segunda-feira, 1 de setembro de 2014

"O risco-Marina não é econômico. É político."

O PT seria espancado se pregasse o cesarismo anunciado por Beto Albuquerque.
Embora não tenha sido bem clara sobre a natureza de suas preocupações com propostas do programa de governo de Marina Silva, a presidente Dilma indicou que seus temores são relacionados com a economia: a instabilidade, a desindustrialização, a quebra da matriz energética e derivados.

Relativamente à economia, Marina já ajoelhou e beijou a cruz para o mercado. Vem dizendo o que o setor financeiro, a indústria e até o agronegócio querem ouvir, contrariando o próprio discurso recente. Já se comprometeu com o tripé câmbio livre-metas de nflação-superavit, prometeu o BC independente. O risco maior do governo de uma candidata que na prática não tem partido político, está alojada em uma sigla de baixa densidade e expressão e vem se revelando avessa às coalizões, num presidencialismo que não pode prescindir delas, é fundamentalmente político.

Como destaca o Brasil247, o vice de Marina, deputado Beto Albuquerque, fez ontem as declarações mais graves de toda a campanha eleitoral. Se Lula, Dilma ou qualquer candidato petista pregasse algo parecido com o que disse o vice de Marina Silva, Beto Albuquerque, estariam sendo espancados verbalmente e chamados de “populistas”, “chavistas”, “bolivarianistas” e outros “istas” que podem ser resumidos pela categoria “cesarista”: governante que, como os césares de Roma, dispensa a mediação dos partidos e das instituições e procura se entender diretamente com o povo.

Se a “nova política” que Marina e PSB pregam descambar para a “anti-política” anunciada ontem por Beto, estamos feitos: “Depois de eleger Marina, temos de ir para as ruas e dar a ela a cobertura para que possa exigir do Congresso as mudanças necessárias ao país”, disse o companheiro de chapa. Todos os governantes que tentaram peitar o Congresso, desde a monarquia parlamentar de Dom Pedro, deram-se mal. Exceto os ditadores: Vargas no Estado Novo e os militares no pós-64. Washington Luís foi varrido pela Revolução de 30, Jânio renunciou e não voltou, Collor levou o impeachment. Jango, sem maioria parlamentar, foi “tolerado” até o momento em que, no comício da Central, em 13 de março, apelou ao povo para que o ajudasse a aprovar as reformas pressionando o Congresso. Veio o golpe.

A coalizão que apoia Marina, composta basicamente por PSB e PPS, hoje tem 30 deputados: 24 do PSB e seis do PPS. Se as duas bancadas dobrarem de tamanho no pleito do dia 5, pela força do efeito-Marina, serão 60. Ah, “mas eu vou governar com os melhores de cada partido”, tem dito ela, falando especificamente em “melhores do PT e do PSDB”. Indivíduos não formam coalizões nem garantem maiorias. Para chegar aos 257 deputados na Câmara, sem o quê ninguém governa, ela teria que recorrer ao que chama de velha política: fazer alianças, compartilhar o poder, ceder cargos e negociar as políticas a serem votadas. Estará Marina disposta a isso? Beto informa que preferem apelar às ruas para dobrar o Congresso.

O PSDB bem sabe o que significa a falta de estrutura e base política para governar. Mesmo sabendo que ganharia a eleição de 1994 com a força do Real, Fernando Henrique tratou de firmar aliança com o PFL. Estava certo, o PFL foi importante para a sua governabilidade. Agora, boa parte dos tucanos “marinam” discretamente acreditando que o governa lhes cairia no colo. Ainda assim, o PSDB hoje é um partido de 44 deputados. Se dobrar a bancada, uma coligação PSB-PPS-PSDB ainda estará longe da maioria. Os outros teriam que ser coagidos pelas ruas.

Afora o Congresso, a estabilidade política exige capacidade de negociar também com os diferentes segmentos da sociedade civil: empresários, sindicatos, corporações etc. Marina tem dito que quer “ouvir”. Sua mecenas Neca Setúbal diz que ela difere de Dilma porque ouve. Ouvir é uma coisa, negociar e conciliar é outra. Na hora dos confrontos de força e interesse, ela cederá ou chamará o povo?

“Perco o pescoço mas não perco o juízo”, disse Marina quando trombou definitivamente com o Governo Lula, recusando-se a flexibilizar posições do Ministério do Meio Ambiente em relação às licenças para acelerar as obras de construção das hidrelétricas da Amazônia, fundamentais para aumentar a oferta de energia.

Se na Presidência ela repetir e praticar este bordão, estará mesmo arriscando o pescoço. Mas não será só o dela. Será o nosso, o da democracia que os brasileiros vêm construindo, com todos os vícios e virtudes de nosso sistema político, que precisa mesmo de reformas, mas dentro da normalidade institucional, pela via da negociação. Um presidente que sai forte das ruas deve aproveitar o momento em que transpira força e legitimidade para conduzi-la. Fernando Henrique, Lula e Dilma perderam o “timing”, a lua de mel passou, não deram prioridade à reforma política. Depois já era tarde. Mas o que Beto Albuquerque anuncia é outra coisa. É o cesarismo, com qualquer nome contemporâneo que se queira lhe dar.
(Tereza Cruvinel)

Ao contrário das gangues midiáticas, Banco Mundial afirma que população pobre ficou 76% menor durante os governos do PT


A pobreza crônica no Brasil, quando consideradas várias dimensões de carências e privação, caiu de 6,7% para 1,6% da população no período de oito anos, entre 2004 e 2012, segundo estudo do Banco Mundial.

A queda de 76% durante os governos do PT foi apresentada por técnicos do Banco Mundial em encontro promovido no Rio de Janeiro pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e pelo World Without Poverty (WWP), projeto conjunto do Banco Mundial, do MDS e do PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).

O estudo considerou pobres de renda aqueles que ganham até R$ 140 mensais por membro da família. O valor é maior do que a linha de extrema pobreza brasileira, de R$ 77 mensais (equivalente a US$1,25 diário), também por membro da família. Se a pobreza crônica considerasse apenas a população em situação de miséria, o percentual da redução seria ainda menor do que o 1,6% da população identificado pelos autores do estudo.

“Os resultados na redução da pobreza multidimensional refletem os efeitos de políticas como Luz para Todos e a melhoria no acesso à educação verificados no Brasil nos últimos anos”, destacou a ministra o Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, que participou do evento. Ela lembrou que mais de 3,1 milhões de residências tiveram acesso à luz elétrica desde o início do programa Luz para Todos em 2004.

A pobreza de renda caiu muito, segundo a ministra, devido a uma série de fatores, como o Bolsa Família, o crescimento do salário mínimo e o aumento da formalização do emprego, mas a queda foi ainda maior se considerados fatores como acesso a bens e serviços públicos.

O trabalho feito pelo Bird, focado na pobreza multidimensional, considerou, além da renda, sete dimensões da pobreza: se as crianças e adolescentes até 17 anos estão na escola, os anos de escolaridade dos adultos, o acesso à água potável e saneamento, eletricidade, condições de moradia e, finalmente, a bens, como telefone, fogão e geladeira. O estudo trabalhou com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), produzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IGBE).

A ministra destacou que o Plano Brasil Sem Miséria foi organizado de forma a enfrentar a pobreza em suas diferentes dimensões, garantindo renda, mas também cuidando de melhorar as oportunidades para inserção econômica dessas famílias, assim como o seu acesso a serviços. “Construímos o Plano Brasil Sem Miséria olhando o conjunto da população pobre e extremamente pobre”, explicou ela. “Sempre agimos de maneira multidimensional e os dados do Banco Mundial comprovam isso”.

Para a economista do grupo de Desenvolvimento Humano e Proteção Social do Banco Mundial, Anna Fruttero, coautora do estudo, o fato de um indivíduo ser pobre monetário e multidimensional aumenta a probabilidade de ele seguir na pobreza. “O objetivo tem que ser a erradicação da pobreza crônica”, afirmou.

“O que nos estimula”, disse a ministra Tereza Campello, “é que os dados do Banco Mundial mostram que nossa ação tem sido eficaz, pois conseguiu atingir a pobreza crônica”. Ela salientou ainda que o trabalho apresentado pelo Banco Mundial considerou dados até 2012 e que os resultados seriam ainda mais surpreendentes se tivessem sido computados dados de 2013, que incluem parte dos efeitos de programas como Água para Todos, Minha Casa, Minha Vida, e Mais Médicos.

(Agência PT)

"Voto contra tudo isto que está aí"

Se alguém me dissesse, em 2004 – quando o primeiro governo Lula sofria a oposição feroz de toda a mídia brasileira e tinha pouco ou nada para mostrar de resultados – que em dez anos o segundo turno da eleição presidencial seria disputado entre duas ex-ministras do governo Lula, uma pelo Partido dos Trabalhadores e uma pelo Partido Socialista Brasileiro, eu diria ao meu suposto interlocutor que a sua fé na democracia era um comovente delírio. A provável ausência, pela primeira vez no segundo turno das eleições presidenciais, de candidatos da direita autêntica, do PSDB, do DEM e do PTB, é mais uma boa notícia que a democracia nos traz. Imagina-se que, vença quem vença, muitos dos derrotados voltarão correndo para os braços confortáveis do novo governo, esta é a má notícia.

Tenho familiares e bons amigos que vão votar na Marina e também no Aécio. Eu vou votar na Dilma. Acho que foi o Todorov quem disse (mais ou menos assim) que a democracia nos reúne para que a gente resolva qual é a melhor maneira de nos separar. Não sou nem nunca fui filiado a qualquer partido, já votei em vários, tenho amigos em alguns. Neste que é o maior período democrático da nossa história (25 anos, sete eleições consecutivas), o Brasil não parou de melhorar e não há nada que indique que vá parar de melhorar agora.

Votei no Lula, desde sempre até ajudar a elegê-lo em 2002, com o palpite de que um governo popular, o primeiro em 502 anos, talvez pudesse enfrentar com mais vigor o grande problema brasileiro: a desigualdade social. Achei que, talvez, substituindo a ideia de que o bolo deve primeiro crescer para depois ser divido pela ideia de incentivar o crescimento do país com melhor distribuição de farinha, ovos, manteiga, fogões, casas com luz elétrica, empregos e vagas nas escolas e nas universidades, finalmente poderíamos começar a nos livrar da nossa cruel e petrificada divisão entre a casa grande e a senzala. Meu palpite estava certo. A desigualdade brasileira continua grande e cruel mas está, finalmente, diminuindo.

Voto, ainda, primeiro contra a desigualdade social, ainda o maior problema do país, um dos mais injustos do planeta, em poucos lugares há uma diferença tão grande entre pobres e ricos. A elite brasileira (sim, ela existe, esta aí), fundada e perpetuada no escravismo, luta para manter seus privilégios a qualquer custo. Eles são donos dos bancos, das grandes construtoras, fábricas e empresas, das tevês, rádios, jornais e portais da internet e defendem ferozmente sua agradável posição. A única maneira de enfrentar seu enorme poder é no voto.

