Jorge Paz Amorim

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Sou Jorge Amorim, Combatente contra a viralatice direitista que assola o país há quinhentos anos.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Descoberto. "Cura gay" é marretagem do trambiqueiro/fundamentalista Silas Malacheia


Eu quero apresentar um aspecto bem menos moral e mais pragmático da questão da “cura gay”. Chama “follow the money“. O Pastor Malafaia tem um escudeiro na Câmara: o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ). Isso nem é segredo.

A coitadinha da psicóloga que entrou com a ação pela “cura gay” não é só psicóloga: é assessora do deputado Sóstenes.

Agora vamos fazer uma breve cronologia:

2011 – Malafaia investe numa rede de clínicas de recuperação;

2012 – Silas Malafaia investe mais ainda em clínicas de recuperação;

2013 – Marco Feliciano (PSC-SP) entra na chefia da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Câmara (meu Deus do céu, PT…) e por pedido de Malafaia aprova o projeto da cura gay. Sim, foi NO MEIO daquela bagunça das manifestações;

2014 – Pr. Eurico (PHS-PE), outro da bancada jihadista evangélica, reapresenta o projeto da cura gay;

2015 – com Cunha presidente da Câmara, Marco Feliciano reapresenta DE NOVO o projeto da cura gay.

Depois de terem o mesmo projeto arquivado três vezes, a bancada evangélica decidiu que o jeito seria apelar pro Judiciário. E daí finalmente acharam um juiz que fosse conservador o suficiente pra tomar uma decisão que os agradasse

Bem, mas o que isso tem a ver com as clínicas de recuperação do Malafaia? É relativamente simples:

Vocês lembram no começo do ano quando o Dória queria levar a Cracolândia inteira pra clínicas de recuperação pagando diária para as clínicas? Isso geralmente ocorre com o conveniamento de clínicas para recuperação de dependentes junto à prefeitura ou ao estado. A clínica apresenta documentação, é conveniada e o estado paga mensalmente a quantidade de diárias de internação estabelecidas em contrato.

Pois bem, qual é o pulo do gato? Com a cura gay, pessoas poderão ser levadas pelos pais ou parentes num Centro de Referência de Assistência Social (Cras) ou num Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) buscando tratamento de reversão sexual. Daí o governo vai ter que credenciar clínicas que façam esses tratamentos, afinal é um direito de todos e dever do Estado.

Na hora de credenciar essas clínicas, quem estará lá todo feliz credenciando suas clínicas em busca de grana pública pra cura gay?

SILAS MALAFAIA


Não é coincidência que o lobby pela cura gay tenha começado logo após Malafaia montar a sua rede de clínicas de recuperação.

Vocês entenderam que Malafaia é muito mais perigoso que um mero pastor extremista? Ele quer usar a cura gay para captar dinheiro público. Por trás de todo moralismo há um motivo tacanho e hipócrita, não adianta. O do Malafaia é ganhar mais dinheiro.

Jesus: “é impossível servir a Deus e ao dinheiro”.

Paulo: “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males”.

Esses trechos da Bíblia Malafaia não lê

Enfim, tá aí o esquema exposto.
(Leonardo Rossetto/ via Os Amigos do Presidente Lula)

“Se você quer contribuir com o país, entre no PT”, diz Lula


Para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, filiar-se ao PT é a solução para quem busca contribuir para o país, e quem busca solucionar suas próprias angústias com o futuro do Brasil. Lula discursou no lançamento da campanha de filiação do partido, nesta sexta-feira (22), na sede do PT em São Paulo.

“O PT precisa convencer as pessoas que não existe saída fora da política. O PT tem que ser um partido que enfrenta essa discussão contra a negação da política”, afirmou Lula.

“ Fora da política teremos nazismo, fascismo, qualquer coisa. Menos democracia, menos participação popular. Por isso que é importante as pessoas participarem do PT. E vocês querem contribuir com o país, solucionar o seu problema de incerteza no futuro, entre no PT, porque o PT vai ajudar a resolver suas angústias políticas e ideológicas e garantir um Brasil livre e soberano”, afirmou.

A campanha de filiação foi uma deliberação do 6º Congresso do PT. Segundo a secretária de Organização, Gleide Andrade, o objetivo dessa campanha foi facilitar o processo de filiação. Para isso, o site do partido foi reformulado, para que a filiação possa ocorrer em “três cliques”. “O 6º Congresso decidiu fazer uma campanha de filiação com o objetivo de enfrentar a ofensiva conservadora e fortalecer o nosso partido”, disse ela.
(Agência PT de Notícias)

O caso do feijão estragado, estocado pela SEDUCe até servido como merenda escolar



Em meio a justa greve dos professores surgiu um fato que, caso seja confirmado, constitui iniquidade ímpar do governo do estado, muito pior do que tudo já visto até hoje porque resume todo o desprezo com a vida das pessoas e até de animais, conforme veremos.

Consta que a SEDUC estoca 150 ton. de feijão vencido desde o final de 2016, inclusive já tendo distribuído este ano uma parte como merenda escolar, só recolhendo depois de tomar ciência que muitos estudantes passaram mal após comer essa porcaria servida criminosamente.

A mistura de trapalhadas com ação delinquente produziu o desmascaramento desse episódio. É que esse feijão ficava em cima de uns livros velhos estocados no mesmo depósito e causou feridas e coceiras nos que trabalhavam contando esses livros.

Um governo recorrentemente falsário jamais admite cometer erros, costumeiramente opta por lançar mão de outro ardil não pra corrigir seus malfeitos, mas pra ocultar o outro e preservar sua impunidade.

Aí começa a operação-abafa. Consta que após um jogo de empurra empurra entre o FNDE e a SEDUC houve uma reunião onde foi sugerida a venda do produto a fim de fazer ração pra animal, outra irresponsabilidade criminosa.

Consta, ainda, que dessa reunião participaram representantes do Ministério Público estadual e do SINTEPP, logo, outras duas entidades que também têm conhecimento do fato e até aqui nada fizeram pra que isso venha à tona e os responsáveis punidos.

Certo é que, tanto pra fazer ração quanto vender essa porcaria com a possibilidade de misturar com um similar dado como saudável, outra possibilidade nefasta, algo precisa ser feito pra por um freio nesse banditismo.




O horror



Delator revela que Temer assaltou a CEF e de lá roubou R$250 milhões. Nada de novo. Temer é tido como perigoso assaltante há muito tempo e só sua blindagem graças a ação de poderosos privatas nuca foi admoestado porque seus protetores estão no Executivo, Legislativo e Judiciário.

Segundo a revista Isto É, de 5/2/2003, Temer fazia parte "de um restrito grupo político, entranhado desde a era FHC no governo federal", mas, que, a partir da posse de Lula naquele ano "desgrudou do poder a partir da eleição das mesas do Congresso Nacional".

