sabe, já manifestou apoio público ao ex-presidente Lula.

O mais importante em tudo isso, porém, é a pressão que a comunidade internacional fará sobre o Supremo Tribunal Federal no que diz respeito à farsa jurídica construída pela Lava Jato para tirar Lula da eleição presidencial enquanto acoberta tucanos com apoio da mídia.
(Eduardo Guimarães/ Blog da Cidadania)

Belém Porto Futuro(do pretérito)



Só com os R$31 milhões, a serem gastos na primeira parte da obra 'Belém Porto Futuro', seria possível restaurar a região do centro histórico da cidade, além de implantar medidas que garantissem sua conservação e uso racional.

É verdade que o mentor da citada obra é candidato a governar o Pará, novamente, e viu na disputa passada seu objetivo ser frustrado muito porque foi mal votado na capital, daí a necessidade de se produzir algo que impactasse o eleitorado a ponto de reverter sua rejeição.

No entanto, pelo que que se lê aqui e acolá, a dita obra pode até embelezar parte daquela área do entorno da outrora zona portuária da cidade, todavia, sua praticidade também cai na armadilha do mais do mesmo, produzindo o risco de tornar o centro da cidade uma área ainda mais conturbada.

Segundo o engenheiro responsável(?) da obra, "a ideia é melhorar a mobilidade urbana, otimizando o acesso ao centro da cidade, mas também promover lazer à população".

Infelizmente, essa junção não passa de nota de três reais. Que mágica será feita para concentrar um número incalculável de carros, pessoas, coletivos e o escambau na área, com otimização do acesso ao centro?

A não ser que esteja em andamento a implantação de fábricas de vassouras voadoras, tapetes mágicos e similares em nosso estado. Como o assunto é sério, mais certo é que o centro histórico continue abandonado, o trânsito uma lástima e os mentores da obra culpando terceiros pelo caos. Paciência!

Contra os interesses da população



Um dia após os ministro do STF se auto concederem reajuste de 16,38%, surge um infame relator da Lei de Diretrizes Orçamentárias, para 2019, declarando que "não há espaço para reajustes salariais dos servidores públicos no ano que vem".

Como não poderia ser diferente, o meliante investido em mandato parlamentar é do PSDB(Santa Catarina), aquele partido que doou o patrimônio público construído pelo povo brasileiro em troca de propina entesourada em paraísos fiscais e sob a proteção do malandro togado Sérgio Moro.

O vil veto a eventuais aumentos é revanche porque o dito cujo já havia tentado aprovar emenda na tramitação do texto no Congresso proibindo qualquer reajuste, sendo derrotado depois que o senador Paulo Rocha(PT/PA) apresentou emenda vencedora pra suprimir a canalhice privata.

Provavelmente, isto não será votado antes das eleições em razão do desgaste que pode causar na bancada temerário/alckmista, frontalmente a favor da proibição, mas precisando manter a pose enganadora de neutralidade até o final do pleito de outubro.

Se perderem, manterão a possibilidade de reajuste alegando que é um direito dos servidores e blábláblá; se ganharem sacramentarão a proibição até mesmo porque não precisarão mais do eleitor. Assim fizeram em 2002, quando FHC concedeu o único reajuste decente ao salário mínimo. Seu candidato tinha perdido pra Lula