Voto contra o poder crescente do capital sobre as políticas públicas. Quem vive de rendas pensa sempre mais no centro da meta da inflação e menos nos níveis de emprego, mais na taxa dos juros e menos no poder aquisitivo dos salários. O poder do capital especulativo, rentista, é gigante, mora na casa dos bilhões de dólares. Voto contra, muito contra, a autonomia do Banco Central, que tira do governante, eleito pelo nosso voto, o poder de guiar o desenvolvimento segundo critérios sociais, protegendo o país do ataque de especuladores e garantindo renda e empregos, e entrega este poder ao tal mercado, hereditário e eleito por si mesmo, sempre predador e zeloso em garantir a sua parte antes de lamentar os danos sociais causados por seus lucros. (Ver Espanha, Grécia, EUA, Finlândia, etc.)

Voto contra submeter os critérios de uso dos nossos recursos naturais não renováveis, como o petróleo, ao interesse de grandes empresas estrangeiras. O petróleo brasileiro e seu destino é o grande assunto não mencionado nas campanhas eleitorais. Os ataques contra a Petrobras, que acontecem invariavelmente às vésperas de cada eleição, atendem interesses das grandes empresas petroleiras, especialmente as americanas, que querem a volta do velho e bom sistema de concessões na exploração dos campos de petróleo, sistema que, na opinião delas, deveria ser extensivo às reservas do pré-sal. Aqui o interesse chega na casa do trilhão. Garantir que o uso da riqueza proveniente da exploração de nossos recursos não-renováveis tenha critérios sociais, definidos por governantes eleitos, me parece uma ideia excelente da qual o país não deveria abrir mão.

Voto contra o poder crescente das religiões sobre a vida civil. Respeito inteiramente a fé e a religião de cada um, gosto de muitos aspectos de várias religiões, sei do importante trabalho social de várias igrejas, mas não aceito o uso de argumentos ou critérios religiosos na administração pública. Mesmo para os que professam alguma fé religiosa a divisão entre os poderes da terra e do céu deveria ser clara. Diz a Bíblia, em Eclesiástico, XV, 14: “Deus criou o homem e o entregou ao poder de sua própria decisão”. (Esta é a versão grega, a versão latina fala em “de sua própria inclinação” ou “ao seu próprio juízo”.) Erasmo faz uma boa síntese desta ideia: “Deus criou o livre-arbítrio”. Ele, se nos criou a sua imagem e semelhança e criou também as árvores, haveria de imaginar que, criadores como ele, criaríamos o serrote, e com ele cadeiras, mesas e casas, e ainda, Deus queira!, a ciência que nos permita usar com sabedoria os recursos naturais e viver bem, com saúde. O poder crescente das igrejas, com suas tevês e bancadas no congresso, deve ser contido por um estado laico.

Voto contra o preconceito contra os homossexuais. O estado não tem nada a ver com o desejo dos indivíduos. Ninguém (seriamente) está falando que o sacramento religioso do casamento, em qualquer igreja, deva ser definido por políticas públicas, mas os direitos e deveres sociais devem ser iguais para todos, ponto. Os preconceituosos e mistificadores, que vendem a cura gay ou bradam sua lucrativa intolerância contra os homossexuais, devem ser combatidos sem vacilação ou mensagens dúbias.

Voto contra a criminalização do aborto. A hipocrisia brasileira concede às filhas da elite o direito ao aborto assistido por bons médicos, em boas condições de higiene, e deixa para as filhas dos pobres os métodos cruéis e o risco de vida, milhares de meninas pobres morrem de abortos clandestinos todos os anos. A mulher deve ter direito ao seu corpo, independente de vontades do estado ou de dogmas religiosos.

Voto contra o obscurantismo que impede avanços científicos. Há quem se compadeça com os embriões que serão jogados no lixo das clínicas de fertilização e ignore o sofrimento de milhares de seres humanos, portadores de doenças graves como a distrofia muscular, a diabetes, a esclerose, o infarto, o Alzheimer, o mal de Parkinson e muitas outras, cuja esperança de cura ou melhor qualidade de vida está na pesquisa com as células tronco.

Voto contra palavras vazias. Nossa era da mídia transformou a oralidade num valor em si, esquecendo que há canalhas articulados e bem falantes e pessoas de bem e muito competentes que são de pouca conversa, ou até mesmo mudas. Tzvetan Todorov: “A democracia é constantemente ameaçada pela demagogia, o bem-falante pode obter a convicção (e o voto) da maioria, em detrimento de um conselheiro mais razoável, porém menos eloquente”. (1) Há quem diga de tudo e também o seu oposto, dependendo do público ouvinte a quem se pretende agradar, há quem decore frases feitas repetíveis em qualquer ocasião, há quem não fale coisa com coisa. Prefiro julgar os governantes e aspirantes a cargos públicos menos por suas palavras e mais por seus atos, seus compromissos e sua capacidade de trabalho em equipe, ninguém governa sozinho.

Voto contra os salvadores da pátria. Pelo menos em duas ocasiões o Brasil apostou em candidatos de si mesmos, filiados a partidos nanicos, sem base parlamentar, surfando numa repentina notoriedade inflada pela mídia e alimentada pelo discurso “contra a política”, prometendo varrer a corrupção e as “velhas raposas”. No primeiro caso, a aventura personalista de Jânio Quadros acabou num golpe militar e numa ditadura que durou 25 anos. No segundo, a aventura personalista de Fernando Collor, sem base parlamentar e passada a euforia inicial, terminou em impeachment, bem antes do fim de seu mandato. (atualizado em 01.09.14: A trajetória pessoal de Marina – muitos anos de boa luta democrática e defesa de grandes causas – é incomparável com a de Fernando Collor, um autêntico herdeiro da senzala, e Jânio Quadros, um doido. Espero que em nome de uma suposta nova política ela não jogue fora sua bela história de vida, toda construída na velha. )

Voto na Dilma e contra tudo isso que ainda está aí: a desigualdade social, o poder crescente do capital, a cobiça sobre nossos recursos naturais, o preconceito contra os homossexuais, a criminalização do aborto, o obscurantismo que impede avanços científicos, a criminalização da política, as palavras vazias, os salvadores da pátria. Com a direita autêntica fora do jogo podemos, sem grandes riscos de voltar ao passado, debater o melhor caminho para seguir avançando. Ponto para a democracia.

(Jorge Furtado/cineasta)

Agência Nacional de Saúde finalmente moraliza a cobrança da dívida bilionária dos planos de medicina privada com o SUS

Segundo noticia a Agência Brasil, hoje(1), o  ressarcimento que operadoras de plano de saúde pagaram à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) porque seus clientes recorreram a internações no Sistema Único de Saúde (SUS) bateu recorde de janeiro a julho deste ano e superou o montante somado em todo o ano de 2013. Foram R$ 184,03 milhões por quase 200 mil internações de pessoas com plano de saúde na rede pública, contra R$183,26 milhões por 221 mil internações cobradas no ano passado.


Ao contrário da propaganda negativa que as gangues midiáticas brasileiras fazem, o SUS não é tão imprestável assim, caso contrário, não seria tão procurada por usuários de planos de saúde que, se assim procedem, é porque a medicina privada não consegue atender a demanda daquela clientela com maior poder aquisitivo, no entanto, beneficiária dos serviços do SUS e responsável indireta pelas filas de atendimento.

E essa procura não é algo novo, sim sua cobrança de forma mais rigorosa. Segundo o ministro da Saúde, Arthur Chioro, essas mudanças são a razão do aumento na arrecadação, que neste ano deve superar os custos com a agência, hoje em torno de R$ 255 milhões. "Temos um estoque de internações de anos anteriores em que agora se conseguiu obter êxito no ressarcimento, o que significa que melhorou muito a gestão da ANS no cumprimento do seu papel".

A previsão do governo é que os ressarcimentos pagos neste ano passem de R$ 350 milhões. As operadoras que não devolvem o valor das internações ao SUS são incluídas na lista de dívida ativa e passam a integrar o cadastro de inadimplentes, perdendo o acesso a financiamentos com recursos públicos. Encontram-se nessa situação 462 operadoras, e o valor atualizado da dívida soma R$ 579,24 milhões.

Entre os próximos passos da ANS estão a cobrança de ressarcimento pelos procedimentos de alta complexidade realizados no SUS por beneficiários de plano de saúde, como exames de tomografia e ressonância magnética. Segundo a nova diretora de desenvolvimento setorial da agência, Martha Regina de Oliveira, a cobrança deve começar a ser feita em breve. As dificuldades para cobrança de valores de exames e de consultas sem internação estão também na dimensão do universo de procedimentos a serem analisados, já que todas as internações feitas no SUS em um ano somam 11,2 milhões, enquanto as consultas chegam a 1,5 bilhão e os exames, a 2 bilhões.

(Com informações da Agência Brasil)

As trevas marinistas


Incrível o tripé surreal formado em torno da candidata a czarina Alexandra Feodosmarina, formado pelo pastor Silas Mafarta, uma espécie de Rasputin pentecostal que já atirou boa parte do povo ao fogo dos infernos por abominar sua opção sexual e tenta resistir ao envenenamento que lhe dispensa a opinião pública por sua postura reacionária e quinta coluna do sionismo.

Pelo socialista geneticamente modificado, candidato a vice na chapa de Feodosmarina, que investiu verbalmente contra o Poder Legislativo raciocinando sob a hipótese daquele não se submeter aos ditames emanados desse tresloucado "poder divino", ameaçando atirar contra os parlamentares a ira santa popular, embora a história seja repleta de exemplos mostrando tiranetes reprimindo o legislativo e o povo junto, com a boçalidade da repressão policial.

E por uma viga-mestra da agiotagem nacional, cuja meta é fazer tornar à condição de cassino financeiro a máquina financeira da nação que nos mantém hoje como nação soberana. Nas horas vagas, a agiota tenta passar a imagem de educadora popular, sabe-se lá ministrando que tipo de ensinamentos às camadas menos favorecidas, seguramente nada que condene a concentração de renda, que defenda o gasto social pra minorar o abismo entre ricos e pobres e muito menos condene o desemprego já que a usurário/educadora é proprietária de uma banca recordista na prática dessa abominável atividade. O que esperar de algo tão surreal?

 

A credibilidade como peça de ficção

Rejeição



2º turno




Extraí o gráfico acima do Blog do Parsifal apenas para registrar quanto o vil jornalixo, praticado pelo ora panfleto tucano O Liberal, cobra um preço altíssimo(R4,00/exemplar) para o baixo padrão do que é ofertado ao seu leitor.
Com efeito, essa parte omitida na notícia a respeito da segunda pesquisa IBOPE para o governo do Pará pode não interessar ao governador, bem como aos proprietários do jornal. Todavia, constitui deplorável negligência para com o dever de informar o leitor, privá-lo de parte importante da pesquisa apenas porque os que se acham proprietários do estado e da opinião pública torceram o nariz pros resultados. Pior, em um dia que o furibundismo espalhado pelas páginas do jornal auto exaltava credibilidade, seriedade, honradez, compromisso sério, tudo facilmente desmentido pelos fatos  Lamentável!