Pelo que se sabe, hoje, o dito grupo saiu do poder mas o poder nunca saiu dele, por isso a volta por baixo sorrateiramente, em 2010, com o próprio Temer submetendo-se ao papel decorativo, que depois conspiração contra os legítimos ocupantes do poder constituído.

Mais do que o delator Lucio Funaro, é preciso que autoridades descompromissadas com essa trajetória de crimes do bando ciatdo venha a público e resgate esse período da nossa história recente a fim de estancar a sangria dos cofres públicos operada por esse bando.

Narrativas seccionadas por conveniências seletivas da politicalha nacional não conquistarão a cabeça e o coração da população brasileira. Independente do jogral nefasto entoado pela mídia delinquente, é preciso ir fundo na exumação dessa putrefação expondo-a na plenitude de seu horror.

Só assim serão criadas as condições de punição, sem deixar dúvidas a respeito da veracidade, recorrência e audácia de uma gangue de malfeitores que sempre operou na perspectiva de roubar, roubar, roubar.

A solidez da aliança entre o sujo e o mal lavado


Segundo o 'Painel' da Folha Tucana(FSP), o presidente do PSDB, Aécio Neves, "formalizou ao presidente da CCJ, da Câmara Federal, para que nenhum deputado tucano seja escalado relator da nova queixa contra Temer.

Embora o panfletão que divulgou esse fato doure a pílula da sordidez sugerindo que a medida é pra evitar 'rachas', está claro que Aécio manda recado ao golpista temerário, dando ciência que a tucanalha está fechada com a impunidade do larápio usurpador.

Aliás, apesar da manipulação operada por gangues midiáticas, sites de notícia divulgaram reunião da alta cúpula emplumada decidindo ser essa a postura privata. De manter-se como linha auxiliar do PMDB, em troca de todas as sinecuras sedutoras ofertadas.

Lembrando que o voto desses dois bandos somados faz um total de cerca de cem deputados, precisando apenas garimpar entre o baixo clero mais uns oitenta deputados e assim garantir a travessia de Temer em mais essa tormenta.

De bois alados e catitus


As itinerâncias propagandísticas, como diria Odorico Paraguassu, do ministro Helder Barbalho, ou melhor, da família Barbalho já não causam espanto dada a recorrência com a presença de equipe do jornal caseiro pra registrar essas andanças.

O que chama atenção, vez por outra e cada vez mais, é a presença de participantes que outrora jamais veríamos na companhia do ministro e seus pais, uns até tidos como inimigos figadais.

A surpresa na foto de hoje é a presença do pastor Josué Bengston, até então tido como timoneiro de um dos barcos que acompanha a romaria privata no Pará e agora parece disposto a singrar outros mares de loucura, tudo em nome da permanência...vocês sabem onde.

Ontem, a propósito, rolou no youtube um vídeo em que seu 'Raimundão', tucano convicto lá de Bragança, que aproveitou uma solenidade naquele município e desceu o malho no senador/detento Flexa Ribeiro, anunciando até que espalhará out doors colocando o parlamentar como persona non grata por lá, rebeldia impensável até recentemente.

Engraçado notar que, quando esses bois começam voar, sabe-se muito bem onde cairão e em quem causarão estragos, assim como é fácil perceber a migração pra outro rebanho, no caso unindo até boi alado com catitu.

Simão se mandou pra China. Quando voltar, deve ser só pra participar das festas do Círio, que pra ele devem durar uns quinze dias, depois mergulhará novamente na discrição que o acompanha desde quando desistiu dessa coisa chata que é governar.

Diante da situação, daqui até o primeiro semestre do ano que vem deveremos ter nos céus mais bois voando do que aviões de carreira e todos com a intenção de descer pra fazer companhia aos catitus. O diabo é saber quem ficará para apagar as luzes

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Contra o golpismo só há um remédio: fortalecimento da classe trabalhadora.


O Partido dos Trabalhadores fará o lançamento da sua campanha nacional de filiação nesta sexta-feira (22), a partir das 11h30, com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR).

Em 1º de setembro último, fiz uma postagem aqui no blog a respeito da resistência do petismo ao bombardeio sórdido que tem sofrido da mídia, do Judiciário, da direita em geral, desde que Lula chegou à presidência da República, em 2003.

Àquela altura, o PT tinha 1.795.764 filiados, segundo o TSE. Hoje, vinte dias depois, estão registrados 1.797.360 filiados, quase dois mil filiados a mais em menos de um mês.

Que a referida campanha aumente vertiginosamente esses números, com a perspectiva de fortalecimento do debate interno que leve ao resgate da luta por uma sociedade justa, solidária e socialista.

Vamos ser gauches na vida?



As propostas do professor Vladimir Safatle, para uma nova postura de um governo de esquerda que se venha a instalar no país, com adoção de mecanismos de democracia direta, confisco de aparelhos produtivos, restrição do direito à propriedade privada, em lugar de operar nos marcos da governabilidade próprios à democracia liberal, com suas exigências de conciliação e cooptação, não deixa de ser estimulante, principalmente após a lição deixada pelo golpe dado contra a presidenta legítima Dilma Rousseff. 

De certa forma, parece ser isto que a organização da classe trabalhadora espera como passo adiante na superação da experiência vivida entre 2003/2016. Aliás, algo semelhante já havia sido proposto por Dilma, mas prontamente rechaçado no Senado Federal, inclusive pela base de apoio do próprio governo, àquela altura já enfraquecido pelos movimentos dos conspiradores pemedebistas.

Fica claro, então, que um novo governo de esquerda precisa fugir das armadilhas do processo eleitoral e ter a coragem de estimular o debate mais radical a respeito de seus projetos, sem medo de ser  demonizado pelo aparelho midiático que manipula boa parte do eleitorado brasileiro, fazendo com que este vote contra seus próprios interesses.

Segundo Safatle, "A esquerda cresceu onde radicalizou suas posições. Isso ocorreu recentemente no Reino Unido, na França (onde a esquerda mais radical quase passou ao segundo turno das eleições) e na Espanha. A política foi para os extremos -e mesmo em um país como o Brasil isto está claro. O problema é que apenas um dos extremos parece não ter medo de dizer seu nome." 

De minha parte, acho tudo isso muito interessante. Não porque seja a panacéia que virá curar todos os nossos males pós golpe, mas por mostrar que o governo petista esteve preso por uma dinâmica política completamente integrada à gestão de maiorias parlamentares, esquecendo-se de a que política é um jogo de forças e que o respeito à "institucionalidade democrática" no Brasil duraria apenas enquanto a esquerda parecesse ter unidade e força popular.

Como ainda não li o livro do professor, intitulado "Só mais um esforço", onde estão postas essas questões, apenas li a entrevista que o autor deu à Folha, transcrita por Paulo Henrique Amorim, faço o registro para que haja debates envolvendo questões dessa natureza, coisa que a esquerda necessita desesperadamente.

