Jorge Paz Amorim

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Sou Jorge Amorim, Combatente contra a viralatice direitista que assola o país há quinhentos anos.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Boletos poderão ser pagos em qualquer banco após o vencimento

Novo sistema deve inibir a a ação de quadrilhas que se especializaram em fraudes bancárias

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) irá mudar a forma de pagamento dos boletos bancários no país. A partir de março, os boletos poderão ser pagos em qualquer banco mesmo após a data de vencimento. O projeto da Febraban fará com que todos os boletos passem a ser registrados em uma única plataforma até o fim do ano. A nova forma de cobrança também mudará a forma como empresas e instituições financeiras organizam os pagamentos. A informação é do jornal Valor Econômico.

O número de boletos emitidos no Brasil chegou a alçancar os 3,7 bilhões em 2015. A quantidade facilitou a ação de quadrilhas que se especializaram em fraudar os documentos. Sem o registro, o banco só toma conhecimento da emissão do boleto quando o documento bate na compensação. No ano passado, o volume de recursos desviados com o golpe chegou a R$ 320 milhões, de acordo com dados preliminares da Febraban.

Com a mudança, a empresa que emitir uma cobrança precisa enviar os dados para o banco, que alimenta a plataforma. No momento do pagamento, os dados do código de barras serão comparados com os registrados no sistema. "Se as informações não estiverem na base, ou o boleto foi fraudado ou não foi registrado", afirmou Walter de Faria, diretor­adjunto de operações da Febraban.

A nova plataforma também possibilita evitar outros problemas comuns envolvendo boletos, como o erro no preenchimento de informações e o pagamento de títulos em duplicidade. As mudanças acontecerão de forma gradual. Em março, entrarão no sistema os boletos com valor acima de R$ 50 mil. Dois meses depois, as faturas a partir de R$ 2 mil começarão a ser registradas. O cronograma vai até dezembro, quando 100% das cobranças devem estar na plataforma. Originalmente, o sistema estava previsto para entrar em operação no início deste ano.
(Diário de Pernambuco)

VÁLIDO EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL


segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Tá pegando!


Segundo o DOL, Um parecer feito pelo Ministério Público Eleitoral e enviado ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no Pará defende a cassação do diploma do prefeito eleito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB). O político já teve o diploma cassado em primeira instância na justiça eleitoral, acusado de abuso de poder econômico e político durante a campanha de 2016.

Isto significa que o cerco está fechando ao prefeito, depois do pedido de cassação do seu registro pelo juizo singular. O referido parecer deve embasar a decisão colegiada e reforçar a decisão do juiz Antônio Cláudio, certamente complicando a vida de Zenaldo.

O caso presente do alcaide belenense é bastante parecido com o de outro tucano que acabou vitimado por cassação decorrente de acusações semelhantes. Trata-se do hoje senador Cássio Cunha Lima, que foi defenestrado do governo  do estado da Paraíba por abuso de poder econômico. 

À época, Cunha distribuiu a rodo cheques como agrado em troca de votos, tudo documentado pela oposição. Resultado: o hoje fanfarrão senador falso moralista teve até que atirar dinheiro pela janela enquanto a polícia subia as escadarias do prédio de onde os criminosos faziam chover notas de reais.

Claro que os correligionários de Zenaldo não chegaram a fazer chover naquele sentido, mas é certo que promoveram, digamos, várias extravagâncias eleitorais transformando repúdio popular em votos pelos motivo$$$ expostos tanto por um juiz quanto pelo MPE. Tá pegando!

Credit Suisse: Brasil recordista em desemprego ampliado

Um estudo comparativo feito pelo banco Credit Suisse revelou que o Brasil está entre os recordistas globais do chamado desemprego ampliado. O termo diz respeito à soma entre os desempregados efetivos, quem faz bico por falta de opção e trabalha menos do que poderia e quem desistiu de procurar trabalho.

O levantamento indica que o Brasil tem a sexta maior taxa de desemprego ampliado entre 31 países desenvolvidos e emergentes que foram avaliados. As informações são do jornal Estado de S. Paulo.

Os dados do terceiro trimestre de 2016, os mais recentes, mostram que a taxa de desemprego ampliada do Brasil bateu em 21,2%, quase o dobro do desemprego oficial, que nesse período alcançou 11,8%. Por esse critério, perto de 23 milhões de brasileiros estariam desempregados ou subutilizados.

Num comparativo com os outros países, a taxa de desemprego ampliado do Brasil está bem acima da média dos países analisados, que é de 16,1%. Também fica acima da taxa de países com renda comparável a do Brasil, como México (18,3%) e Turquia (15,9%). O Brasil está atrás apenas de países profundamente afetados pela crise internacional: Grécia (o recordista, com 31,2% de desemprego ampliado), Espanha (29,75%), Itália (24,6%), Croácia (24,6%) e Chipre (23,8%).

Esta é a primeira vez que um levantamento do gênero inclui o Brasil e isso só foi possível porque agora há dados disponíveis no organismo oficial responsável por acompanhar o mercado de trabalho, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Desde novembro do ano passado, o IBGE oferece informações complementares sobre a subutilização da força de trabalho. Foi com base nessas novas estatísticas que o banco organizou o levantamento.
(Os Amigos do Presidente Lula).