Começa hoje o Plebiscito Popular pela criação de uma Constituinte Exclusiva e Soberana, para reformar o sistema político brasileiro. Participe!

Nesta segunda-feira, começa a votação no Plebiscito Popular. Vai até o dia 7 de setembro(próximo domingo) e todos os brasileiros com mais de 16 anos poderão dizer se são contra ou a favor de uma reforma do sistema político brasileiro, por meio da convocação de uma Assembleia Constituinte Exclusiva e Soberana.

Cerca de 400 entidades estão montando pontos de votação em igrejas, locais de trabalho por todo o País, que funcionarão a partir da manhã desta segunda-feira até o feriado de domingo. Haverá também uma votação online em uma urna virtual disponível no site oficial da campanha [ http://plebiscitoconstituinte.org.br/ ], onde é possível encontrar também a lista dos locais onde o cidadão pode votar de forma presencial.

domingo, 31 de agosto de 2014

Programa social de Haddad, na Cracolândia, faz reduzir substancialmente a criminalidade na área.

Os índices de criminalidade registrados na região conhecida como Cracolândia, no bairro da Luz, em São Paulo, caíram no primeiro semestre deste ano em comparação ao mesmo período do ano passado. Isso se tornou possível graças ao programa De Braços Abertos, adotado pela Prefeitura de São Paulo no início deste ano, que oferece emprego, renda, moradia e tratamento a dependentes do crack.

Crimes como furtos gerais e furtos de veículos diminuíram, respectivamente, 32,3% e 47,4% na comparação entre os primeiros seis meses de cada ano. Os dados são do Sistema de Informações Criminais (Infocrim), da Secretaria Estadual de Segurança Pública, com base nos registros em 14 ruas da região.

No primeiro semestre do ano passado, quando ainda não existia o programa que atende mais de 400 dependentes químicos, foram registrados 19 furtos de veículos e 319 furtos gerais na região. No mesmo período deste ano, foram dez furtos de veículos e 216 furtos de pessoas. Em toda a cidade, o número de furtos de veículos teve ligeira alta de 5,6% (de 24.016 para 25.370) e o de furtos gerais registrou queda de 1,4% (de 100.289 para 98.897), inferior a apontada na Cracolândia.

O número de roubos de veículos na Cracolândia neste primeiro semestre chegou a zero, enquanto no mesmo período do ano passado, foram 11 registros. Em toda a capital paulista, os casos de roubos de carros tiveram alta de 9,4% (de 24.131 para 26.420). “São Paulo tomou para si de volta aquela região que tinha todos os aspectos para ter os maiores índices de criminalidades”, afirmou o secretário municipal da Segurança Urbana, Roberto Porto.

Já o número de roubos gerais na região caiu apenas 4,1% em termos relativos na Cracolândia, de 196 casos no primeiro semestre de 2013 para 188 registros neste ano. Apesar disso, em toda a cidade, os números de roubos cresceram em 38% (de 59.783 para 82.490) no mesmo período em comparação com o ano passado. “Nossa grande arma é o trabalho conjunto. Além do trabalho diuturno das equipes de saúde e assistência social, a iluminação é verificada e revisada frequentemente. Hoje, a região tem uma das maiores forças de trabalho de varrição na cidade. A guarda e a polícia militar trabalham juntas. Por isso, essa transformação está acontecendo”, disse Porto.



Autonomia financeira – Com a evolução do programa, 23 beneficiários receberam o atestado médico de aptidão ao mercado de trabalho. No último dia 5 de agosto, após o acompanhamento feito por equipes de saúde e assistência social, 16 beneficiários foram encaminhados à empresa Guima Conseco para prestar serviços em equipamentos públicos municipais. Eles receberão R$ 820 por mês, vale refeição de R$ 9,10 por dia, cesta básica no valor de R$ 81,33 e Vale Transporte.

Do total de beneficiários cadastrados até o fim de julho, eram 273 homens, 149 mulheres e 28 crianças. Com o fim dos sete meses de programa, 12 usuários trabalhavam fora do programa, além dos 18 que atuam nas frentes de trabalho em órgãos municipais. Outros 228 seguem no serviço de varrição de ruas e 66 participantes estão no projeto Fábrica Verde, um curso de capacitação voltado à área de jardinagem, onde recebem noções de paisagismo, plantio de jardins comestíveis, produção de mudas e compostagem.

Mais de 330 pessoas conseguiram novos documentos, 16 crianças foram inseridas em creches e três beneficiários ingressaram em cursos no Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

(Agência PT)

O pacote reacionário de Marina


Nada é mais antigo e reacionário nessa campanha eleitoral do que as propostas de Marina Silva, do PSB, para "uma nova política". São seis pontos apresentados no primeiro capítulo do programa de governo divulgado sexta-feira. Cinco deles formam um conjunto de retrocessos democráticos e casuísmos. A agenda da direita está toda lá, do voto distrital ao financiamento privado de campanhas. O sexto ponto, em contradição, copia propostas do PT.

Marina "inova" a agenda da direita com a proposta de só realizar eleições a cada cinco anos, para todos os cargos de uma vez. Nem a ditadura militar calou a voz das urnas por períodos tão longos. É uma ideia típica de quem tem um conceito "gerencial" do Estado e do processo democrático. É como dizer: "Não perturbem o país com eleições de dois em dois anos; isso atrapalha o governo dos bons e dos eficientes".

As propostas reacionárias da "nova politica" vêm embrulhadas num texto de chavões "modernos": "Estado e Democracia de Alta Intensidade". Democracia não combina com adjetivos. Houve um tempo em que o Brasil era uma "democracia relativa", e não passava de uma ditadura. Democracia é algo substantivo; ou se pratica ou não se pratica. No Brasil, custou vidas, lágrimas e luta. Não é pra brincar.

Assim como o título, o texto é vazado em embromation castiço. Aqui vão as seis propostas da candidata, traduzidas para o mundo real:

Proposta 1: "Unificação do calendário geral das eleições, o fim da reeleição e a adoção dos mandatos de 5 anos".

Tradução: Fazer menos eleições (e não perturbar o governo dos bons)

Durante 5 anos o eleitorado simplesmente não se pronuncia sobre nada. E de uma só vez troca o executivo em todos os níveis (pois não há reeleição), ao mesmo tempo em que elege vereador, deputado estadual, deputado federal e senador. Nem na ditadura o Brasil passou cinco anos seguidos sem ter eleições em algum nível; sem ouvir a voz das urnas.

A fórmula Marina implica necessariamente em alguma prorrogação de mandatos (dos atuais prefeitos e vereadores, ou dos parlamentares governadores e presidente eleitos este ano). Só a ditadura fez isso, ao prorrogar por dois anos os mandatos de prefeitos e vereadores, quando adiou as eleições municipais de 1980.

O fim da reeleição é hoje uma bandeira do PSDB, que a implantou corrompendo o Congresso em 1997. O argumento para extingui-la é que o governante cuidaria apenas da administração, sem desvirtuá-la com o propósito de buscar a reeleição. E o que o impediria de "desvirtuá-la" para eleger o sucessor? Marketagem reversa de tucano. Demagogia de sonhático.

Proposta 2: "Fortalecimento dos mecanismos de transparência nas doações para campanhas eleitorais".

Tradução: Financiamento privado de campanhas (inclusive por empresas)

O documento original da campanha (as "Diretrizes" do PSB) dizia que tais mecanismos seriam necessários para "baratear as campanhas". A expressão grosseira saiu do texto, mas o caráter da proposta não mudou: Marina é contra o financiamento público de campanhas, uma proposta do PT, e a favor das doações de empresas.

O financiamento público de campanha é a proposta mais radical e eficaz para reduzir a influência do poder econômico no processo eleitoral. Marina rejeita doações da indústria bélica e de bebidas, mas não vê problema em ser financiada por um grande banco e por uma indústria de cosméticos com interesses diretos na administração federal.

Em abril deste ano, seis ministros do STF (a maioria) votaram favoravelmente à proibição de doações de empresas. Mesmo com o placar definido, o julgamento foi suspenso por um pedido de vistas de Gilmar Mendes, ministro indicado pelo PSDB, partido que é contra a proibição e contra o financiamento público. O vice de Marina, Beto Albuquerque, também se manifestou em abril contra a proibição.

Ao longo da última década, o TSE vem apertando os mecanismos de controle das campanhas, com as prestações de contas antecipadas e registro on-line de doações. São esses mecanismos que ameaçam o registro da candidatura do PSB, por não ter declarado à Justiça Eleitoral o uso (Por empréstimo? Doação irregular? Aluguel no fiado?) do avião que caiu em Santos. Antes de propor "mais transparência" seria melhor esclarecer esse caso.

Proposta 3: "Novos critérios na ordem dos eleitos para cargos proporcionais, buscando aproximação da "Verdade Eleitoral", conceito segundo o qual os candidatos mais votados são os eleitos".

Tradução: Adotar o Voto Distrital Puro (e despolitizar o Legislativo)

"Verdade Eleitoral" é o nome falso para voto distrital puro, que o programa de Marina não tem coragem de mencionar.

O voto distrital é o único sistema que permite a eleição do candidato mais votado, sem levar em conta a votação de seu partido ou coligação. É o modelo do "ganhador leva tudo", típico da cultura política dos EUA e matriz de seu Congresso paroquial e reacionário, com representantes altamente vulneráveis ao poder econômico.

É uma proposta francamente despolitizadora, defendida no Brasil pelo PSDB e pela direita. Um retrocesso que rebaixa a disputa politica geral ao nível das questões locais.

O programa da candidata sequer apresenta o argumento (legítimo) dos que defendem o voto distrital: este modelo supostamente aproxima representantes de representados, o que não ocorreria com o voto proporcional, adotado no Brasil..

Proposta 4: "Inscrição de candidaturas avulsas aos cargos proporcionais, mediante requisitos a definir".

Tradução: Enfraquecer os partidos (e fortalecer candidatos antipolíticos).

Na versão original do programa, as "Diretrizes" do PSB, não estava limitada às eleições proporcionais. Houve um recuo aí. O argumento a favor da candidatura avulsa é "quebrar o monopólio dos partidos na representação política".

Idealmente, permite a eleição de candidatos apoiados por movimentos e setores sociais. Na prática, favorece candidatos com alta exposição pública, grande poder econômico, ou representantes de "causas", que hoje se elegem dentro da estrutura partidária. A diferença é que seus votos não contribuiriam mais para a formação do quociente eleitoral dos partidos, não somariam para eleger candidatos menos votados.

A candidatura avulsa existe na maioria dos países, normalmente limitada ao Legislativo. Não é uma ideia antidemocrática em si, mas é uma resposta enganosa e despolitizada à questão da representatividade do Legislativo.