SOS Quilombolas


Apenas entre janeiro e setembro deste ano, 14 moradores de comunidade remanescentes de quilombos foram assassinados no País. O caso mais recente ocorreu na última terça-feira (19), no município de Simões Filhos, região metropolitana de Salvador. O líder comunitário Flávio Gabriel Pacífico, conhecido como Binho do Quilombo de Palmares foi morto com dez tiros. Os dados foram apresentados pelo deputado Paulão (PT-SE), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minoria, durante audiência pública no colegiado hoje (20), que discutiu a situação das comunidades quilombolas no País, especialmente a possível remoção de moradores da região vizinha à base espacial de Alcântara (MA).

Paulão ressaltou que a conjuntura dos direitos humanos no Brasil é preocupante. “Avolumam-se as denúncias de violação de direitos fundamentais à vida dos brasileiros e, infelizmente, com os povos quilombolas não é diferente. Não existe consenso sobre a motivação das mortes, mas os conflitos agrários e o racismo podem ser motivações do aumento das mortes”, analisou. O deputado informou ainda que a comissão tem acompanhado com atenção a Ação Direta de Inconstitucionalidade, movida pelo DEM, contra o decreto 4887/03, que regulamenta os procedimentos para demarcação de terras quilombolas. “A medida pode representar um risco iminente de anulação de todos os títulos de quilombos no País”, lamentou.

Sobre a retomada dos trabalhos na Base de Alcântara, que está em terras quilombolas no (MA), com desenvolvimento atrelado aos interesses de outras nações, Paulão disse que esses interesses “não podem estar acima das vidas e das tradições do povo quilombola”.

O deputado Zé Carlos (PT-MA), um dos autores da proposta da audiência pública e que presidiu a maior parte do debate, destacou que o município de Alcântara convive de forma antagônica com duas realidades distintas: de um lado o governo brasileiro, com o projeto espacial. E de outro a comunidade quilombola que convive lá desde os tempos da escravidão. “O governo brasileiro busca a atender os anseios daqueles que defendem a política espacial e, por omissão dos preceitos constitucionais que deveriam reger, passou a violar sistematicamente normas nacionais e internacionais de proteção aos direitos humanos”, afirmou.

Zé Carlos lamentou ainda o fato de a violência contra a comunidade quilombola de Alcântara ter se perpetuado ao longo do tempo. “A nossa soberania tem que ser preservada, e ela começa quando você respeita o povo. Não há soberania preservada se o direito do nosso povo não é respeitado”, enfatizou.

O deputado Patrus Ananias (PT-MG), outro autor da proposta que permitiu o debate, lamentou a ausência do ministro da Defesa, Raul Julgmann, que foi convidado para a audiência, mas não compareceu. Patrus reforçou a afirmação do debatedor Denildo Rodrigues, da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Quilombolas, de que soberania é cuidar bem do povo. O deputado informou que foi lançada recentemente no Congresso a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional. “E, para nós, essa soberania tem que ser a soberania popular. Um País soberano é aquele que cuida da sua gente”.

O deputado Nilto Tatto (PT-SP), também autor da proposta do debate, lamentou o fato de os quilombolas viverem uma ameaça concreta no centro do governo golpista de Temer. Ele lembrou que tramitam na Casa várias proposições que visam retirar direitos que foram conseguidos com muita luta. “Infelizmente esse governo fragiliza as comunidades quilombolas, paralisando todos os programas sociais implementados nos últimos anos, além de reduzir os recursos para a titulação de terras para essa população. O orçamento para esta finalidade que em 2015 foi de R$ 29,5 milhões, caiu para R$ 1,8 milhão em 2018”, criticou.

Os deputados Luiz Couto (PT-PB) e Adelmo Leão (PT-MG) também participaram dos debates que tiveram como expositores a procuradora Eliana Torelly, da 6ª Câmara da Procuradoria-Geral da República; Paulo Maldos, da coordenação do Grupo de Trabalho dos Direitos dos Povos e Comunidades; e o defensor público José Roberto Fani Tambasco.
(PT Câmara)

Subprocuradora fura cerco persecutório e desnuda facciosismo morista


A subprocuradora da República Aurea Maria Etelvina Nogueira Lustosa Pierre deu parecer favorável a que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) considere o pedido da defesa de Lula para que se discuta a suspeição do juiz Sérgio Moro, que comanda três processos contra o ex-presidente.

A decisão de acatar ou não o parecer cabe ao próprio STJ.

Segundo a defesa do ex-presidente, a cronologia foi a seguinte:

1 — Moro deixou de reconhecer sua suspeição;

2 — O TRF4 julgou a suspeição por meio da 8a. Turma e negou o pedido;

3 — Apresentamos recurso especial contra o acórdão do TRF4, que foi indeferido pela presidência do tribunal;

4 — Apresentamos agravo ao STJ contra essa decisão, pedindo o processamento do Resp e a discussão da suspeição;

5 — A subprocuradora opinou pelo provimento do agravo.

Em sua decisão, tomada segunda-feira, Aurea Pierre elencou nove razões apresentadas pelos advogados do ex-presidente para opinar pelo provimento:

Questões trazidas (da e-fl 1505/1508):

1 — Na APn 5046512-94.2016.404.7000 – linguagem de certeza de condenação no recebimento da Denúncia (Apartamento 164-A);

2 — Na mesma Decisão esclarecimento sobre a Denúncia apresentada pelo MPF – quanto à individualização da responsabilidade;

3 — Evento em 06/12/216, ‘Revista Isto É’ – fotografia trazida;

4 — A defesa do magistrado na Queixa-Crime apresentada;

5 — Vídeo com divulgação em redes sociais – figurando o magistrado com membros do órgão de acusação;

6 — Brasil apresentou informações em 27/01/2017 ao Comitê de Direitos Humanos da ONU, referente à comunicação do Agravante em 28/7/2016;

7 — Em audiência de 16/12/2016, permitido o tratamento indevido para com o Acusado;

8 — O magistrado após audiência, fora da gravação, dirigiu provocação ao Advogado do Agravante;

9 — Inquirição de Testemunhas com potencial de prejudicar o Acusado.


A foto a que se refere a subprocuradora causou escândalo: num evento da revista IstoÉ, o juiz Sergio Moro aparece conversando ao pé do ouvido com o senador tucano Aécio Neves.
(Viomundo- onde é possível ler matéria completa)

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

SEM GRAÇA!!!!!!


MTST protesta contra cortes no Minha Casa Minha Vida


Milhares de pessoas organizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto ( MTST) fizeram um protesto na tarde desta terça-feira (19) em frente à sede do Ministério da Fazenda em São Paulo, no bairro da Luz, região central da cidade.A jornada nacional por teto e trabalho ocorreu em dez capitais do país, reivindicando a retomada do Programa Minha Casa Minha Vida e denunciando a “política econômica nefasta de Temer”, nas palavras do coordenador nacional do MTST,Guilherme Boulos.