PROVA DO CRIME


Peidão em apuros


Cheio de ódio pra dar, o assaltante Eduardo Cunha prepara-se pra detonar o PSC, partido dirigido pelo pastor peidão e pelo qual o magarefe fardado Jair Bolsonaro pretende incitar a turba direitista com uma campanha à presidência da república.

Segundo o Blog do Miro, há material explosivo no celular de Cunha apreendido recentemente, material com o mesmo material letal que aquele que desnudou a ladroagem do Geddel na CEF.

Resta saber se o tal pastor ficará em cela comum, na companhia de outros detentos, caso se confirmem as revelações de Cunha, ou se ficará em uma solitária. afinal, quem não conseguiu segurar o flato em pleno Jornal nacional, imagina na calada da noite em um presídio após ingerir um 'cerol' seborrento, com alto teor de gordura seguido de um café três efes(fraco, frio e fedorento). Risco certo de rebelião, seguida de execução do poluidor/gatuno. Credo!

domingo, 22 de janeiro de 2017

Serra quer entregar novamente Base de Alcântara aos EUA


Brasil e Estados Unidos retomaram secretamente as negociações de um acordo sobre o uso de uma base militar brasileira no Maranhão para o lançamento de foguetes norte-americanos. Encerradas em 2003, início do governo Lula, as conversas voltaram por iniciativa do ministro das Relações Exteriores, José Serra, interessado em uma relação mais carnal entre os dois países.

O embaixador do Brasil em Washington, Sérgio Amaral, conversou sobre o assunto com o subsecretário de Assuntos Políticos do Departamento de Estado norte-americano, Thomas Shannon, ex-embaixador em Brasília. Uma proposta mantida até aqui em sigilo foi elaborada e apresentada pelo Itamaraty a autoridades dos EUA. Teria sido rejeitada, segundo Carta Capital apurou.

A Base de Alcântara é tida como a mais bem localizada do mundo. Dali foguetes conseguem colocar satélites em órbita mais rapidamente, uma economia de combustível e dinheiro.

No fim do governo neoliberal de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), de quem Sérgio Amaral era porta-voz, houve um acordo entre os dois países. Foi enviado ao Congresso brasileiro, para a necessária aprovação. Logo ao herdar a faixa do tucano em 2003, o petista Lula enterrou o caso.

Um dos ministros a defender o arquivamento naquela época foi o hoje colunista de Carta Capital Roberto Amaral, então na Ciência e Tecnologia. Por seus termos, relembra ele, era um “crime de lesa-pátria”.

Os EUA impunham várias proibições ao Brasil: lançar foguetes próprios da base, firmar cooperação tecnológica espacial com outras nações, apoderar-se de tecnologia norte-americana usada em Alcântara, direcionar para o desenvolvimento de satélites nacionais dinheiro obtido com a base. Além disso, só pessoal norte-americano teria acesso às instalações.

“O acordo contrariava os interesses nacionais e afetava nossa soberania”, afirma Amaral. “Os EUA não queriam nosso programa espacial, isso foi dito por eles à Ucrânia.”

Enterrada a negociação com Washington, a Ucrânia foi a parceiro escolhido em 2003 para um acordo espacial. Herdeira da União Soviética, tinha tecnologia para fornecer. Brasil e Ucrânia desenvolveriam conjuntamente foguetes para lançamentos em Alcântara, com o compromisso de transferência de tecnologia de lá para cá.

Um telegrama escrito em 2009 pelo então embaixador dos EUA em Brasília, Clifford Sobel, e divulgado pelo WikiLeaks, relata uma conversa tida por ele com o então representante ucraniano na cidade e mostra a desaprovação do Tio Sam ao entendimento Ucrânia-Brasil. Os EUA não queriam “que resultasse em transferência de tecnologia de foguetes para o Brasil”.

O entendimento do Brasil com a Ucrânia foi desfeito em 2015, após consolidar-se lá um governo pró-EUA.

Na proposta sigilosa de agora, o Brasil teria oferecido a base em troca de grana e tecnologia. As proibições do acerto de 2002, chamadas “salvaguardas”, seriam flexibilizadas. Teria sido esse o motivo da recusa norte-americana.
(Carta Capital/ ContrapontoPIG)

O velório de Teori e o sorriso de Serra


“Às vezes, quase sempre, em política e judiciário, o criminoso está presente no velório
”. Teori Albino Zavascki

José Serra dando risada e a gangue de Temer reunida em torno do caixão no velório de Teori Zavascki.

Poucas imagens são tão emblemáticas da tragédia brasileira quanto essas.

Serra, citado na Lava Jato como destinatário de 23 milhões de reais que teriam sido pagos por meio de caixa dois em contas no exterior, tenta influenciar a escolha do novo ministro do STF.

Temer aparece mais de 40 vezes em delação da Odebrecht. Os acordos fechados com o MPF atingiriam em cheio a cúpula do PMDB.

Michel está achando que é uma espécie de cobra coral favorecida pelos deuses. Seus cúmplices se acercam do chefe, na expectativa de mais algum acidente pavoroso que os favoreça.

Segundo reportagem da Folha, a presidente do Supremo Carmen Lúcia não quis sair ao lado do presidente nos jornais (e de um sujeito como Eliseu Padilha, o sincero, que afirmou que o “ganhou tempo” com a morte de Teori).

Carmen pediu para ser fotografada apenas ao fim da cerimônia. A OAB defende que ela homologue todas as delações, como forma de honrar a memória do colega.