Proposta 5: "Redefinir o tempo de propaganda eleitoral com base em novos critérios, visando a melhorar a representatividade da sociedade brasileira nos parlamentos".

Tradução: Tratar igualmente os desiguais (e valorizar o mercado de TV).

O critério hoje é: parte do tempo de propaganda eleitoral é distribuída igualmente entre os partidos com funcionamento na Câmara. Ao tempo mínimo de cada um acrescenta-se um tempo proporcional ao tamanho das bancadas e coligações.

Pode-se rediscutir a proporção entre o tempo mínimo e o tempo proporcional ao tamanho das bancadas, mas não há critério mais democrático do que o vigente.

Mudar o critério só pode levar a dois caminhos:

1) Distribuir todo o tempo de acordo com o tamanho das bancadas.

2) Distribuir o tempo em fatias iguais, desde o PPL até o PMDB.

Ambos são menos democráticos que o critério atual, e nenhum deles nos levaria a "melhorar a representatividade da sociedade brasileira nos parlamentos".

É lícito supor que Marina se incline pelo segundo caminho. Nesse caso, estaria igualando os desiguais, desrespeitando a representatividade conquistada por cada partido nas urnas. O PT, que é o alvo implícito da proposta, já foi um partido pequeno, com pouco tempo de TV, da mesma forma que DEM e PSDB foram grandes um dia. Quem definiu o tamanho das bancadas atuais foi o eleitor.

Na prática, a proposta beneficiaria as pequenas legendas, tanto as ideológicas quanto as legendas de aluguel, que teriam seu capital muito valorizado.

Em Português dos tempos da luta contra a ditadura: é um casuísmo.

Proposta 6: "Permitir a convocação de plebiscitos e referendos pelo povo e facilitar a iniciativa popular de leis, mediante a redução de assinaturas necessárias e da possibilidade de registro das assinaturas eletrônicas."

Tradução: Enfeitar o pacote conservador (com propostas copiadas do PT)

Plebiscitos e referendos são instrumentos históricos da democracia, previstos na Constituição, porém raramente praticados no Brasil. Hoje, quem tem poder convocá-los é o Congresso. A ideia de convocá-los por iniciativa popular consta do programa do PT desde os tempos em que Marina era filiada ao partido. O PT também propõe incentivar a proposição de leis por iniciativa popular.

Na campanha de 2010, Marina Silva recorreu ao plebiscito para se livrar de questões embaraçosas, como a descriminalização do aborto. Cuidado: plebiscito não é Doril, que se toma pra qualquer dor-de-cabeça. É para decidir sobre grandes questões nacionais, e não para lavar as mãos do governante que não tem coragem de assumir suas posições.

(Ricardo Amaral- Jornal GGN/ via Brasil 247)

O patrimônio histórico tratado como estorvo imobiliário


Se o prefeito Zenaldo Lorota Jr tivesse gasto metade dos recursos utilizados para asfaltar a já asfaltada travessa Diogo Moia na limpeza do Palacete Pinho, restaurado por ordem judicial, e abandonado pela incúria do voraz/ladravaz D. Costa, aquela riqueza arquitetônica de Belém não estaria, hoje, acumulando mato e lixo no seu interior, seguindo na atual gestão a mesma sina de estorvo imobiliário.

Tudo que for feito, a partir de amanhã, em favor de um trato decente para a conservação daquele prédio significará o tardio reconhecimento do cumprimento do seu dever funcional, por parte do atual alcaide, assim será fruto da indignação da sociedade belenense, mostrando o quanto é eficaz o comprometimento de entidades da sociedade civil que botam a boca no trombone e denunciam administradores incompetentes, como neste caso.

É óbvio que não se pretende que uma SESMA, uma SEMOB ocupe as dependências de um imóvel daquele porte por desenvolverem atividades incompatíveis com as linhas arquitetônicas daquele palacete. Todavia, salta aos olhos perceber  o velho compadrio presidindo a relação entre o poder público e a iniciativa(?) privada, esta beneficiária de generosas quantias em forma de aluguel de imóveis de sua propriedade ao poder público, enquanto imóveis próprios da PMB, como o Palacete Pinho, Palacete Bolonha, Aldeia Cabana, entre outros, vivem entregues ao abandono. É Belém isso?

Certezas(íntimas) que martirizam


É visível o aumento da virulência, a cada domingo, dos jornais das organizações ORM contra a candidatura de Helder Barbalho. Velhas raposas políticas já ensinavam que, se seus inimigos estão furiosos com você, é porque você os incomoda, daí...

Claro que não é só a multa de R$405 mil, aplicada contra o jornal O Liberal pelo juiz Claudio Hernandes Silva Lima, por descumprimento de decisão judicial mandando maneirar nos termos injuriosos contra Helder, recorrentemente usados pelo citado jornal.
No entanto, quem tem uma pesquisa mostrando a tendência de vitória do candidato que apoia, não pode viver à beira de um ataque de nervos como se o fantasma da derrota o assombrasse a cada momento. Deveria estar mais relaxado, mais comedido e mais confiante. Ou, então, a pesquisa vale tanto que uma nota de três reais.

Parece aquela mórbida e infame blague a respeito do sujeito que morreu de AIDS, contraída de relação com a própria esposa. Morre com a certeza de ser corno, além da fama de homossexual enrustido e drogado. Credo!

A mamutocracia é parte da lorotocracia


Do alto do trapézio armado nos escrotos de Simão e nos cofres públicos, o salafrário, trapalhão e vigarista de alcunha planaltina exulta com o ritmo das obras de construção do Ginásio "Lorotinha", aquele que fica no terreno do estádio Mangueirão. Segundo o escroque, construção em ritmo acelerado.

Tudo vigarice. O ritmo é tão célere quanto os investimentos da lorotocracia na economia paraense, ou seja, pífio. Basta passar lá, e milhares de pessoas passam lá diariamente e constatam que o ritmo é lento e não permitirá sua conclusão antes do ano que vem.

Paradoxalmente, menos mal que não seja inaugurado, afinal, mirando-se no exemplo da subtilização do estádio Mangueirão, um ginásio daquele porte demandaria uma Secretaria de Transportes dinâmica, criativa e operosa, não um feudo político fruto de barganha com membro do poder legislativo, que a utiliza como cabide de empregos e promotora de sinecuras que rendam status politiqueiro.

sábado, 30 de agosto de 2014

Providência tardia

Isso é que é factoide. O governo do estado gastou praticamente dois anos com um concurso para o recrutamento de policiais e ainda não superou o imbroglio, no entanto, anuncia para o mês que vem o lançamento de um edital que irá abrir concurso para a contratação de mais de 2000 policiais.

Ante toda a longa tramitação burocrática envolvendo o antes e o depois do concurso, mais o tempo em que os aprovados ficarão submetidos ao treinamento específico, caso não haja qualquer imprevisto, lá pelo final de 2015 é possível contar com um novo contingente de policiais na segurança pública do Pará. Até lá, Simão pode ser apenas um retrato a mais na galeria dos ex mandatários. E com um dos piores desempenhos no quesito segurança pública. Lamentável!

DE JEAN WYLLYS A MARINA: "VOCÊ MENTIU A TODOS NÓS"

:
O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) reagiu, indignado, ao recuo de Marina Silva, que cedeu em seu programa de governo depois que ela recebeu um ultimato do pastor Silas Malafia; "bastaram quatro tuites do pastor Malafaia para que, em apenas 24 horas, a candidata se esquecesse dos compromissos de ontem, anunciados em um ato público transmitido por televisão, e desmentisse seu próprio programa de governo, impresso em cores e divulgado pelas redes", disse ele; "É com essa autoridade, de quem agiu de boa fé, que agora digo: Marina, você não merece a confiança do povo brasileiro! Você mentiu a todos nós e brincou com a esperança de milhões de pessoas"

247 - O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) reagiu, indignado, ao recuo de Marina Silva, que, neste sábado, renegou seu próprio programa de governo, no que tange aos direitos de homossexuais. Marina voltou atrás, menos de 24 horas depois de divulgar seu programa, após ter recebido um ultimato do pastor Silas Malafaia.

Leia, abaixo, a mensagem postada por Jean Wyllys em sua página no Facebook:

Em "nota de esclarecimento", Marina Silva desmente seu próprio programa de governo e afirma que não apoia o casamento civil igualitário, mas uma lei segregacionista de "união civil". Vocês já imaginaram um candidato presidencial dizendo que é contra o direito dos negros ao casamento civil, mas apoiaria uma "lei de união de negros"? A nova política da Marina é tão velha que lembra os argumentos dos racistas americanos de meados do século XX. Contudo, o pior é que ela brincou com as esperanças de milhões de pessoas! E isso é cruel, Marina!

Bastaram quatro tuites do pastor Malafaia para que, em apenas 24 horas, a candidata se esquecesse dos compromissos de ontem, anunciados em um ato público transmitido por televisão, e desmentisse seu próprio programa de governo, impresso em cores e divulgado pelas redes. Marina também retirou do programa o compromisso com a aprovação da lei João Nery, a elaboração de materiais didáticos sobre diversidade sexual, a criminalização da homofobia e da transfobia e outras propostas. Só deixou frases bonitas, mas deletou todas as propostas realmente importantes. E ela ainda nem se elegeu! O que esperar então dela se eleita presidenta quando a bancada fundamentalista, a bancada ruralista e outros grupos de pressão começarem a condicionar o apoio a seu governo? Tem políticos que renunciam a seus compromissos de campanha e descumprem suas promessas depois de eleitos. Marina já fez isso mais de um mês antes do primeiro turno. Que medo!

Como todos sabem, minha candidata presidencial é Luciana Genro. Ela SEMPRE defendeu todos os direitos da comunidade LGBT e foi a primeira candidata na história do Brasil que teve a coragem de pautar esses temas no debate presidencial da Band. Contudo, ontem, quando consultado pela imprensa, apesar da minha desconfiança com relação à Marina, elogiei o programa apresentado pelo PSB (apenas no que dizia respeito aos direitos da população LGBT, já que discordo profundamente de muitas outras propostas neoliberais e regressivas nele contidas). Fiz isso porque acho que os posicionamentos corretos devem ser reconhecidos, mesmo que provenham de um/a adversário/a.

É com essa autoridade, de quem agiu de boa fé, que agora digo: Marina, você não merece a confiança do povo brasileiro! Você mentiu a todos nós e brincou com a esperança de milhões de pessoas.

Todos contra o PT



'Nova Política' porra nenhuma. Diante da devastação da horta eleitoral do cambaleante Aécio, pela beata da floresta Marina Silva, este já pensa em largar a disputa presidencial e concorrer ao governo de Minas Gerais, segundo um colunista global, que deve saber do que fala dada a intimidade entre privatas e piguentos.