O plano do MTST com o ato de terça era ocupar o prédio do ministério na capital paulista, mas ao chegar lá as portas estavam fechadas. “O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, é um banqueiro. Ele recebe os banqueiros lá em Brasília, mas aqui não quer conversar com 20 mil trabalhadores pobres”, disse o coordenador do MTST.Os sem teto formaram alas com diferentes referências ao governo Temer. Um grupo batia panelas vazias, outro carregava uma mala cheia de dinheiro – referente aos R$ 51 milhões encontrados no apartamento de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Temer –, além dos “fantasmas”: o ex-deputado Eduardo Cunha, o doleiro Funaro, e os irmãos e sócios da JBS Friboi, Wesley e Joesley Batista. “ Fora Temer” era o coro repetido.

Problema que se agrava

“Ao gerar desemprego impressionante, o governo ilegítimo do (presidente) Michel Temer agrava o problema da moradia. As pessoas não conseguem pagar aluguel e isso piora o déficit habitacional. Ao mesmo tempo temos o programa Minha Casa, Minha Vida seco. O orçamento previa 35 mil moradias para este ano, mas nenhuma foi contratada”, disse Boulos.

As mobilizações de hoje ocorrem no Rio de Janeiro, Maceió, Porto Alegre, Belo Horizonte, Distrito Federal, Goiânia, Aracajú, Recife, Fortaleza, além da capital paulista. O movimento espera reunir 50 mil pessoas nas ações em todo país. Os manifestantes saíram em marcha da estação da Luz e chegaram à sede do ministério sem violência.

Segundo o militante, após o acampamento do MTST na sede da presidência da República em São Paulo, durante 22 dias, em março deste ano, uma série de trâmites burocráticos foi realizada, mas a verba não foi liberada.

“O governo alega falta de dinheiro, o que é irônico já que o Temer liberou cerca de R$ 4 bilhões em emendas parlamentares para se salvar da denúncia de corrupção”, afirmou Boulos. “Só isso construía mais casas do que tem no orçamento”, completou.

Há uma semana o MTST organizou uma ocupação gigante em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo. Cerca de seis mil famílias estão vivendo no local. No fim de semana, tiros foram disparados de prédios vizinhos contra os ocupantes. Um imenso ato de solidariedade ocorreu no dia seguinte, aumentando a força da ocupação.

Para o próximo ano, o orçamento da União não prevê a contratação de nenhuma obra para o Minha Casa, Minha Vida, na faixa de mais baixa renda, bem como na modalidade Entidades, que é gerida por movimentos sociais.

O movimento exige, pelo menos, o mesmo número de moradias do orçamento atual. “Colocar zero moradias no orçamento em uma situação como estamos, é colocar gasolina no fogo”, afirmou o coordenador do MTST.

“Ocupar terreno não é opção do movimento. É o resultado da política econômica equivocada e a única alternativa para milhares de famílias que chegam no fim do mês e não conseguem pagar o aluguel”, destacou Boulos. “Isso vai se repetir muito se a situação não melhorar”, completou.

Boulos ainda comentou a eleição presidencial de 2018, destacando que, ainda que não seja membro do PT, “é inadmissível que as eleições se decidam no tapetão”. “A participação de Lula na eleição é fundamental para garantir a democracia no país”, disse.

Ao final do ato, que segundo os organizadores tinha perto de 40 mil pessoas, os manifestantes colocaram fogo em bonecos que representavam o presidente Michel Temer e o seu “quadrilhão”. Guilherme Boulos disse que se as coisas não se resolverem, os manifestantes “vão botar fogo no pavio nos quatro cantos da cidade; esperamos resultado, que a mensagem tenha sido compreendida e a resposta venha”, afirmou ainda.

Antes dele, a coordenadora estadual do MTST Maria das Graças disse para o presidente Temer pisar ligeiro “porque se tiver de voltar aqui o bicho vai pegar. Hoje demos um alerta, quando dizemos que fazemos, a gente cumpre”.

O ato foi encerrado em frente a secretaria geral da Presidência, na Avenida Paulista. Acompanhado pela reportagem da RBA, foi um ato tranquilo, sem ocorrências e com menor mobilização policial ao redor do que em eventos anteriores.
(Rede Brasil Atual)

A farra aérea da Farsa Jato, jatinho, boeing e o escambau voador



Marcelo Auler mostra, em detalhes, em seu blog, a verdadeira farra de diárias e passagens pagas aos procuradores da República envolvidos na Lava Jato.

Só com diárias, o grupo da Lava Jato em Curitiba recebeu R$ 463.576,62 reais em diárias (fora o salário e sem Imposto de Renda) durante os primeiros meses deste ano.

Ou aproximadamente R$ 58 mil mensais para o grupo, sem contar as passagens aéreas, para o território e para o exterior.

A campeã é Isabel Groba, a que se incomodou em ser chamada de “querida” por Lula, que abiscoitou quase R$ 65 mil até agosto.

A farra também atingia as forças tarefas do Rio, onde uma procuradora recebeu quase R$ 50 mil em diárias e de Brasília, onde só dois auxiliares de Janot tiveram nada menos que R$ 117 mil para pagarem suas despesas de estadia.

Auler mostra, detalhe por detalhe, com valores precisos, a farra diarista que, aliás, vem de longe, porque os valores que ele apura são apenas os deste ano.

Coisa de mudar o nome para “Operação Paga Jato”, de tanta viagem.

Tem história para todos os gostos – e desgostos – como o procurador que é de Curitiba, cuja mulher é de Curitiba – procuradora também , já recebe auxílio moradia-, cujo filho mora em Curitiba que foi transferido para São Paulo, onde recebe auxílio-moradia – e está emprestado para Curitiba, recebendo por isso mais 61 diárias, ou R$ 63, 6 mil.

Tudo, “dentro da lei”, claro.

E fora de qualquer padrão ético e moral que se deve exigir do serviço público.
(Blog do Marcelo Auler/ via Tijolaço)

Mutretas togadas



Segundo o 'Painel' da Folha Tucana(FSP), o juiz Sérgio Moro contrariou orientação do Ministério Público no caso envolvendo o advogado e doleiro Rodrigo Tacla Duran, que possui cidadania brasileira e espanhola, ao não enviar à Espanha, onde Tacla se encontra, todas as provas que têm contra ele a fim de que fosse processado no exterior.

Claro. Juntar todas as provas poderia significar Moro incriminar a própria esposa, Rosângela Moro, acusada pelo doleiro de receber dele uma vultosa quantia por intermediação em caso de delação, tudo levando a crer que Moro não queria a extradição, muito menos que aquele alvo da Farsa Jato fosse julgado na Espanha.

Além disso, caiu como uma bomba nos meios jurídicos a revelação do ex-Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, dando conta que a delação do empreiteiro Léo Pinheiro sequer foi homologada, no entanto, foi usada como a principal prova usada por Moro para condenar Lula a nove anos e uns meses de prisão.