Recai sobre a turma de Michel uma suspeição. Eles sabem disso.

Independentemente se houve ou não a mão deles, são os grandes beneficiados - e não escondem em declarações e imagens.

Michel, covarde que foge de funerais, confirmou sua presença no de Teori de bate pronto porque sabia que estaria a salvo de qualquer coisa parecida com povo e porque queria passar, sutilmente, seu recado.

Nunca foram companhias desejáveis em quermesses. Em enterros, melhor fugir.

Fez certo Carmen em sair correndo. Infelizmente nós não temos como fazer o mesmo.
(Kiko Nogueira/ DCM)

Kojac tenta 'melar' acordo entre os MPs do Brasil e Suíça



O Ministério da Justiça do Brasil travou a negociação de um acordo de cooperação com a Suíça para acelerar investigações de casos de corrupção na Operação Lava Jato. A proposta da Procuradoria-Geral da República brasileira é criar uma força-tarefa com o Ministério Público do país europeu para depurar milhares de páginas de extratos bancários, levantar identidade de suspeitos e tratar de acordos de delações premiadas ainda não celebrados.

Uma troca de e-mails cujo conteúdo o Estado teve acesso revela exigências feitas pelo governo brasileiro para as autoridades suiças. Para dar prosseguimento à parceria, lançada em março do ano passado, o Executivo do Brasil pediu o nome de suspeitos e a lista de potenciais alvos que poderão vir a ser investigados. A condição causou estranhamento, e o pedido não foi acatado.

A cooperação bilateral foi proposta em março de 2016 pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao MP suíço – em Berna responde pela instituição o procurador-geral Michael Lauber. Em uma reunião na Suíça, ele sugeriu que os dois órgãos reunissem na força-tarefa procuradores, policiais e especialistas. Ao romper um tabu, as autoridades suíças aprovaram a iniciativa e começaram a escolher os integrantes da equipe. Passado quase um ano, porém, o lado brasileiro não conseguiu fazer sua parte nem consolidar a cooperação.

Em novembro, a proposta foi mais uma vez apresentada por Janot em encontro com o presidente Michel Temer, o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, o chanceler José Serra e outras autoridades brasileiras. Naquele momento, todos os presentes à reunião indicaram apoio às ideias do procurador-geral.

Dias depois, contudo, os suíços receberam um primeiro e-mail do Ministério da Justiça no qual o governo brasileiro dizia não ter chegado a um consenso sobre o assunto e, portanto, o projeto estava cancelado. Sem entender o motivo do entrave, autoridades de Berna encaminharam a mensagem à PGR. A instituição brasileira pediu explicações a Moraes, que alegou não ter conhecimento do e-mail e prometeu solucionar o impasse.

Condições. Em uma segunda comunicação com os suíços, semanas depois, o Ministério da Justiça indicou que estava de acordo com a cooperação. No entanto, o governo fez as exigências: as listas de investigados e de potenciais suspeitos.

Os suíços estranharam o pedido, visto como intromissão do Executivo nos processos judiciais. A mensagem foi encaminhada, então, ao MP brasileiro, e os europeus optaram por aguardar. Sem a cooperação do governo Temer, a esperança era de que o assunto fosse tratado em um encontro marcado para sexta-feira passada, em Berna, mas, com a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki, relator da Lava Jato na Corte, Janot optou por cancelar seus compromissos e voltar ao Brasil.
(Os Amigos do Presidente Lula)

O ardil Lava-Jato


Segundo uma coluna da folha tucana, a Lava-Jato tende a deslocar-se de Curitiba para o Rio de Janeiro. Ou seja, sai Sérgio Moro e provavelmente entrará o juiz Marcelo Bretas, responsável pela prisão de Sérgio Cabral.

A impressão é que há uma expectativa de passar o rodo no PMDB carioca colocando atrás das grades outra leva de aliados de Cabral e adjacências, incluindo aí o atual governador.

Pelo jeito, a falta de empresários a malsinada operação agora corre atrás de políticos ora no ostracismo a fim de colocá-los sob condições degradantes esperando que isto os faça falar, já que o alvo parece continuar ser o mesmo.

Assim, com o tucano/togado saindo de cena mais ou menos como saiu Joaquim Barbosa, abre-se uma continuação dessa saga mistificadora em busca do aniquilamento definitivo daquela ameaça, ainda muito presente, de ter a ousadia de por no mesmo orçamento os donos do poder e os sans cullottes que viveram um breve período de vida menos apertada, mas já de volta ao sufoco costumeiro. A conferir.

sábado, 21 de janeiro de 2017

O 'solução caseira'


O paquidérmico e faccioso escrevinhador do PIG Jorge Bastos Moreno diz, hoje, sem qualquer constrangimento, que a patética e provável indicação do ex-advogado do PCC ao STF, pelo assaltante do governo MT, seria uma 'solução caseira'.

Ou seja, o golpismo trata o Supremo Tribunal Federal como uma dependência do seu valhacouto. Independente das mostras recorrente de incompetência do atual ministro da justiça por onde passou, a conveniência oportunista aponta uma possível solução caseira.

Lembra quando o dono da Globo determinou ao subserviente José Sarney nomear o pau mandado do mercado financeiro Maílson da Nóbrega pra ministro da Fazenda e o resultado foi uma inflação de mais de 80% ao mês, em evidente comprovação do fatal fracasso que é quando vassalagem e interesses escusos são colocados no mesmo barco.