Além da desidratação na disputa pela presidência da República, ainda há possibilidade do PT levar o governo mineiro ainda no primeiro turno, diante da fragilidade do candidato tucano, o assaltante Pimenta da Veiga, o que poderia resultar no soterramento do curral eleitoral de Aécio com a consequente perda do protagonismo no cenário político nacional. Afinal, são R$75 bilhões de orçamento do governo mineiro e 17 mil cargos comissionados à disposição, algo que Aécio deve ver como valiosa moeda de troca politiqueira, embora na sua moribunda e amolecada propaganda presidencial afirme que vai reduzir o número de cargos comissionados no plano federal.

Assim, tal e qual ocorreu com Itamar Franco, os tucanos preparam para tomar de assalto um (im)provável governo da beata da floresta, imiscuindo-se na sua frágil base de sustentação política, certamente contando para isso com a aquiescência de gente como o salafrário Freire, aliado de Eduardo Campos desde a primeira hora, mas um lambe botas de José Serra em razão deste sustentá-lo por um bom tempo.

Igualmente, não haveria problema com a usurário/pedagoga Neca Setúbal, conforme o histórico privata, marcado por recorrentes e tenebrosas transações com a banca nacional e internacional. Assim, caso isso se confirme(toc toc toc), logo, logo veremos a mudança do tom da lábia piguenta, que substituirá o atual tom moralista de fancaria por outro baseado na máxima, 'não há virgens na zona'. Ainda que a zona seja administrada por uma beata.

ATENÇÃO!!!!! Siga a sacanagem!!!!! Estão pesquisando, em 2014, somente em cidades/municípios/bairros que, ou Serra ou Marina venceram em 2010.


ATENÇÃO!!!!! Estão pesquisando em 2014, somente em cidades/municípios/bairros que, ou Serra ou Marina venceram em 2010: Entenda, sem nenhum esforço, como o PIG - Partido da Imprensa Golpista programa o resultado de uma pesquisa.

O Instituto é o MDA, e a CNT (Confederação Nacional do Transporte) que pagou R$ 179.467,00 pela pesquisa divulgada na quarta-feira (27).

Vamos procurar entender esta pesquisa.

2002 pessoas de 137 municípios, vamos conhecer eles?

REGIÃO UF MUNICÍPIO BAIRRO/REGIÃO

CO DF Brasília/DF Sobradinho, Ceilândia, Samambaia
CO GO Caldas Novas/GO Itanhangá, Parque Real
CO GO Goiânia/GO Setor ferroviário, Estrela Dalva, Centro
CO GO Hidrolândia/GO Centro
CO GO Ipiranga de Goiás/GO Centro, Independência
CO GO Rio Verde/GO Vila Serpro
CO MS Campo Grande/MS Copa Trabalho
CO MS Chapadão do Sul/MS Parque União
CO MT Campo Verde/MT Taperinha
CO MT Cuiabá/MT Alvorada, Quilombo

N AC Rio Branco Aeroporto Velho, Bosque
N AM Manaus Cidade Nova, São José Operário
N AM Novo Airão Comunidade Bom Jesus, Comunidade Sobrado
N AM Parintins São Benedito, Paulo Corrêa
N PA Belém Marambaia, Conjunto Médici
N PA Bujaru Vila da Curva, Vila do Vento
N PA Capanema Centro, Dom João VI
N PA Igarape-açu Centro, Colina
N PA Pau Darco Centro
N PA Redenção Planalto, Alto Paraná
N RO Porto Velho Tiradentes, São Francisco
N TO Palmas Centro, Setor Sul

NE AL Capela/AL Centro
NE AL Jequiá da Praia Barra de Jequiá
NE AL Maceió/AL Jacintinho, Poço
NE BA Angical/BA Centro, Alto Santa Cruz
NE BA Camaçari Centro, Nova Vitória
NE BA Candeias Centro, Sarandi
NE BA Cardeal da Silva Centro
NE BA Eunapolis Centro, Gusmão
NE BA Itaberaba Cidade Universitária, Loteamento rodoviário
NE BA Luis Eduardo/BA Santa Cruz
NE BA Medeiros Neto Bela Vista
NE BA Ruy Barbosa Riacho Dantas
NE BA Salvador São Cristovão, Itaipú, Itapuã
NE BA Santo Antônio de Jesus Andaia
NE BA São Desidério/BA Riacho Grande
NE CE Fortaleza Planalto Pici, Jockey Clube, Porangaba
NE CE Pacoti Volta do Rio
NE CE Quixadá Centro, Baviera
NE CE Santa Quiteria Liseux
NE CE São Gonçalo do Amarante Centro
NE CE Sobral Centro
NE MA Caxias Vila Esperança
NE MA Humberto de Campos Centro, Bacabeira
NE MA São Joao do Soter Centro, São João
NE MA São Luis Santo Antônio, São Sebastião
NE PB Campina Grande Santa Terezinha
NE PB Gurinhem Centro, Ribeirão
NE PB Joao Pessoa Costa e Silva
NE PE Barra de Guabiraba Centro
NE PE Bom Conselho Centro
NE PE Jurema Queimadas de Jurema
NE PE Panelas Cruzes, Cruz de Panelas
NE PE Pombos/PE Centro, Alto do Frade
NE PE Recife/PE Várzea, Afogados
NE PE São Bento do Una Centro
NE PE Vitória de Santo Antão/PE Centro, São Severino
NE RN Bom Jesus Centro, Piaba
NE RN Natal Felipe Camarão
NE SE Aracaju América, Novo Paraíso
NE SE Boquim Centro

S PR Agudos do Sul/PR Leão
S PR Coronel Vivida/PR Fleq, São José
S PR Curitiba/PR Barigui, Nossa Senhora da Luz, Sítio Cercado
S PR Irati/PR Centro, Rio Bonito
S PR Londrina/PR Jardim Porto Seguro, Jardim Esperança
S PR Mangueirinhas/PR Centro
S PR Toleto Coopagro
S RS Caxias do Sul/RS Centro, Vale da Esperanaça, Jardim Iracema
S RS Esteio/RS Novo Esteio, São Sebastião
S RS Faxinal do Soturno Centro, Santo Antônio
S RS Palmeira das Missões/RS Esquina São Bento
S RS Porto Alegre Restinga, Partenon, Humaitá, Santa Tereza, Medianeira
S RS Santa Cruz do Sul Centro, Pedreira
S RS Seberi/RS Centro
S SC Araranguá/SC Jardim das Avenidas
S SC Coronel Freitas/SC Centro
S SC Florianópolis/SC Barra da Lagoa, Agronômica, Lagoa da Conceição
S SC São Lourenço do Oeste/SC Santa Catarina, Loteamento Menelquele

SE ES Linhares Interlagos, BNH
SE ES Vitoria Santo Antônio, São Pedro
SE MG Almenara Cidade Nova
SE MG Araguari/MG Paraíso, Paineiras
SE MG Barbacena Boa Morte, Santa Efigênia
SE MG Belo Horizonte Santa Helena, São Cristóvão, Caiçara
SE MG Campanha São José da Palmela
SE MG Conselheiro Pena Centro
SE MG Contagem Bernardo Monteiro
SE MG Ibirité Durval de Barros
SE MG Jeceaba Centro
SE MG Ouro Fino Centro, Jardim Centenário
SE MG Palmopolis Ipê
SE MG Poços de Caldas Dom Bosco, São Sebastião
SE MG Pouso Alegre Centro, Faisqueira
SE MG Ribeirão das Neves Liberdade
SE MG Teófilo Otoni Palmeiras
SE MG Uberlândia/MG Guarani, Santa Mônica
SE MG Viçosa Nova Era, Nova Viçosa
SE RJ Cambuci Centro, Três Irmãos
SE RJ Campos Estação da Penha, Centro, Novo Jockey
SE RJ Duque de Caxias Caxias, 25 de Agosto
SE RJ Macaé Glória, Jardim Maringá, Planalto de ajuda
SE RJ Nova Iguaçu Aeroclube
SE RJ Petrópolis Posse, Cascatinha
SE RJ Rio de Janeiro São Cristóvão, Taquara, Cascadura, Tijuca
SE RJ São Gonçalo Porto da Pedra
SE RJ Três Rios Vila Isabel, Mirante
SE SP Avaré/SP Alto Boa Vista, Jardim Europa
SE SP Biritiba-mirim Centro, Cruz das Almas
SE SP Cajamar Centro, Vila Branca
SE SP Cajuru Centro, Jardim Nova Caluru
SE SP Campinas Centro, Bonfin
SE SP Candido Mota/SP Distrito de Frutal
SE SP Casa Branca Desterro, Chácara Boa Vista
SE SP Diadema Centro, Jardim Ruiz
SE SP Elias Fausto Centro, Vila Anchieta
SE SP Franca Cidade Nova, Ângela Rosa
SE SP Guarulhos Centro, Vila Rosália
SE SP Ibiúna Centro, Vargem do Salto
SE SP Limeira Jardim Aeroporto, Jardim Laranjeiras
SE SP Lorena Olaria, Centro
SE SP Manduri/SP Centro, Cdhu
SE SP Mogi das Cruzes Jardim Rodeio
SE SP Monte Alto São Guilherme, Califórnia
SE SP Morungaba Centro
SE SP Osasco Centro, Vila Osasco
SE SP Paraibuna Centro, Teles Dois
SE SP Pindamonhangaba Residencial Leasa, Alto Cardoso
SE SP Praia Grande Vila Sônia
SE SP Ribeirão Preto Quintino, Vila Brasil
SE SP Santa Barbara do Oeste Vila Linópolis
SE SP Santo Andre Centro, Vila Falche
SE SP Santos Boqueirão, Gonzaga
SE SP São Jose dos Campos Jardim Paulista, Jardim São José
SE SP São Paulo Itaim Bibi, Jabaquara, Centro, Lapa, São Miguel, Campo Belo, Pirituba Perdizes, Itaquera, Tatuapé, Capão Redondo, Jaraguá, Brás, Perus
SE SP Valinhos Alto da Colina, Amé

Surpresos? ou não entenderam?

Por exemplo, no Maranhão de 217 municípios. eles pesquisaram 4 (quatro) — São Luis [2 bairros], São João do Sóter, Humberto de Campos e Caxias, até aí tudo bem.

Mas "coincidentemente", nesses quatro municípios, a Marina Silva venceu José Serra no primeiro turno de 2010 (nós estamos tratando do 1º turno de 2014 hoje).

Por que não escolheram por exemplo, municípios bem maiores e mais importantes como: Imperatriz, Açailândia, Balsas, Bacabal, Presidente Dutra, Codó, Barra do Corda, Grajaú ou Santa Inês?

Ou então, por que não escolheram outros pequenos como: Sítio Novo, Amarante do Maranhão, Santa Luzia, Estreito, Montes Altos, Ribamar, Fiquene, Pio XII, João Lisboa ou Buriti Bravo?

A resposta é simples — É que o Serra (do mesmo PSDB de Aécio) ficou em segundo, vencendo Marina, em todos esses municípios citados e na grande maioria dos municípios maranhenses.

Portanto, fica translucidamente claro que São Luís, São João do Sóter, Humberto de Campos e Caxias foram escolhidos a dedo pela CNT/MDA.

Não caiam em armação.