Se fôssemos desrespeitosos, diríamos que a farsa jato é a 'Mãos Limpas' paraguaia. Todavia, diante de todos os desvios do estrito cumprimento da lei que marca a operação curitibana, somos forçados a afirmar que estamos diante da fusão entre Machado de Assis e Mario de Andrade.

É o tresloucado Simão Bacamarte bruscamente investido do caráter(ou falta dele) de Macunaíma, passando a agir de forma velhaca, bandalha e irresponsável, que é capaz de trancar todos os seus desafetos nas masmorras que têm as chaves a fim de dar um ar de sanidade ao quadro sabidamente depravado e muito por conta desse Simão Bacamarte de toga. Ficará impune?

Será que a moeda do golpe tem duas faces?

Divulgação | Reprodução

Na cabeça do admirável professor Moniz Bandeira, uma intervenção militar agora poria um freio no apetite voraz da cleptocracia temerária e "impediria que o patrimônio nacional - Eletrobrás, Eletronuclear, Petrobrás e pré-sal, bancos estatais - seja dilapidado, entregue aos gringos: é evitar que o desenvolvimento do Brasil, com a inclusão, não seja interrompido; é impedir a entrega aos gringos de uma parte da Amazônia maior que a Dinamarca".

Infelizmente, no coração dos generais que também já defendem abertamente novamente uma ação das Forças Armadas, não há garantia que esteja a defesa dessa intervenção nos mesmos moldes, ou seja, evitar a dilapidação do patrimônio nacional.

Basta ler as declarações do gen. Augusto Heleno, em defesa do colega Antônio Mourão, o 'novilho fardado', pra perceber a distância que separa o professor Moniz Barndeira dos apologistas fardados da intervenção militar.

Diz o indigitado general, “Em resposta a uma pergunta, colocada diante de uma plateia restrita (na Loja Maçônica de Brasília), ele (Mourão) limitou-se a repetir, sem floreios, de modo claro e com sua habitual franqueza e coragem, o que está previsto no texto constitucional. A esquerda, em estado de pânico depois de seus continuados fracassos, viu nisso uma ameaça de intervenção militar. Ridículo”.

O fracasso vislumbrado pelo general golpista foi a retirada de 30 milhões de brasileiros da miséria; da geração de mais de 20 milhões de empregos em dez anos; a respeitabilidade mundial de nossa política externa; a assunção à condição de quinta economia do planeta; a criação de políticas sociais que proporcionaram a uqeda das desigualdades sociais a patamares nunca antes verificados na história deste país, entre outros "fracassos".

Portanto, a retórica desses símiles da 'vaca fardada' de '964 é, ao contrário do que pensa o professor Moniz Bandeira, a exumação da famigerada teoria da segurança nacional, dando pinta do uso dessa estultície para impedir a candidatura de Lula, colocar na clandestinidade PT, PCdo B e PSOL, repetindo a farsa de 1964, quando a UDN foi poupada da repressão, agora em favor de tucanalhas e demo/pefelistas.

Agora, então, que o larápio temerário foi beijar a mão do fascistoide republicano Trump, fica o temor de que as Forças Armadas, mais uma vez, renunciarão ao nacionalismo tantas vezes invocado, dando vez ao alinhamento subalterno aos cânones impostos pela CIA, como em 1964, repita-se.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

MAIS UMA INFÂMIA DO GOLPISMO LARÁPIO. TEMER CORTA 87% DO ORÇAMENTO DO ESPORTE E BOLSA ATLETA PODE ACABAR

Governo de Michel Temer anuncia um corte de 87% no orçamento do Ministério do Esporte, que poderá acabar com o programa Bolsa Atleta; rubrica “preparação de atletas e capacitação de recursos humanos para o esporte de alto rendimento”, caiu de 56,6 milhões em 2017 para R$ 7,2 milhões na LOA de 2018; criado em 2005 pelo ex-presidente Lula e fortalecido no governo de Dilma Roussef, o bolsa Atleta é considerado um dos maiores programas de incentivo ao esporte; nos jogos olímpicos do Rio, dos 465 desportistas inscritos, 358 receberam o benefício

247 - Se o primeiro ano depois dos Jogos Olímpicos do Rio é de vacas magras, a previsão para 2018 é catastrófica para o esporte brasileiro. A proposta do governo para a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2018 prevê corte de 87% nas verbas na comparação com o cenário já escasso de 2017. A rubrica “concessão de bolsas a atletas” terá disponível apenas R$ 70 milhões. A tendência é que o programa Bolsa Atleta, que custa anualmente mais de R$ 130 milhões mude drasticamente, isso se se não acabar.

O governo ainda não divulgou os beneficiários do primeiro edital do Bolsa Atleta de 2017, mas, no ano passado, os mais de 6 mil beneficiados custaram mais de R$ 90 milhões ao governo. Para este ano, as regras são exatamente as mesmas e o número de beneficiados deve subir, pois há cinco novos esportes no programa olímpico.

A rubrica “preparação de atletas e capacitação de recursos humanos para o esporte de alto rendimento”, caiu de 56,6 milhões em 2017 para R$ 7,2 milhões na LOA de 2018. Em 2016, como comparação, foram autorizados R$ 134 milhões. Já a seção “preparação de seleções principais para representação do Brasil em competições internacionais”, que foi de R$ 40 milhões em 2017 (ainda que muito pouco disso tenha sido aplicado) e será de apenas R$ 4,8 milhões em 2018, se o projeto de lei não sofrer alterações no Congresso.

Se no orçamento de 2017 havia R$ 60 milhões para “implantação de infraestrutura esportiva de alto rendimento”, em 2018 a previsão é de apenas R$ 13 milhões, o que frustra os planos de quem pretende construir centros de treinamento. O combate ao doping também deverá ser prejudicado, pois terá apenas R$ 2,7 milhões em 2018, contra os atuais R$ 8,7 milhões.

Mas o grosso no corte de orçamento está na rubrica “implantação e modernização de infraestrutura para esporte educacional, recreativo e de lazer”, utilizada, principalmente, para pequenas obras em equipamentos públicos espalhados por todo o país. Depois de disponibilizar R$ 462 milhões em 2017, o governo pretende liberar só R$ 7 milhões em 2018.

Além disso, não há qualquer referência à “implantação dos Centros de Iniciação ao Esporte”, que mereceram R$ 200 milhões no orçamento deste ano. No total, o orçamento para o Esporte, que foi de R$ 1,245 bilhões na LOA de 2017, excluindo pessoal, transferências obrigatórias por legislação e créditos extraordinários, foi reduzido para R$ 220 milhões no projeto enviado por Temer à Câmara. Como comparação, em 2016 a pasta empenhou R$ 1,307 bilhão.