Enquanto o sistema prisional do país está em chamas, com mais de uma centena de mortos em uma semana, comprovando a total incompetência do 'solução caseira' pra preencher cargo ora ocupado, querem ungi-lo a ministro da mais alta Corte jurídica do país, apenas para atender interesses golpistas.

Levando-se em conta que a missão do indigitado deverá ser blindar o staff golpista dos efeitos das trocentas delações premiadas feitas por executivos de empreiteiras que encheram-lhe as burras, dando ciência que a maioria dos atuais mandatários do país forma uma perigosa quadrilha de assaltantes, pode-se dizer que o STF descerá mais um degrau na escada de sua falta de credibilidade. No entanto, a impunidade que zela por essa chusma de impostores terá dado de goleada na lei.

Arrocho, desemprego e penúria


Simão Lorota entra para um seletíssimo grupo de governantes incompetentes, que conseguem gerar saldo negativo na empregabilidade com carteira assinada no mês de dezembro.

É sabido que o mês de dezembro, quando o décimo terceiro salário dos trabalhadores aquece o comércio, as vendas crescem, as pessoas vão às compras e há a necessidade da abertura de novas vagas, ainda que temporárias, de emprego, a não ser que os governantes deem mau exemplo retirando dinheiro desse circuito.

Foi exatamente isso: no mês passado, segundo dados fornecidos pelo DIEESE, o Pará teve saldo negativo de dez mil postos de trabalho, ou seja, o número de postos de trabalho fechados foi maior dos que os criados, muito em função dos maiores patrões governo do estado e prefeitura da capital, pagarem mal e fora do período natalino, apenas o décimo terceiro foi pago antes e olhe lá. em valores menores do que deveria ocorrer, em razão do não pagamento integral do piso salarial dos professores, por exemplo, assim como desrespeito à obrigação de pagar como vencimento base o salário mínimo vigente, coisa que a PMB descumpre há um ano.

Até 2010, o Pará reinava absoluto como o estado que mais gerava empregos na região. Hoje, após uma overdose de privataria lorótica, nosso estado perde feio para quase todos os demais, só ganhando de Roraima e Rondônia, estes vítimas de um isolamento geopolítico que os relega ao esquecimento.

Enquanto isso, Simão anda pra lá e pra cá visitando amiúde Brasília, São Paulo, Europa, EUA, mas tudo ao que parece como turista inveterado na medida em que essas viagens não surtem qualquer efeito que nos faça melhorar nossas relações comerciais.

Antigamente, o panfleto tucano/liberal ainda fazia um esforço cínico para inventar delirantes acordos comerciais frutos desses recorrentes tours. Agora, nem a isso mais dão-se ao trabalho. Pra quê? Ninguém acreditaria, é tudo lorota e o resultado sempre foi pior.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Rodrigo Maia fora da reeleição na Câmara




O juiz Eduardo Ribeiro de Oliveira, da 15ª Vara Federal de Brasília, concedeu uma liminar nesta sexta (20) impedindo o deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) de disputar a reeleição para presidente da Câmara.Sob pena de multa pessoal de R$ 200 mil em caso de descumprimento da decisão, o magistrado determinou que Maia “se abstenha de se candidatar para o cargo de Presidente da Câmara dos Deputados na próxima eleição da Mesa Diretora, a ocorrer em 2 de fevereiro de 2017”.

O presidente da Câmara informou que recorrerá da decisão do juiz federal.

“Do nosso ponto de vista, a decisão do juiz está equivocada. É uma decisão que não cabe a um juizado de primeira instância”, ressaltou Rodrigo Maia. “Já estamos recorrendo e confiando na Justiça, esperando a anulação da decisão o mais rápido possível.”
(Blog do Esmael)

Brasil é o paraíso tributário para os super-ricos, diz estudo da ONU

favelamandela
(Favela do Mandela, uma das mais pobres do Rio. Foto: Vladimir Platonov/Agência Brasil)

Os brasileiros super-ricos pagam menos imposto, na proporção da sua renda, do que um cidadão típico de classe média alta, sobretudo assalariado, o que viola o princípio da progressividade tributária, segundo o qual o nível de tributação deve crescer com a renda.

Essa é uma das conclusões de artigo publicado em dezembro pelo Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), vinculado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O estudo, que analisou dados de Imposto de Renda referentes ao período de 2007 a 2013, mostrou que os brasileiros “super-ricos” do topo da pirâmide social somam aproximadamente 71 mil pessoas (0,05% da população adulta), que ganharam, em média, 4,1 milhões de reais em 2013.

De acordo com o levantamento, esses brasileiros pagam menos imposto, na proporção de sua renda, que um cidadão de classe média alta. Isso porque cerca de dois terços da renda dos super-ricos está isenta de qualquer incidência tributária, proporção superior a qualquer outra faixa de rendimento.

“O resultado é que a alíquota efetiva média paga pelos super-ricos chega a apenas 7%, enquanto a média nos estratos intermediários dos declarantes do imposto de renda chega a 12%”, disseram os autores do artigo, Sérgio Gobetti e Rodrigo Orair, que também são pesquisadores do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).