Comparem as pesquisas de 2010 e 2014, vejam o quadro de votação em 2010, pelo menos no seu Estado.
(Contexto Livre)

Eduardo Campos foi assassinado pela CIA?

Adicionar legendaTudo sugere ação da CIA e assassinato de candidato à presidência, no Brasil


A queda do avião que matou o candidato à presidência do Brasil Eduardo Campos, que estava em segundo, na disputa eleitoral, atrás só da atual presidenta, abalou fortemente as chances de reeleição de Dilma Rousseff. Sucessora de Campos na corrida presidencial, ex-líder do Partido Verde, Marina Silva – ‘homem’ de George Soros, está agora com alguma chance de vir a derrotar Rousseff, no caso de a eleição chegar a um segundo turno. O fim do governo de Rousseff sinalizaria vitória para as atividades clandestinas do governo Obama para eliminar de cena vários governos progressistas em toda a América Latina.

Revisão do período pós-2ª Guerra Mundial revela que, de todos os meios que os serviços de inteligência usaram para eliminar pessoas que viam como ameaças econômicas e políticas, o assassinato por derrubada de avião está em segundo lugar; antes, só assassinatos por armas de fogo; depois, vêm acidentes de automóvel e envenenamento, como modus operandi preferencial da Agência Central de Inteligência dos EUA, CIA, para seus assassinatos políticos.

Os seguintes casos são os principais sobre os quais pesam muitas suspeitas de terem sido resultado de ação de uma ou mais agências de inteligência dos EUA, para pôr fim a carreiras políticas que ameaçavam o avanço dos EUA como potência imperial:

– a morte do secretário-geral da ONU Dag Hammarskjold;
– do presidente de Ruanda Juvenal Habyarimana;
– do presidente do Burundi Cyprien Ntaryamira;
– do primeiro-ministro português Francisco Sá Carneiro;
– do presidente do Paquistão Muhammad Zia Ul-Haq;
– de Sanjay Gandhi, pouco antes de ser oficializado no posto de primeiro-ministro da Índia;
– do presidente do Sindicato Norte-americano Unido dos Trabalhadores da Indústria Automobilística Walter Reuther;
– do ex-senador pelo Texas John Tower; e
– do senador por Minnesota Paul Wellstone.

A América Latina, em particular, tem sido atacada pela praga de desastres de aviões que mataram líderes que ameaçavam afastar o continente da influência política dos EUA: os presidentes Jaime Roldós Aguilera do Equador e Omar Torrijos do Panamá. Esses dois presidentes morreram em 1981; Roldós morreu apenas uns poucos meses antes de Torrijos. John Perkins, autor de Confissões de um Assassino Econômico e ex-membro da comunidade de inteligência dos EUA, apontou os EUA como ativos nesses dois assassinatos por derrubada de avião.

Esse histórico do envolvimento dos EUA e assassinatos aéreos torna ainda mais suspeito o que aconteceu dia 13 de agosto com o Cessna 560XLS Citation em Santos, Brasil, incidente no qual morreram Eduardo Campos, do Partido Socialista Brasileiro, mas homem pró-business, assessores seus e a tripulação do avião. O momento em que aconteceu, em plena campanha eleitoral, que então indicava vitória fácil para a atual presidenta, levantou questões significativas entre investigadores no Brasil e no público em geral.

Desde a introdução do modelo em 1996, o modelo Cessna 560XLS Citation mantém currículo de aeronave perfeitamente segura. A morte repentina de Campos mudou o rumo da campanha presidencial no Brasil, para uma direção que pode ser benéfica para os EUA e a agenda de longo curso da CIA na América Latina.

Até aqui, já surgiram questões sobre a legalidade da documentação e da propriedade da aeronave (prefixo PR-AFA). O histórico da propriedade e dos registros da aeronave é extremamente ‘anormal’; e, além disso, não há nenhuma gravação de conversas acontecidas na cabine, aparentemente por mau funcionamento do gravador de vozes da cabina. Muitos brasileiros já começam a perguntar-se se o avião teria sido sabotado: em vez de mostrar gravações da conversa da tripulação que levava o candidato Campos, o gravador só conservou gravações de voz de um voo anterior. O avião voava uma rota Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, para a cidade de Guarujá, no estado de São Paulo, quando caiu sobre um quarteirão residencial na cidade de Santos.

O avião era operado pela empresa Af Andrade Empreendimentos & Participações Ltda., que tem sede em Ribeirão Preto, estado de São Paulo, mas cedido, em operação de leasing, pela Cessna Finance Export Corporation, uma divisão da Textron, dos maiores fornecedores para o Departamento de Defesa dos EUA. A empresa Cessna é divisão da Textron. O gravador de vozes que não funcionou na cabine foi fabricado por outro fornecedor contratado da Defesa e Inteligência dos EUA, L-3 Communications. Os negócios da AF Andrade são centrados na propriedade de uma destilaria. Porta-voz da AF Andrade disse que a aeronave, de $9 milhões, não havia passado por qualquer inspeção recente, mas assegurou que a manutenção era feita regularmente.

O porta-voz da AF Andrade não soube especificar quem é, afinal, o proprietário da aeronave, só falou doleasing; disse que a aeronave estivera à venda e fora comprada por um grupo de “empresários e importadores” de Pernambuco, estado do qual Campos foi governador.

Acabou-se por descobrir que o avião fora comprado por um consórcio que incluía Bandeirantes de Pneus Ltda de Pernambuco. Essa empresa disse que havia negociações em andamento para transferir a propriedade do avião, quando aconteceu o acidente; e que a Cessna Finance Export Corporation ainda não aprovara os direitos finais de leasing. Observadores brasileiros creem que o Cessna sinistrado seria um “avião fantasma”, com propriedade ‘confusa’, precisamente para ser usado em operações clandestinas que envolveriam a CIA. Aviões cuja situação de propriedade e dos documentos de registro era também quase inextrincável eram usados pelaCIA no processo de ‘entregas especiais’ de muçulmanos sequestrados para serem interrogados e ‘desaparecidos’ nos “pontos negros” de prisões norte-americanas por todo o mundo.

A Comissão Nacional de Segurança de Transportes dos EUA [orig. U.S. National Transportation Safety Board (NTSB)] enviou uma equipe ao Brasil para investigar a queda do avião. Mas, se o trabalho da NTSB em acidentes como dos voos TWA 800 e American Airlines 587 indica alguma coisa, a agência só tem fama por encobrir ações criminosas.

Campos foi substituído na chapa eleitoral por Marina Silva, do movimento financiado e dirigido por George Soros e suas “sociedade civil” e “globalização”. Silva, que milita no movimento religioso pentecostal “Assembleia de Deus”, é militante pró-Israel e muito mais pró-business e pró-EUA que Rousseff, do Partido dos Trabalhadores do Brasil que se posiciona bem à esquerda da Assembleia de Deus. Recentemente, Rousseff, com os demais presidentes dos países BRICS (Rússia, Índia, China e África do Sul) criaram um novo banco de desenvolvimento que desafia a supremacia do Banco Mundial, controlado pelos EUA. A criação desse banco enfureceu Washington e Wall Street. (...)

Pesquisas recentes têm apontado avanço de Marina Silva. Evidentemente, essas pesquisas de ‘intenção de voto’ nada têm nem de científicas nem de independentes, e são ferramentas que as agências de inteligência e as empresas comerciais sempre usam para influenciar a opinião pública e gerar “programação preditiva” em populações inteiras. (...)

Marina Silva está sendo apresentada como candidata da “Terceira Via” (chamada, agora, em 2014, “Nova Política”) no Brasil.

“Terceira Via”/”Nova Política” é movimento internacional que tem sido usado por políticos associados a grandes empresas, muitos dos quais financiados por Soros, para infiltrar-se e assumir o controle de partidos historicamente trabalhistas, socialistas e progressistas. Alguns dos nomes mais notáveis da “Terceira Via” são Bill Clinton, Tony Blair, Gerhard Schroeder da Alemanha, Justin Trudeau do Canadá, presidente François Hollande da França, primeiro-ministro francês Manuel Valls, primeiro-ministro Matteo Renzi e ex-primeiro-ministro Romeo Prodi da Itália, José Sócrates de Portugal, Ehud Barak de Israel, e inúmeros nomes do Partido Verde (PV), do Partido Socialista (PSB) e do Partido da Social-Democracia no Brasil (PSDB), dentre os quais Marina Silva, Aécio Neves, o falecido Eduardo Campos e o ex-presidente [e atual NADA] Fernando Henrique Cardoso.

Mas, quando se mostra mais vantajoso do ponto de vista eleitoral assassinar um “Novo Político” para promover o avanço de outro, não parece haver problema algum nessa “Nova Política”, em eliminar alguém como Campos, para fazer avançar político mais populista (e mais controlável), como Marina Silva, sobretudo se estão em jogo interesses de Israel e de Wall Street.

O Cessna no qual viajava e no qual morreu o primeiro-ministro de Portugal Sá Carneiro voava para um comício eleitoral, em campanha de reeleição, no Porto. Esse desastre de avião destruiu as possibilidades futuras de uma Aliança Democrática de esquerda, porque os seguidores de Sá Carneiro que o sucederam não tinham, nem de perto, o carisma do primeiro candidato.

Na sequência, um Mario Soares pró-OTAN e “socialista-só-no-nome” tornou-se primeiro-ministro e empurrou Portugal pela tal “Terceira Via”, subserviente à União Europeia e à globalização. À época da morte de Sá Carneiro, o embaixador dos EUA em Portugal era Frank Carlucci, funcionário da CIA, cujas impressões digitais foram encontradas, em 1961, no assassinato do ex-primeiro-ministro Patrice Lumumba no Congo. No governo Reagan, Carlucci foi nomeado vice-diretor da CIA, Conselheiro de Segurança Nacional e Secretário da Defesa. Carlucci é também presidente emérito do Carlyle Grupo, conhecido pelas ligações com a CIA.

A suspeita morte de Campos no Brasil-2014 parece ser cópia-carbono do assassinato e descarte rápido de Sá Carneiro, com Rousseff como alvo final da ação e Marina Silva e seus financiadores globais como principais beneficiários.
(Wayne Madsen, Strategic Culture – http://goo.gl/e3YWDM Tradução: Vila Vudu/Via SQN)

Em Minas, Aébrio tropeça, desaba e Dilma abre vantagem

Pesquisa DataTempo aponta uma queda do senador Aécio Neves (PSDB) de 41,2% para 26,5% na preferência dos eleitores mineiros. Com isso, a presidente Dilma Rousseff (PT) alcançou a liderança com 36,1%. O crescimento de 2,3 pontos percentuais fica pouco acima da margem de erro de 2,16 pontos. Marina Silva (PSB) aparece com 20,5%. Apesar da mudança radical, os eleitores afirmam que a entrada da senadora na disputa não altera a intenção de voto. Indecisos somam 8,9%.