O papel ridículo de um bufão

Nova York - EUA - Presidente Michel Temer faz o discurso de abertura da 72 Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) (Beto Barata/PR)
Nova York - Presidente Michel Temer faz o discurso de abertura da 72ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) Beto Barata/PR




























Além de ser um ladravaz repugnante, Michel Temer é uma vergonha diplomática. Mais do que beijar a mão do celerado Donald Trump, o discurso proferido pelo vil golpista na abertura da 72ª Assembleia Geral das Nações Unidas  é patético porque flagrantemente tudo que ali estava escrito foi por determinação do DEA estadunidense.

Nada mais foi do que o aquecimento para o desfiar de bravatas que fazem parte da diplomacia muito peido pouca merda do destrambelhado estadunidense.

E Temer prestou-se a esse papel ridículo porque sabe que sua política externa é inexistente, vive apenas de dissimulações ridículas, daí o mundo virar as costas para quem significou o retrocesso e a perda da referência internacional construída por Lula e Dilma.

Por exemplo, quando Temer enfatiza em seu discurso o imbroglio entre EUA e Coreia do Norte, logo após ser convocado a comparecer na Casa Branca para um encontro com o bufão Donald, é óbvio que o fez porque carente de reconhecimento apega-se à migalha que atiram em sua direção em troca de fazer serviço sujo.

Quando diz "O desmatamento é uma questão que nos preocupa, especialmente na Amazônia”, após todas as iniquidades cometidas contra a região, contra seus povos e contra seu patrimônio natural, causa pânico na medida em que essa preocupação não passa de recado que fará tudo aquilo que o Tio Sam exigir.

É o agachamento exigido para que o invasor imperialista pise no seu lombo pra subir no muro e pular pro quinta do vizinho. É a disponibilização de nossas fronteiras ao aparato bélico estadunidense a fim de facilitar a torpeza contra o povo venezuelano.

Desde os tempos do ridículo D. João VI não se via um governante falar em nome do Brasil de forma tão subalterna. Aquele pelo menos não nasceu aqui e tentava salvar a própria pele lá pelas bandas da Europa, enquanto Temer age de forma tão torpe movido apenas pelo sentimento de manter aquilo que usurpou, mesmo que pagando o preço da renúncia de nossa soberania.


O enredo golpista é titica de galinha. Lula lidera corrida presidencial em todos os cenários

RICARDO STUCKERT

O tempo passa, o tempo voa no rumo de 2018 e cada vez mais Lula consolida-se como favoritíssimo a ganhar a disputa presidencial, apesar do acumpliciamento difamatório protagonizado por togados inescrupulosos e mídia delinquente.

A última pesquisa CNT, divulgada hoje, portanto após o novo depoimento prestado ao verdugo curitibano, mostra Lula líder em todos os cenários possíveis e contra quaisquer candidatos postos na aferição.

Diante disso, cada vez mais fica claro que nem a narrativa global, nem a desastrada e anti-jurídica persecução morista conseguiram alcançar o objetivo de destruir o projeto democrático/popular capitaneado por Lula, capaz de proporcionar os tempos mais prósperos de nossa história.

Da mesma forma como o povo brasileiro não gostou nada da aventura militar/empresarial, imposta pela violência em 1964 acabando com as esperanças de fazer deste um país soberano, bem sucedido e feliz, enxotando os golpistas dantanho, agora o povo demonstra seu total desacordo com a aventura temerária que nos impõe odioso retrocesso.

Resta saber até onde pretende ir esse vil consórcio jurídico/político/midiático, na sua tentativa de impedir que o povo volte a assumir o papel de condutor de seu destino.

1º turno: Intenção de voto espontânea

Lula: 20,2%
Jair Bolsonaro: 10,9%
João Doria: 2,4%
Marina Silva: 1,5%
Geraldo Alckmin: 1,2%
Ciro Gomes: 1,2%
Álvaro Dias: 1,0%
Dilma Rousseff: 0,7%
Michel Temer: 0,4%
Aécio Neves: 0,3%
Outros: 2,0%
Branco/Nulo: 21,2%
Indecisos: 37,0%

1º turno: Intenção de voto estimulada

CENÁRIO 1: Lula 32,4%, Jair Bolsonaro 19,8%, Marina Silva 12,1%, Ciro Gomes 5,3%, Aécio Neves 3,2%, Branco/Nulo 21,9%, Indecisos 5,3%.

CENÁRIO 2: Lula 32,0%, Jair Bolsonaro 19,4%, Marina Silva 11,4%, Geraldo Alckmin 8,7%, Ciro Gomes 4,6%, Branco/Nulo 19,0%, Indecisos 4,9%.

CENÁRIO 3: Lula 32,7%, Jair Bolsonaro 18,4%, Marina Silva 12,0%, João Doria 9,4%, Ciro Gomes 5,2%, Branco/Nulo 17,6%, Indecisos 4,7%.

2º turno: Intenção de voto estimulada


CENÁRIO 1: Lula 41,8%, Aécio Neves 14,8%, Branco/Nulo: 39,6%,
Indecisos: 3,8%.

CENÁRIO 2: Lula 40,6%, Geraldo Alckmin 23,2%, Branco/Nulo: 31,9%, Indecisos: 4,3%.

CENÁRIO 3: Lula 41,6%, João Doria 25,2%, Branco/Nulo: 28,8%,
Indecisos: 4,4%.

CENÁRIO 4: Lula 40,5%, Jair Bolsonaro 28,5%, Branco/Nulo: 27,0%,
Indecisos: 4,0%.

CENÁRIO 5: Lula 39,8%, Marina Silva 25,8%, Branco/Nulo: 31,3%,
Indecisos: 3,1%.

CENÁRIO 6: Jair Bolsonaro 28,0%, Geraldo Alckmin 23,8%, Branco/Nulo: 40,6%, Indecisos: 7,6%.

CENÁRIO 7: Marina Silva 28,4%, Geraldo Alckmin 23,6%, Branco/Nulo: 41,5%, Indecisos: 6,5%.

CENÁRIO 8: Jair Bolsonaro 32,0%, Aécio Neves 13,9%, Branco/Nulo: 46,4%, Indecisos: 7,7%.

CENÁRIO 9: Marina Silva 33,6%, Aécio Neves 13,0%, Branco/Nulo: 47,3%, Indecisos: 6,1%.

CENÁRIO 10: Jair Bolsonaro 28,5%, João Doria 23,9%, Branco/Nulo: 39,2%, Indecisos: 8,4%.

CENÁRIO 11: Marina Silva 30,5%, João Doria 22,7%, Branco/Nulo: 39,9%, Indecisos: 6,9%.

CENÁRIO 12: Marina Silva 29,2%, Jair Bolsonaro 27,9%, Branco/Nulo: 36,7%, Indecisos: 6,2%.
(Fonte CNT/ transcrito do site Brasil 247)

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

FAMA INTERNACIONAL


Os falsários



PSDB jura pela fé da mucura que votará na Câmara Federal e no STF, onde tem bancadas significativas, contra qualquer denúncia da PGR que pretenda apear do poder usurpado o golpista temerário.