Essa distorção deve-se, principalmente, a uma peculiaridade da legislação brasileira: a isenção de lucros e dividendos distribuídos pelas empresas a seus sócios e acionistas. Dos 71 mil brasileiros super-ricos, cerca de 50 mil receberam dividendos em 2013 e não pagaram qualquer imposto por eles.

Além disso, esses super-ricos beneficiam-se da baixa tributação sobre ganhos financeiros, que no Brasil varia entre 15% e 20%, enquanto os salários dos trabalhadores estão sujeitos a um imposto progressivo, cuja alíquota máxima de 27,5% atinge níveis muito moderados de renda (acima de 4,7 mil reais, em 2015).

“Os dados revelam que o Brasil é um país de extrema desigualdade e também um paraíso tributário para os super-ricos, combinando baixo nível de tributação sobre aplicações financeiras, uma das mais elevadas taxas de juros do mundo e uma prática pouco comum de isentar a distribuição de dividendos de imposto de renda na pessoa física”, disseram os pesquisadores.

A justificativa para tal isenção é evitar que o lucro, já tributado na empresa, seja novamente taxado quando se converte em renda pessoal. No entanto, essa não é uma prática frequente em outros países do mundo.

“Entre os 34 países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), que reúne economias desenvolvidas e algumas em desenvolvimento, apenas três isentavam os dividendos até 2010”, disseram os pesquisadores, citando México, Eslováquia e Estônia.

Contudo, o México retomou a taxação em 2014 e a Eslováquia instituiu em 2011 uma contribuição social para financiar a saúde. Restou somente a Estônia, pequeno país que adotou uma das reformas pró-mercado mais radicais do mundo após o fim do domínio soviético nos anos 1990 e que, como o Brasil, dá isenção tributária à principal fonte de renda dos mais ricos.

Em média, a tributação total do lucro (somando pessoa jurídica e pessoa física) chega a 48% nos países da OCDE (sendo 64% na França, 48% na Alemanha e 57% nos Estados Unidos). No Brasil, com as isenções de dividendos e outros benefícios tributários, essa taxa cai abaixo de 30%.

Além disso, o estudo concluiu que o Brasil possui uma elevada carga tributária para os padrões das economias em desenvolvimento, por volta de 34% do Produto Interno Bruto (PIB), equivalente à média dos países da OCDE.

Mas, diferentemente desses países —nos quais a parcela da tributação que recai sobre bens e serviços é residual, cerca de um terço do total, e há maior peso da tributação sobre renda e patrimônio— cerca de metade da carga brasileira provém de tributos sobre bens e serviços, o que, proporcionalmente, oneram mais a renda dos mais pobres.

“Enquanto o avanço conservador está sendo parcialmente revertido na maioria dos países da OCDE, que estão aumentando a taxação sobre os mais ricos, inclusive os dividendos (…); no Brasil, nenhuma reforma de fôlego com o objetivo de ampliar a progressividade do sistema tributário foi realizada nos últimos 30 anos de democracia, dos quais 12 anos sob o governo de centro-esquerda do Partido dos Trabalhadores (PT)”, disseram os pesquisadores, acrescentando que a agenda da progressividade tributária é um dos grandes desafios do país na atualidade.
(Site da ONU/ Socialista Morena)

Brasil perde 1,3 milhão de vagas de emprego formal em 2016, diz Caged


O país perdeu 462.366 vagas de emprego formal em dezembro de 2016, uma variação negativa de 1,19% em relação ao mês de novembro do mesmo ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados hoje (20) pelo Ministério do Trabalho. No acumulado de 2016, foram eliminados 1.321.994 postos de trabalho no Brasil, diminuindo o estoque de vagas formais em 3,33%.

Foram registradas 869.439 admissões e 1.331.805 desligamentos no período. O resultado mantém a tendência de mais demissões que contratações no mercado de trabalho brasileiro. A queda no estoque de emprego nas cinco regiões foi 22,4% menor que a observada no mesmo período de 2015.

A série histórica do Caged mostra que entre 2002 e 2016 ocorreram resultados negativos no estoque de vagas formais apenas em 2015 e 2016. A maior geração de empregos no período foi em 2010, quando 2.223.597 postos de trabalho foram criados. Os anos seguintes apresentaram resultados positivos, mas decrescentes.

De acordo com os dados, os oito setores de atividade econômica avaliados sofreram queda no nível de emprego. O setor de Serviços teve a maior redução do estoque de vagas em termos absolutos, com 157,6 mil postos a menos. O setor Indústria de Transformação perdeu 130,6 mil vagas. A maior queda percentual foi na Construção Civil, com 82,5 mil postos de trabalho fechados, o que representa um encolhimento de 3,47% do setor. O segundo maior recuo foi na Agricultura, com 48,2 mil vagas a menos.

Salários

O Caged informou também que o salário médio de admissão em 2016 caiu 1,09% em relação ao mesmo período do ano anterior, passando de R$ 1.389,19, em 2015, para R$ 1.374,12, em 2016.

O relatório aponta que os salários dos homens caiu mais que o de mulheres no período. O salário deles caiu em média 2,43% em 2016, enquanto o delas caiu 0,99%. Com a redução dos salários masculinos, a média de salarial das mulheres passou a representar 89,24% do que eles recebem.
(Agência Brasil)

Mais de 30 profissionais são demitidos em unificação das redações do Extra e O Globo


Jornal GGN - Nesta quinta-feira (19), o Grupo Globo realizou uma demissão em massa que afetou profissionais do jornais O Globo e Extra. Agora, as redações dos dois veículos serão unificadas. De acordo com o Comunique-se, mais de 30 profissionais foram demitidos.