(Via Conversa Afiada)

O avanço do conservadorismo

O país amanheceu sob o ladrar desvairado do PIG que, através de seus institutos fraudadores da opinião pública, depôs Dilma e colocou no poder a pedagoga/banqueira Neca Setúbal instrumentalizado na sua lugar-tenente Marina Silva. Sintomaticamente, ontem(29), o cambaleante e decadente Aécio decretou o fim do governo Dilma.

A partir do fato consumado, vai recomeçar a ópera dos roedores saltitantes com um colossal abandono prematuro da nau propriamente privata, no rumo dos familiares porões da nau marinista. Tem sido assim e será sempre assim enquanto figuras sombrias como Gilmar Mendes, posto estrategicamente em um espaço com autoridade suficiente para antecipar-se ao povo e fazer aquilo que deveria brotar do anseio popular, estiverem vigilantes e determinados a servirem de instrumentos de ação da eterna sentença Lampedusiana. Triste!

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Estadão desnuda a hipocrisia de Aécio com “cortes” de funcionários

Há hoje, no Estadão, uma matéria que deveria ser lida por todo brasileiro e brasileira sérios, que não gostam de discutir o serviço público com a estupidez supérflua de bêbados de botequim.

Mostra quanto a promessa de Aecio Neves em cortar um terço dos cargos comissionados representaria de economia.

0,4% da folha de pagamentos.

40 centavos em cada 100 reais gastos.

Mas o repórter Daniel Bramatti foi mais fundo.

Mostrou que Lula tornou obrigatório que boa parte do cargos fosse provida por funcionários de carreira.

E é, em escala muito maior: mais de dois terços dos ocupantes dos cargos mais elevados são de servidores concursados.

Entre outras razões, além das cotas legais, porque os salários dos cargos dirigentes na administração direta são muito mal remunerados.

Não falo por teoria, mas por vivência própria.

Fui Chefe de Gabinete de um Ministério, até pouco mais de um ano.

O vencimento, para administrar uma máquina de sete mil funcionários, não chegava a R$ 10 mil, no ano passado.

Sem plano de saúde, sem FGTS e com um auxílio alimentação que não chegava a R$ 25 por dia.

Posso mostrar os contracheques a quem o desejar.

É claro que parecerá muito (e é) perto de um humilde trabalhador de salário mínimo. Mas também parecerá piada perto de qualquer gerente de empresa.

Conseguia sobreviver, pagar pensão alimentícia e atender às necessidades especiais de meu filho porque recebia um pouco mais como gratificação por integrar conselhos (raríssimos) ligados ao poder público.

Muitos dos funcionários subordinados a mim mais que eu, por aquele cargo.

Os servidores dos cargos comissionados, além de só serem nomeados depois de investigação – não podem ser processados, não podem ter execuções judiciais e nem mesmo estar devendo uma prestação das Casas Bahia, porque negativação no SPC e Serasa significa veto da Casa Civil – também se sujeitam a responder, pessoalmente, por qualquer gasto irregular – não necessariamente desonesto, apenas irregular – feito pela administração.

Aécio Neves sabe de tudo isso, pois administrou um Estado e cortou na carne dos servidores mineiros, embora tenha se permitido luxos como um aeroporto de lazer eventual em Cláudio.

Não deveria levar para a campanha, embora tenha familiaridade a isso, conversas de botequim.

(Tijolaço)

SOBRE MACACOS E PÁSSAROS


Hoje, pela manhã, eu e meu filho de cinco anos assistíamos ao noticiário na televisão. Na tela, aparece uma imagem em câmera lenta, permitindo aos espectadores decifrar o que uma torcedora da equipe Grêmio gritava em direção a um jogador da equipe do Santos. Meu filho perguntou o porquê de a torcedora estar falando "devagar", do que se tratava aquilo.

Por volta dos 43 minutos do segundo tempo, o jogo havia sido paralisado quando jogadores do Santos avisaram ao árbitro da partida, disputada em Porto Alegre, que o goleiro da equipe estava sendo vítima de racismo. Imagens da televisão flagraram uma torcedora (?) gritando a palavra "macaco". Entrevistado, o goleiro Aranha afirmou que ouviu gritos de "negro fedido", "seu preto" e "cambada de preto" e, após, um grupo de torcedores gremistas começou "a fazer barulho de macaco". Inacreditavelmente, o juiz da partida mandou o jogo seguir.

Achei importante desenvolver o tema com meu filho. Expliquei que a torcedora (?) estava chamando um jogador adversário de "macaco" porque este jogador adversário tinha a pele escura, como os macacos, e que a intenção da torcedora (?) era dizer que o goleiro não era humano, e sim animal. E ser animal, neste caso, era pior do que ser humano. Disse a ele que isso é uma bobagem, que o jogador de pele escura não era pior do que ser humano coisíssima nenhuma, que a diferença na cor da pele não diz nada sobre a pessoa, se é legal ou chata (claro, tive que usar uma linguagem apropriada para uma criança de cinco anos).

Meu filho arremata meu argumento com o seguinte raciocínio: "ah, é que nem a gente que tem pele branca, que não é igual a um pássaro branquinho, não é?". Vejam que a distinção que ele fez foi entre duas espécies da mesma cor, e não espécies de cor diferente. Ou seja, ele não diferenciou brancos e negros, e sim brancos humanos e brancos não humanos. Para ele, brancos e negros são gente, pássaros e macacos são animais.

O pequeno diálogo é a prova de que o racismo é aprendido, que o ódio não corre pelas veias, mas é transmitido através da (des)educação, da desinformação e da desonestidade intelectual. Afinal, estudos recentes já demonstraram que, biologicamente, indivíduos com tons de pele muito distintas podem compartilhar mais de seu código genético do que indivíduos com tons de pele semelhantes ou "iguais" (como medir, não é mesmo?).

Meu filho tem consciência da diferença da cor da pele que existe entre ele e seus colegas. Ele diz que a dele é "branca", e a de um colega é "marrom". Até aí, nada de mais, é apenas uma diferença que ele percebe objetivamente. A questão surge quando esta diferença objetiva adquire um significado, passa a representar algo que vai além da simples pigmentação; passa a simbolizar, por exemplo, de um lado, maior capacidade intelectual e, do outro, a estupidez próxima ao animalesco.

O mesmo acontece com os "olhos diferentes" que ele identifica nos imigrantes e descendentes de asiáticos (outra categoria construída que não dá conta das distinções entre povos e culturas daquele continente), apenas para chamar a minha atenção de uma conversa que ele teve no parquinho perto de casa, quando se aproximou dele e de um amigo um adulto de "olhos diferentes" e seu filho. São diferentes, não inferiores. Quem sabe compartilham gostos em comum? Ele vai descobrir aos poucos.

Meu filho provou como a educação, desde cedo, é importante para a construção de um mundo melhor, onde o respeito à diferença é um valor absoluto e a convivência é estimulada.

Ganhei meu dia.

(Marcelo Gruman/Brasil 247)

É isso aí.

Anônimo disse...

Tens razão suprema em dizer que o Helder (teve 8 anos para avançar) para melhorar o saneamento do pequeno município de Ananindeua (geograficamente falando) e não o fez. A grande conquista dos moradores de Ananindeua, via Cosanpa, aconteceu no mandato da ex-governadora Ana Júlia, quando fez a interligação do bolonha e água preta (por meio da Av Augusto Montenegro e Una) até a Cidade Nova e arredores, que beneficiou milhares de casas. Se não fosse isso Ananindeua estaria numa pior. Méritos a Ana Júlia, e da Cosanpa que conseguiram avançar. Mas quanto ao Helder foi um apagão só.

Brasil tem 202.768.562 habitantes

A população total do Brasil alcançou a marca de 202.768.562 habitantes, informou, ontem(28), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A nova estimativa de população para estados e municípios brasileiros tem como data de referência o dia 1º de julho de 2014. Nesta mesma data de referência no ano de 2013, o Brasil tinha 201.032.714 habitantes. Esse total representa uma taxa de crescimento de 0,86% de 2013 para 2014.Segundo a projeção do IBGE, em 2015, o País alcançará 204.450.649 pessoas e, em 2016, 206.081.432. Para o Instituto, até 2020 o Brasil contará com 212.077.375 habitantes no total.

As cidades mais populosas – Ainda, de acordo com o IBGE, os 25 municípios mais populosos somam 51 milhões de habitantes. Esse montante representa 25,2% da população total do Brasil. O município de São Paulo continua sendo o mais populoso; com 11,9 milhões de habitantes. Em seguida vêm as cidades do Rio de Janeiro (6,5 milhões), Salvador (2,9 milhões), Brasília (2,9 milhões) e Fortaleza (2,6 milhões).

(Com informações da Agência PT)

De aviões, de reforma política e dos fantasmas engavetadores


Quanto mais Beto Albuquerque e Marina se manifestam a respeito do avião fantasma(na prestação de contas do PSB) mais fica a certeza da urgência à vedação do financiamento privado de campanhas eleitorais. Depois da cavalar dose de cinismo do deputado Márcio França, recorrendo ao célebre 'cliente morto não paga', os integrantes da chapa presidencial socialista escusam-se de explicar um episódio que envolve o cometimento de vários delitos penais.

Enquanto isso, ninguém pressiona o ministro Gilmar Mendes para que libere o seu inútil voto, inútil no sentido de não poder reverter a situação do julgamento, já que o placar está em 6X1 a favor da ação impetrada pela OAB, mas que ensejaria o pontapé inicial para uma reforma política, ainda que em período eleitoral.

Nesse caso, até seria bom na medida em que as suscetibilidades estão à flor da pele e todo mundo evita ser alvo de acusações, logo, seria o momento propício de aprovar-se uma Constituinte exclusiva, empenhada na tarefa de dotar o país de uma legislação eleitoral mais atual e livre daquelas práticas corriqueiras e fisiológicas que agridem a sociedade e deslegitimam a atividade política.

