Jorge Paz Amorim

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Sou Jorge Amorim, Combatente contra a viralatice direitista que assola o país há quinhentos anos.

sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Vergonha. Aqui os pinochets dormem tranquilos e morrem de velhice


A Câmara dos Deputados do Chile aprovou, nesta semana, uma resolução que  declara oficialmente Augusto Pinochet como “ditador e artífice de um aparato terrorista do Estado”. A partir dessa resolução, o ministro de Defesa do Chile, José Antonio Gómez, afirmou que solicitará, na próxima semana, o retiro de todas as imagens do ditador nas dependências do Exército, e decretará a proibição de homenagens em sua honra dentro de edifícios do Estado.

Pois é, a Argentina botou a malta de ditadores que derramaram o sangue de civis  na cadeia a fim de que paguem pela carnificina que promoveram a serviço do imperialismo ianque, que patrocinou a selvageria perpetrada; agora o Chile toma decisão exemplar banindo do convívio social aquele bandido fardado que tanto mal causou ao Chile.

Enquanto isso, nós, brasileiros, vamos convivendo com a reverência criminosa dispensada a bandidos que promoveram iniquidades nesse nível. Pior: somos obrigados a engolir pela televisão um celerado adorador dessa barbárie invocar o nome de um desses gangsters fardados, no momento em que dava sua contribuição para golpear novamente a democracia.

Aqui a tragédia se repete, ou melhor, é imposta sazonalmente de acordo com os interesses de uma elite corrupta e anacrônica, que não pensa duas vezes na hora de colocar a seu dispor poderes que deveriam servir aos interesses do povo, mas postam-se subservientemente à disposição de interesses de classe, ainda que isto comprometa os mais altos interesses nacionais.

No Chile, junto com o bandoleiro Pinochet, a referida resolução também declara como “vergonha nacional” a atuação do ex-presidente da Corte Suprema de Justiça do Chile, Israel Bórquez, que segundo documentos recentemente desclassificados da CIA (sigla em inglês da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos), foi o principal operador a favor de Pinochet no Poder Judiciário, sendo o responsável pelo encobrimento das evidências que ligavam o ditador a este e outros casos.

Aqui, assiste-se inerte ao movimento de uma chusma de togados agir politicamente em favor de salteadores do poder dando-lhes retaguarda aos malfeitos que cometem, dando a essa sordidez um falso verniz civilizatório, quando tudo não passa de far west tupiniquim.

Tristes tempos, os ora vividos pelo povo brasileiro, em que uma mídia criminosa escala um elenco formado por parlamentares, togados e seus vassalos a fim de encenar uma farsa que entrará não para a história de nossa dramaturgia, posto que é bastante chinfrin para tal. Mas, desgraçadamente, fará parte dos episódios mais vergonhosos de nossa recheada história de fatos e personagens marcados pela vilania que os acomete. Triste!

Um comentário:

Leonardo Marques disse...

sem falar na ONDA DE IMBECILIZAÇÃO que assola o País! quando o brasileiro acordar, será muito tarde!