Carta assinada por Ascânio Seleme, diretor de redação do O Globo, e Octavio Guedes, diretor de redação do Extra, explica os motivos para os cortes, falando nos "enormes desafios que empresas da mídia impressa têm enfrentado". Também fala da necessidade de aumentar a eficiência com um "time adequado para produzir conteúdos que efetivamente aumentem nossa carteira de assinantes digital".

Mais de 30 funcionários deixaram a Infoglobo nesta quinta-feira, 19. A empresa responsável pelos jornais O Globo e Extra reduziu as equipes das editorias de bairros, cultura, economia, esportes e saúde, entre outras. Demais setores, como diagramação e secretaria, também foram afetados com as demissões realizadas ao longo da manhã.

Diretor de redação de O Globo, Ascânio Seleme informa à reportagem do Portal Comunique-se que a movimentação de hoje não tem nada a ver com “crise econômica” ou “necessidade de redução de custos”. Ele revela que as demissões de agora fazem parte do processo de unificar as redações de O Globo e Extra. A integração de trabalho entre as duas publicações começará a valer a partir de 1º de fevereiro.

Com a unificação das redações dos jornais, Seleme conta que a estratégia visa trazer novos profissionais para a casa. Ele confirma, porém, que mesmo com as contratações a serem feitas, a estrutura da empresa ficará com menos 32 pessoas daqui para frente (considerando o número de funcionários antes dos cortes promovidos hoje).

“Percebemos, em meio ao trabalho de unificação das redações, que tínhamos alguns quadros ‘dobrados’ e áreas comuns nos dois jornais e fizemos ajustes”, diz o diretor de O Globo, que destaca: com a integração, as equipes de jornalismo dos dois diários deixarão a Rua Irineu Marinho e vão se mudar para um “prédio novo”, que fica na Rua Marquês de Pombal (no mesmo espaço mantido pela Infoglobo no bairro carioca de Cidade Nova).


A mudança não será apenas física. Com a redação integrada, o conteúdo produzido por Extra e O Globo terá cada vez mais um olhar para além do meio impresso. É o que promete o próprio Seleme. “Estamos preparando um novo jornal com foco total no digital, principalmente para dispositivos móveis”, afirma o executivo.

Profissionais demitidos

Na parte responsável pelo noticiário voltado aos bairros da capital fluminense, uma dispensa foi levantada pela reportagem do Portal Comunique-se. Trata-se do editor-assistente Natanael Damasceno, que cuidava do suplemento semanal ‘Zona Sul’. Profissional que construiu carreira na casa, ele estava na publicação desde 2000, quando ingressou como estagiário.

Da equipe de cultura, que cuida do ‘Segundo Caderno’, dois jornalistas foram dispensados: o editor-assistente Eduardo Fradkin e a repórter Natalia Castro. Assim como Damasceno, Fradkin estava há mais de uma década na lista de funcionários de O Globo.

Em economia, mais uma dupla deixa a publicação. Com a decisão da direção da empresa de mídia em reduzir o quadro de colaboradores, a repórter Andrea Freitas (no jornal desde 2010) pediu o seu desligamento. Enquanto isso, Juliana Garçon (contratada desde 2013), também integrante da equipe de reportagens econômicas, foi dispensada.

O caderno de esportes do diário sofreu um corte. Quem deixa a editoria é o repórter Marcelo Alves, outro jornalista que pertencia ao time que estava há mais de 10 anos no jornal. Contratado por O Globo desde maio de 2006, ele passou pelas editorias de ‘País’ e ‘Rio’ – até chegar a crônica esportiva em 2010, seção em que cuida do blog ‘Planeta que Rola‘.

Na editoria de saúde, quem deixa o jornal é Jaqueline Falcão (contratada desde 2009), da sucursal em São Paulo. Editor da home page de oglobo.com, Leonardo Pimentel estava na empresa de comunicação desde 2010. Por meio de sua página no Facebook, ele informou que está disponível a novas propostas de emprego. “Povo, escapei de um monte de passaralhos, mas desta vez ele me alcançou, e estou nas estatísticas de desemprego. É ruim? Com certeza. Mas, como disse uma amiga que já me ligou hoje, grave é doença”, escreveu.

Demissões no Extra
Outra publicação mantida pela Infoglobo, o Extra também foi impactado pela onde de cortes desta quinta-feira, 19. De acordo com informações levantadas pela reportagem do Portal Comunique-se deixaram o jornal carioca três profissionais da redação: Clarissa Monteagudo, Fabiana Silva e Samantha Vicentini.
(Comunique-se/ GGN)

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Citado 43 vezes, Temer vai indicar novo relator da Lava Jato




Com a morte do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), nesta quinta-feira (19), a Constituição Federal determina que o presidente Michel Temer estará encarregado de nomear o novo magistrado no prazo de 30 dias. Como o novo ministro herda os processos, como é o caso da Lava Jato, que envolve nomes de políticos com foro privilegiado, Temer poderá ditar os rumos das investigações na Corte Suprema. O PMDB, partido de Temer, é um dos mais atingidos pelas investigações do esquema de corrupção entre políticos e empreiteiras na Petrobras.