Pela disposição, pode até aparecer um vídeo igual aquele do Arruda, o careca do vote em um e leve dois, que não adiantará nada. Para a privataria, Temer é o cara e ponto final.

Claro que a certeza que nada derrubará o esposo de D. Maercela, até 2018, juntado à certeza que o partido de Temer não dispõe de nome para sucede-lo em uma eleição direta firmam essa convicção tão utilitária quanto rapace.

Assim, o golpe dentro do golpe ficará restrito à possibilidade de uso da máquina pública, ainda que como coadjuvantes, por parte desses cúmplices emplumados como única e débil arma para disputar as eleições. Resta saber como os russos(povo) encararão tamanha desfaçatez, depois da encenação da farsa moralista que os fez posar cinicamente de honestos, coisa que nunca foram na vida.

A repetição da farsa em forma de novilho

Repúdio oportuno da senadora Gleisi Hoffmann ao destempero do 'novilho fardado'

Olympio Mourão Filho, um dos generais ativos no golpe dado contra a democracia brasileira em 1964, teve um rasgo de lucidez quando auto definiu-se como um leigo em polpitica, confessando ser apenas uma 'vaca fardada'.

No golpe jurídico/político/midiático ora vigente, aparece outro Mourão a atazanar a democracia brasileira, o general sem tropa Antônio Mourão, animador de escória maçon que clama pelo aprofundamento do golpe com o controle das Forças Armadas sobre as liberdades civis.

Não sei se o indigitado atual tem algum parentesco com a 'vaca' de 1964. Mas, desde já, se não não parentesco sanguíneo, percebe-se tratar-se o atual de um novilho desgarrado sem noção alguma do papel das FA na democracia.

De qualquer modo, para o bem da nação, o bovino dos tempos temerários jamais terá seu mugido ecoado fora desses círculos boçais que parecem continuar alheios à tragédia social que significou a unção sórdida da quadrilha golpista ao poder, sendo urgente o confinamento do citado 'animal' em um curral onde entenda que sua espécie não dispõe de asas para tentar alçar voos inúteis.

domingo, 17 de setembro de 2017

DEVO, NÃO PAGO. NEGAREI ENQUANTO PUDER


Rede Globo mata e vai ao velório


Impressionante o cinismo do jornal O Globo, cem por cento dentro do figurino mafioso que manda matar e vai ao velório.

Hoje publica matéria a respeito da dificuldade da homologação da delação premiada do ex-ministro Antônio Palocci, segundo a dita reporcagem encontra-se no estágio 4 em uma escala de 0 a 10.

Claro. Palocci, Pulhocci como diz Paulo Henrique Amorim, já disse tudo que o mal falado togado curitibano queria ouvir a respeito de Lula, tudo devidamente ensaiado para antes do depoimento que Lula prestaria ao dito togado.

O resto que o ex-prefeito de Ribeirão Preto tem pra falar incrimina a própria máfia global salva da falência, segundo PHA, pelo BNDES em intermediação decisiva do próprio Palocci, ou Pulhocci.

Diante disso, o jornalixo global tripudia, debocha da dificuldade do infeliz detento em falar somente aquilo que os algozes querem ouvir, obviamente omitindo os detalhes sórdidos que incriminam a Rede Globo e o segmento rapace do mercado financeiro.

Com efeito. Diz o papelucho carioca no arremate da malsinada reporcagem, "Fonte que acompanha negociações informa que várias declarações do ex-ministro não vieram acompanhadas de provas materiais". Não é uma gracinha?

O novo Ciro. Opção conservadora para enfrentar Lula

Guilherme Santos/Sul21

O blogueiro Marcio Valley parece ter descoberto a pólvora que combusta a candidatura Ciro Gomes à presidência da República, em 2018.

Ciro resolveu abrir mão da retórica progressista que foi ensaiar em Harvard, no final do século passado, dando a entender que vai partir pra roubar eleitorado conservador de asnos como João Dória Jr e Jair Bolsonaro.

Sua reestreia no campo conservador não poderia ser mais emblemático, dar como fato consumado o blábláblá de Palocci sob tortura morista a fim de sair da prisão que o famigerado direito penal curitibano lhe impõe.

Significa dizer, chega de tentar seduzir o eleitorado lulista, este é cativo em uns 30% do total do eleitorado brasileiro, daí ser necessário ir atrás dos 20% do eleitorado conservador.

A outra metade deve ser disputada sob o discurso que funde moralismo conservador, bravatas personalistas e um diagnóstico da conjuntura que encante uma parte do eleitorado que resolve escolher o candidato na última hora e costuma decidir eleição.

Nesse tripé estariam embutidas as mensagens enviadas a todas as faixas do eleitorado. Ao conservadorismo, sirva-se o moralismo vigente e seletivo, subentendida a impunidade dos do andar de cima; aos carentes de salvadores da pátria, murros na mesa e a lenga lenga promesseira escudada no eu faço, eu aconteço.

E aí vem a parte mais difícil: fundir o conteúdo dos dois tópicos anteriores com um discurso mais sincero e progressista, capaz de atingir a maioria do eleitorado que espera dar 44' do segundo tempo pra decidir e sempre tende a fugir do receituário conservador.

Talvez, o calor da luta faça com que o campo anti-Lula decida apoiar Ciro em qualquer circunstância, o que o impulsionaria a carregar nas tintas progressistas do combate à sonegação e uso do estado como indutor do desenvolvimento isto, repita-se, usado apenas como figura de retórica.

Resta saber que alquimia Ciro usará a fim de passar credibilidade as promessas que fará, diante de um Lula que simplesmente tem a dizer: eu já fiz. E aí?

NUKA TAKI II PREPARA MAIS UM GIRO TURÍSTICO



A impostura, irmã siamesa da impunidade, não para de nos fornecer exemplos de como a vigarice protagonizada por certos inquilinos do serviço público é nefasta à sociedade.

Agora mesmo o panfleto tucano/liberal nos fornece caso típico desse mau uso da coisa pública, tendenciosamente querendo passar seu contrabando em forma de emprendendorismo.

Simão Lorota, o turista nada acidental, prepara mais uma daquelas suas trocentas viagens que não resultam em qualquer benefício para o estado, mas, segundo a famigerada reporcagem, feita a fim de aproveitar os efeitos da 9ª Cúpula dos Brics.

Ora, é sabido por todos que essa cúpula não dá a mínima importância para o bandoleiro temerário, tido como vil golpista e por isso não reconhecido, que dirá para um soba como Lorota, na verdade alguém sem qualquer credencial para entabular parcerias.

Aí esse torpe jornalixo deita falação a respeito de fundos criados, empresas dispostas a investir e a respeito de todo potencial de desenvolvimento que o Brics possui para fugir do cerco da parceria entre EUA e potências europeias.