Quanto ao ministro Gilmar Mendes, que já foi vítima de pedido de impeachment, já foi desmentido publicamente por declarações politiqueiras, no caso da conversa com Lula e no episódio do grampo de sua conversa(ao que parece inexistente) com Demóstenes Torres e agora será processado criminalmente por uma das vítimas do protegido do ministro, o celerado Roger Abdelmassih, é hora de entender que o cargo de ministro do STF não é uma redoma que o blinda contra qualquer coisa que faça. Como servidor público, deve satisfações à sociedade brasileira que dele certamente espera muito mais do que vem oferecendo. Ou, então, que renuncie ao cargo e volte a advogar diretamente para os que lá o colocaram, à época, ressalte-se, sob desconfiança do mundo jurídico a respeito do seu compromisso. Desgraçadamente, até aqui parece que seus críticos estavam cobertos de razão.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O roto e o esfarrapado


Segundo a manchete do Diário do Pará de hoje(28), "Cosanpa põe três cidades entre as dez piores do país", no entanto, a manchete de O Liberal diz, "Helder deixou Ananindeua com pior saneamento básico do país". E aí?
Aí que os dois estão certos. Helder é culpado, sim, pelo péssimo saneamento básico de Ananindeua, embora não seja o único. Apenas, como parceiro do governo federal, teve a oportunidade de avançar nesse quesito tirando do papel ações importantes para o município. No entanto, sem entrar no mérito do papel da Cosanpa, o tucano Manoel Pioneiro não avançou um centímetro no saneamento ananin quando deu um banho do asfalto no conjunto Cidade Nova, financiado pelo governo do estado.
Quanto à Cosanpa, confesso não lembrar se era ela a executora do malsinado 'Projeto Alvorada', mega parceria entre o governo FHC e o governo Almir Gabriel que enterrou mais de R$60 milhões no esgoto da corrupção e não foi capaz de assentar um vaso sanitário.
Talvez fosse bom os contendores voltarem a tocar no assunto, de preferência no primeiro, e seguintes, debate dos candidatos ao governo, afinal, independente de responsabilidades pretéritas, ainda hoje presenciamos um descaso crônico com tema tão caro à saúde da população, capaz de proporcionar a economia de zilhões de reais na medicina curativa, caso houvesse seriedade. Está aí o prefeito de Belém que não nos deixa mentir, ao confessar publicamente sua incapacidade em transformar um lixão em aterro sanitário, apenas porque sua visão de gestor público só tem uma direção: os lucros da iniciativa privada. Lamentável!

Jatinhos sem dono, vídeos fraudados e dublês de donos do Itaú/educadores populares compõe a 'nova política'


Depois de aparecer nas redes sociais vídeo manipulado do ex-presidente Lula pedindo votos para a candidata Marina Silva (PSB), Marina foi obrigada a confessar que não foi apenas esse vídeo do Lula que foi manipulado.

Marina admitiu ao jornal O Estado de São Paulo, que um outro vídeo, com a vinheta da campanha de 2014, e com artistas declarando voto a candidata Marina Silva, também foi manipulado. Ou seja, é tudo mentira. Não existe artistas pedindo votos para a candidata dos banqueiros.Se não fosse descoberto a manipulação com o vídeo de Lula, Marina continuaria quieta,usufruindo da mentira? Com medo de processos, depois do PT pedir a retirada do vídeo da internet e anunciar processo, a campanha de Marina diz que "As imagens foram usadas sem o consentimento dos artistas"

No vídeo de 1 minuto e 18 segundos, os cantores Arnaldo Antunes, Fagner, Maria Betânia, Lenine, e os atores Marcos Palmeira e Wagner Moura, entre outros, declaram sua preferência por Marina Silva.

A gravação divulgada na internet é uma montagem com base em um depoimento em que Lula pede votos para a deputada federal Marina Sant''Anna do PT.

O presidente do PT, Rui Falcão, afirmou na tarde desta quinta-feira, 28, que vai recorrer a medidas judiciais e administrativas para retirar o vídeo do ar. "Temos uma candidata ao Senado, a deputada federal Marina Santanna, que recebeu, como é natural, uma gravação de apoio do presidente Lula", disse Falcão. "É uma montagem fraudada, que suprime o sobrenome (da candidata petista) e coloca apenas o presidente Lula apoiando Marina', como se fosse a candidata do PSB", concluiu. Ele não atribuiu a autoria do vídeo ao PSB ou a Marina Silva.

De acordo com ele, já foi enviado um pedido administrativo ao Google para retirar a peça do Youtube, que já retirou do ar a propaganda. Será encaminhada ainda à Justiça Eleitoral uma representação por propaganda eleitoral irregular que, de acordo com Falcão, "pode induzir o eleitor a erro". Também será pedido ao Ministério Público Eleitoral a instauração de um inquérito criminal para apurar as práticas de "falsidade ideológica de cunho eleitoral" e para identificar os responsáveis. O presidente do PT disse que, mais adiante, a coligação vai entrar com uma ação cível para retirar o vídeo do ar. "Ele viola o direito autoral e o direito de imagem (de Lula). Continuaremos na nossa linha de, nas nossas redes sociais, não nos valermos de fraudes e adulteração", declarou o petista. Já o PSB também classificou o vídeo como "fraude" e avisou que irá pedir um inquérito ao MP para apurar quem é o autor da farsa. 
(Os Amigos do Presidente Lula)

Os fatos desmentem o Príncipe da Privataria e seus 'entendidos'


Interessante esse gráfico feito pelo site Brasil 247, mostrando a evolução do salário mínimo brasileiro convertido para o dólar o que dá uma noção mais exata da evolução do seu poder de compra. Pra variar, como mostra o quadro, é nos tempos do 'Príncipe da Privataria' que o valor do SM mais perde poder de compra, conforme desejo do guru das "medidas impopulares" Armínio Fraga, um entendido em economia bem ao gosto dos privatas.

Prefeito Zenaldo revoga data-base do servidor municipal


Segundo a Lei Orçamentária para 2015, entregue hoje pela ministra do planejamento Mirian Belchior ao presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros, o salário mínimo nacional sofrerá, a partir de janeiro de 2015, um reajuste de 8,8% e passará  para R$788,06.

Para os servidores da Câmara Municipal de Belém do Pará, eu incluído, isto não quer dizer absolutamente nada porque o atual presidente ainda não pagou sequer o reajuste baseado no percentual do salário mínimo vigente; e o de 2013 foi pago em dezembro, retroativo a novembro, embora a data-base do servidor seja no mês de maio.

Pior, pela Lei de Diretrizes Orçamentárias, ora em tramitação na CMB, o prefeito parece ter adotado o estilo do nada generoso pastor/presidente e simplesmente revogou essa data-base, ignorando o Estatuto do Servidor Público. Em palanques ou na oposição, tucanos são sempre muito generosos na encenação de mostrar preocupação com a classe de servidores, no entanto, basta chegarem ao governo para irem ao outro extremo. Além dos exemplos acima, lembremos sempre do governador Simão Lorota caloteiro contumaz até da gratificação por tempo de serviço devido ao conjunto do funcionalismo estadual, mas que marcou sua atual e não menos desastrada gestão ao criar mais um nível de assessor especial(DAS), bem como dar para si, para seu vice e secretários reajustes salariais acima dos 60%, igualmente o oposto daquilo que oferecem ao restante, isto é, a todo o funcionalismo. Lamentável!

Se não deu...desce, Simão!

Como nos velhos tempos

Pelo tom lamuriento adotado hoje pelo papelucho oficioso dos tucanos, Simão Lorota fracassou redondamente na missão de transferir os votos do senador/malfeitor Mario Couto para seu preferido, Helenílson Pontes(ou Trampolim). Então, o negócio é recorrer ao departamento político/jurídico do tucanato ao tucupi, popularmente conhecido como Ministério Público, e investir contra o registro da candidatura do voraz ladravaz D. Costa e assim apropriar-se do butim eleitoral do ex-alcaide, nem tão fornido quanto seu patrimônio pessoal, mas ainda considerável.

Todavia, não está nada fácil pro MP conseguir o tão almejado indeferimento. Dudu carrega um Código Penal inteirinho às costas, no entanto, nunca sofreu uma condenação por colegiado jurídico, logo, ainda não está inelegível e dificilmente ficará até outubro. Além disso, se o mega larápio José Roberto Arruda vai até o STF recorrer contra a decisão do TRE do Distrito Federal que impugnou sua candidatura ao governo, imagina D. Costa, que ainda não passou pelo TJE, TRF, TSE, pelo menos. E diante da lentidão recorrente do judiciário brasileiro, talvez depois das Olimpíadas de 2016 se consiga essa inelegibilidade.

Levando-se em conta que Pontes(ou Trampolim) encontra-se quase no rabo da enorme fila de pretendentes à única vaga disponível pro Senado Federal, bem como será muito difícil conseguir torná-lo conhecido e palatável para o eleitorado, melhor Simão abandonar essa missão quase impossível. O mais certo é Simão adotar, daqui pra frente, a tática do salve-se quem puder, isto é, correr atrás do seu próprio prejuízo aderindo à companhia de todos os pretendentes à Câmara Alta que estejam próximos politicamente dele, inclusive o próprio D. Costa, afinal, a carreira de ambos, Simão e Dudu, têm várias coisas em comum a começar pela dobradinha feita em 2002, que levou um ao Senado e o outro ao governo do estado. E tudo regado a muita Cerpa, se é que me entendem. Logo...

Ou o PT enfrenta o golpe midiático contra as eleições, ou será vítima dele


Em São Paulo, foi preciso que a justiça eleitoral determinasse a Rede Globo que divulgasse as atividades de campanha do candidato ao governo pelo PT, ex-Ministro da Saúde Alexandre Padilha. A emissora havia cortado o candidato alegando que só divulgaria diariamente a agenda de quem tinha mais de 6% nas intenções de votos, segundo pesquisa feita por IBOPE ou Datafolha. Na Bahia, a TV Bahia, afiliada da Globo e propriedade da família do finado Toninho Malvadeza, foi mais além: fez simulação de um segundo turno apenas entre o primeiro e a terceira colocada. O segundo lugar, segundo o próprio IBOPE, é o candidato petista. No debate entre os presidenciáveis, realizado na Rede Bandeirantes, 3ª feira última(26) três celerados travestidos de jornalistas invadiram o programa e investiram furiosamente contra a presidenta da República e os partidos de esquerda, agindo com uma veemência que nem o candidato direitista mais extremado presente ousou fazer. Um notório bandido tem seu registro de candidatura impugnado pelo TRE, depois pelo TSE, mas continua fazendo campanha e até liderando a pesquisa cúmplice dessa bandidagem, feita pelo IBOPE.

Diante dessa sucessão de crimes eleitorais, praticados pelos mais audaciosos bandidos de colarinho branco, é preciso que haja uma reação mais consistente das forças populares, partidos, centrais sindicais, entidades de direitos humanos etc no sentido de denunciar esse golpe contra o estado democrático de direito e a vontade soberana do povo brasileiro, instrumentalizado pelos donos dos maiores veículos de comunicação do país tentando influenciar de forma ilegítima e delinquente no eleitorado,  transformando seu dever de informar à população os fatos com decência e honestidade, em manipulação grotesca e criminosa do que vem ocorrendo; e isso antes que a sordidez chegue à petulância de inventar um mecanismo de apuração semelhante ao montado pela mesma famigerada Rede Globo pra roubar a eleição de Leonel Brizola ao governo do Rio de Janeiro, em 1982.

Dilma Rousseff não é Lula que, mesmo antipatizado por esse establishment, não chega a ser odiado como a atual presidenta e como Genoino e Zé Dirceu, que ousaram arriscar as próprias vidas no combate à ditadura e até hoje são perseguidos odiosamente pelo braço midiático do reacionarismo que o golpe deixou feito um 'Cavalo de Troia' dentro do Brasil. Pra essa direita hidrófoba, derrotar Dilma é uma questão de honra, assim como foi condenar Zé Dirceu e Genoino e, para tal, estão lançando mão dos mais torpes expedientes ao seu alcance. Cabe enfrentá-los, antes que seja tarde.