Contudo, diante da situação de exceção, a pressão de outros ministros dentro do Supremo pode fazer com que a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, proponha a Michel Temer um acordo para que ela mesma faça a indicação, em prazo menor do que manda a Constituição, de um ministro que já integre a Corte Suprema para relatar os processos da Lava Jato. Caberia, ainda, a Cármen Lúcia, dentro do solução interna, delegar à Turma a qual pertencia o ministro Teori Zavascki um sorteio para a escolha do novo relator. Teori pertencia à Segunda Turma do STF, cujos integrantes são os ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli. Na Primeira Turma estão Luís Roberto Barroso, Marco Aurélio, Luiz Fux, Rosa Weber e Edson Fachin. A presidente da Corte, Cármen Lúcia, não integra as turmas.
{Os Amigos do Presidente Lula}

Acidentes


Durante o governo Sarney, o pernambucano Marcos Freire, tido como do PMDB autêntico, aquele grupo mais à esquerda liderado pelo deputado Ulysses Guimarães, foi nomeado ministro da Reforma Agrária contando com a contrariedade da bancada ruralista, à época mais numerosa e influente que algumas congêneres de hoje em dia, como a da Biblia e da Bala, pois era o auge da UDR, um dos maiores segmentos da direita brasileira.

 Freire morreu em acidente aéreo e foi substituído por Jader Barbalho, infinitamente mais palatável que Freire, até mesmo porque era do ramo, isto é, fazendeiro.

Alguns anos depois, Ulysses Guimarães continuava sendo o mais autêntico pemedebista dos tempos da resistência parlamentar contra o regime empresarial/militar. Morreu em acidente aéreo e seu corpo nunca foi encontrado. Estava na companhia de Severo Gomes, outro autêntico cujo nacionalismo contrariou muitos interesses entreguistas a quando de sua passagem pelo Ministério da Ciência e Tecnologia. Seu corpo também nunca foi achado e depois dessa tragédia o PMDB virou esse amontoado de coronéis de barranco que tomaram de assalto o poder e inescrupulosamente destroem aquilo que foi construído nos últimos treze anos.

Em 2014, Eduardo Campos era candidato à presidência da República pelo PSB. Com um discurso mais próximo do de Lula, mantinha-se firme na briga pelo segundo lugar ameaçando a posição cativa de segundo colocado do partido da privataria. Campos morreu em acidente aéreo até hoje investigado de forma precária a ponto de até o nome do dono da aeronave ser ocultado pelos investigadores. Depois, Campos foi substituído por Marina Silva que, sob orientação conservadora do Banco Itaú e da Natura, virou linha auxiliar do tucanato.

Agora, no momento em que a Lava Jato sai do controle do suspeito, faccioso e negligente juiz de 1ª Instância Sérgio Moro para o STF, eis que o respeitável relator da Suprema Corte Teori Zavascki é vítima de acidente semelhante aos que mataram os acima citados.

Assim, desde quando Tancredo Neves ficou sem comunicação com seu médico por mais de 24hs, mesmo com este sabendo da gravidade da situação do presidente recém eleito, vindo a falecer em seguida quando o atendimento parecia não ser mais eficaz, nos momentos mais difíceis da nossa história a tragédia tem se repetido amiúde e determinado um curso contrário ao que parecia seguir, no rumo que contrariava a direita.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

EM CARTA, DEPUTADOS AMERICANOS DENUNCIAM “PERSEGUIÇÃO” A LULA

Endereçada ao embaixador do Brasil em Washington, Sérgio Amaral, a carta assinada por um grupo de 12 deputados do Partido Democrata acusa o juiz Sérgio Moro, da Lava Jato, de perseguir o ex-presidente Lula com decisões "arbitrárias"; "Estamos especialmente preocupados com a perseguição ao ex-presidente Lula da Silva, que viola as normas de tratados internacionais que garantem o direito da defesa para todos os indivíduos", escrevem os parlamentares; "Exortamos as autoridades federais do Brasil a fazer todo o possível para proteger os direitos dos manifestantes, líderes de movimentos sociais e líderes da oposição, como o ex-presidente Lula", continuam, fazendo a inda críticas ao governo Temer

247 – O ex-presidente Lula recebeu mais uma demonstração de apoio internacional contra a situação que vive no Brasil. Réu em cinco processos em três operações diferentes, o petista afirma ser alvo de perseguição política para que não possa concorrer à presidência da República na eleição de 2018.

Um grupo de 12 deputados do Partido Democrata dos Estados Unidos concorda com essa tese. Em uma carta endereçada ao embaixador do Brasil em Washington, Sérgio Amaral, os parlamentares acusam o juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, de perseguir Lula com decisões "arbitrárias".

"Estamos especialmente preocupados com a perseguição ao ex-presidente Lula da Silva, que viola as normas de tratados internacionais que garantem o direito da defesa para todos os indivíduos", escrevem os congressistas, de acordo com a Folha de S.Paulo, que teve acesso ao documento.

"Nos últimos meses, ele tem sido alvo de uma campanha de calúnias e acusações não comprovadas de corrupção pelos grandes veículos privados de mídia alinhados com as elites do país", denunciam, lembrando que "Lula se mantém como uma das figuras políticas mais populares no Brasil de hoje e é visto como uma série ameaça nas urnas por seus oponentes políticos".