Na prática, Simão vai passear.. Sua viagem não significará benefício algum para o Pará, simplesmente porque esse tipo de acordo não nasce do improviso, mas resulta do relacionamento diplomático tratado a longo prazo, coisa que foi feita durante os 13 anos de governos petistas, e agora seccionado pelo golpismo nefasto, comandado justamente pelos cúmplices PSDB e PMDB.

Resumo dessa ópera-bufa: não há o que tratar resultante do citada cúpula. Trata-se de álibi vigarista utilizado por um funcionário público ordenador de despesa, marcado pela irresponsabilidade, má intenção e desperdício. Simples assim.

sábado, 16 de setembro de 2017

Vergonha! Mais um encontro espúrio do Temer: desta vez com Trump


A capacidade de sobreviver do governo Temer confirma a podridão do sistema politico brasileiro. Basta um presidente, chegado mediante um golpe ao governo, agradar em tudo aos bancos, usar à sua revelia todos os recursos possíveis para comprar apoios no Congresso, e aparecer como a alternativa ao retorno do Lula ao governo, para que possa sobreviver. Não importa se conta com apoio mínimo da população e com a rejeição da maioria esmagadora, não importa se todo mundo sabe que é o chefe de uma gangue que assaltou o poder, não importa se nem boa parte dos meios de comunicação – incluída a Globo – o apoia mais. Não importa se o presidente do Brasil é vitima de galhofas no exterior,- entre elas o apodo de Mr. Fora Temer - que ninguém mais leve a serio o mandatário do maior pais da America Latina. Demonstra que se pode ser presidente do pais corrompendo ao Congresso, contando com conivências no Judiciário, usando o dinheiro como forma de se manter no poder. O governo Temer tornou-se o melhor governo que o dinheiro pode comprar no Brasil e o Congresso e o Judiciário, cúmplices do governo mais corrupto que o país ja conheceu.

O presidente golpista recebe, na calada da noite, em dependências presidenciais, cúmplices de toda ordem, desde membros do STF a gente da sua gangue, que depois rompe relações com ele, denunciando os mais graves crimes que um chefe de Estado pode cometer, incluindo o recebimento de dinheiro em malas devidamente carregadas para ele por um dos seus asseclas. Ele chegou e levantar a cerca de plantas na residência presidencial, tentando esconder os distintos tipos de bandidos que entram a fazer conluios com ele, às vezes em plena madrugada, de dias de fim se semana. Ninguém jura mais pelo tipo de gente que entra e sai da residência presidencial, com que tipo de recursos entra e sai, com que tipo de intenções.

É um governo que não governa, que apenas sobrevive, ha vários meses, desde que foi ferido moralmente de morte por denuncias de gente da sua própria gangue. Entrementes, da' continuidade na mais antipopular política econômica que o Brasil ja conheceu, que apenas satisfaz os grandes bancos privados, enquanto desmonta o patrimônio publico, impunemente, começando pela Petrobras e agora ameaçando avançar sobre todas as empresas estatais.

Um presidente odiado pelo povo, desprezado pelos seus aliados, ridicularizado pela mídia nacional e estrangeira, agora se dá o direito, como mandatário que assumiu mediante o assalto de larápios ao poder, reunir-se com o mais perigoso presidente que o mundo tem hoje - Donald Trump - para um conluio contra o governo eleito pelo povo venezuelano.

No momento em que o continente vive problemas graves como o assedio do governo norteamericano contra o Mexico, Cuba e a própria Venezuela, no momento em que governos nas mãos dos banqueiros como os do Brasil e da Argentina, entre outros, fazem o pais retroceder no combate à miséria e à inclusão social, no momento em que governos como os do Peru e da Guatemala são duramente questionados na sua legitimidade e na sua capacidade de seguir governando, entre tantos outros problemas, Trump convoca a Temer para falar de ações violentas contra o governo da Venezuela, e Temer, como politico acostumado à subalternidade canina, aceita.

O Brasil não pode aceitar que um presidente ilegítimo se preste a esse papel. O Congresso tem que protestar, reafirmar o poder soberano do pais de decidir seus destinos por sua própria conta, afirmar para a America Latina para o mundo que Temer tampouco representa o Brasil nessa aventura. O Brasil afirmou sua tradição de boas relações com os países do continente, de respeito à soberania de cada pais, de solução pacifica dos conflitos entre os governos da região, não pode agora retroceder a servir de aliado carnal de aventuras imperialistas na America Latina.

Todas as distintas expressões da vontade popular, do Congresso aos meios de comunicação independentes, dos movimentos sociais aos partidos políticos, tem que dizer ao continente e ao mundo que Temer não representa o Brasil, não representa o povo brasileiro, ao reunir-se de forma espúria com Donald Trump com objetivos violentos contra um governo do continente. Que Temer representa apenas o governo mais impopular da nossa historia, o mais corrupto, o mais repudiado, que por isso não pode falar em nome do Brasil, nem do seu povo e das suas organizações populares e democráticas.

Repúdio ao Mr. Fora Temer, la fora, quando chegar aos EUA e aqui dentro. Fora Temer do conluio violento contra a Venezuela, razão a mais para que os brasileiros e todos os que zelam pela democracia e pela paz mundial, gritem: Fora Temer!
(Emir Sader/ 247)

A Era das Trevas



Deltan Dallagnol, o fundamentalista religioso que opera o direito penal curitibano pelo Ministério Público Federal como se fosse doutrinação de outros fanáticos, precisou recorrer a medida judicial liminar pra garantir seu ingresso no serviço público já que ainda não tinha habilitação pra disputa do cargo. No melhor estilo momesco, 'já que está dentro deixa ficar', acabou ficando mesmo.

Sérgio Moro, o principal pop star da toga do palco curitibano, foi reprovado por cinco vezes no exame da Ordem dos Advogados do Brasil, o que o coloca na condição de simples bacharel que o tráfico de influência transformou em juiz, bem como ensejou que hoje seja conhecido pela alcunha de 'Five', deboche evidente contra o preconceito do mauricinho Moro, que só se refere em privado a Lula como 'Nine', em razão do acidente de trabalho que vitimou o ex-presidente.

Agora é a delirante Janaína Pascoal, co autora do pedido estapafúrdio de impeachment de Dilma Rousseff, que foi reprovada na prova de seleção à titularidade da cátedra na USP. Sim. Janaína tirou menos que a nota mínima- Sete- daí ter sido considerada reprovada, ou seja, passou por humilhante e justo impeachment acadêmico, em razão de um único motivo: INCOMPETÊNCIA.

São alguns dos expoentes da 'Era das Convicções', que prescinde do direito e respeito à lei, valendo-se para ver triunfar suas respectivas retóricas reacionárias e farfalhosas da vigarice midiática acumpliciada desse despreparo.

Desgraçadamente, estamos retrocedendo alguns séculos e voltando aos tempos em que a pena não era individualizada e muito menos o ônus da prova ser responsabilidade de quem acusa. Enfim, nossa 'Era das Convicções' nada mais é do que nossa 'Era das Trevas Jurídicas'.