"Lula tem sido alvo de um juiz, Sergio Moro, cujas ações parciais e arbitrárias tem ameaçado seu direito de defesa. Por exemplo, o juiz ordenou a prisão arbitrária [a condução coercitiva, em março de 2016] do ex-presidente só para servir de intimação, embora não houvesse nenhuma indicação de que o ex-presidente não quisesse depor na Justiça", continua o texto.

"Exortamos as autoridades federais do Brasil a fazer todo o possível para proteger os direitos dos manifestantes, líderes de movimentos sociais e líderes da oposição, como o ex-presidente Lula", prosseguem os deputados.

Para eles, Temer tem agido "para proteger figuras políticas corruptas, para impor uma série de políticas que nunca seriam apoiadas em uma eleição nacional e pressionar adversários nos movimentos sociais e nos partidos de oposição". Os deputados também fazem críticas à PEC do teto dos gastos e ao impeachment de Dilma Rousseff.

Mentiras sobre Lula tiveram início há mais de 30 anos; veja as principais

A sede da Esalq/USP; boatos dão conta de que filho de Lula é o verdadeiro dono da sede da instituição

De propriedades inventadas a tráfico de influência que nunca aconteceu, as calúnias que já foram ditas contra o ex-presidente

Não é de hoje que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua família são vítimas de mentiras e boatos infundados. Não raramente, tais mentiras são repetidas e fomentadas por setores da imprensa, partidos políticos e até funcionários públicos, como promotores e delegados.

Sempre buscando atingir a imagem do ex-presidente, as mentiras costumavam ganhar mais força em períodos eleitorais, sempre com o objetivo de prejudicar o desempenho de Lula nas urnas. Via de regra, a estratégia resulta em fracasso, mas já houve casos em que o golpe baixo atingiu seus objetivos.

De envolvimento com sequestros a propriedade inventada de grandes imóveis, no Brasil ou no exterior. De tráfico de influência a estratagemas para obter favorecimentos jurídicos. Leia, abaixo, a lista de mentiras já inventadas contra Lula, todas devidamente desmentidas com provas ao longo dos tempos.





- "Lula é dono de mansão no Morumbi"

Remonta ao início dos anos 1980 a primeira boataria de grandes proporções de que foi vítima o ex-presidente Lula. À época, ele recém fundara o PT, então um partido de proporções bem mais modestas do que hoje, com poucos mandatos eletivos conquistados.

Era o tempo em que pessoal que panfletava nas portas de fábricas em favor do PT ouvia rumores de que Lula tinha uma enorme mansão no Morumbi, e eram todos do partido uns tolos por acreditar no ex-sindicalista e no partido que fundara.

A boataria só teve fim anos depois, quando a realidade se impôs. Lula jamais deixou de morar em São Bernardo do Campo, desde que para lá se mudou, há cerca de 30 anos. Órgãos de fiscalização e controle, como Receita Federal e Ministério Público, jamais sequer aventaram a hipótese de Lula ser dono de uma mansão no Morumbi.






- A falsa ligação entre Lula e o PT com sequestradores de Abílio Diniz

O empresário Abilio Diniz, ex-proprietário do Grupo Pão de Açúcar - foi sequestrado na capital paulista, em 11 de dezembro de 1989, entre o primeiro e o segundo turnos das eleições presidenciais de 1989, que estavam sendo disputadas em sua reta final por Lula e Fernando Collor de Mello.

Diniz foi libertado após ficar seis dias em cativeiro. O grupo de sequestradores era formado por quatro chilenos, três argentinos, dois canadenses e um brasileiro, ligados ao Movimento da Esquerda Revolucionária (MIR), que exigia resgate de US$ 30 milhões para libertar o empresário.

Após o estouro do cativeiro, a polícia paulista apresentou camisetas do PT e material de campanha de Lula, que teoricamente teriam sido encontrados em imóveis alugados pelo grupo de criminosos. O material acabou relacionando o Partido dos Trabalhadores à ação do MIR. Fernando Collor, então, fez farto uso do material em sua campanha.

A libertação do empresário aconteceu na véspera do segundo turno da eleição, quando Lula perdeu para Collor. A vinculação dos sequestradores ao PT foi avaliada como uma das causas da derrota do petista. A polícia só encerrou as investigações e colocou fim aos boatos meses depois das eleições, quando Collor já ocupava a Presidência da República.

O jornalista e escritor Mário Sérgio Conti esclareceu os fatos em seu livro "Notícias do Planalto", publicado anos depois das eleições de 1989. "As investigações posteriores provaram que nenhum militante do PT estivera envolvido no sequestro de Abílio Diniz. Os sequestradores disseram em juízo que policiais civis os torturaram e, antes de os apresentarem à imprensa, os forçaram a vestir camisetas do PT."

A Polícia Civil estava sob o comando do secretário da Segurança, Luiz Antônio Fleury Filho. A vítima, Abílio Diniz, protestou contra a tortura de seus algozes. Quase um ano depois, em outubro de 1990, o governador de São Paulo, Orestes Quércia, superior imediato de Fleury, disse numa entrevista ao Estado de S. Paulo que durante o sequestro 'houve pressões no sentido de que se conduzissem as investigações para envolver o PT'". Já o jornal "O Globo", após as eleições, deu a manchete: "Sequestro de Abílio não foi político".




- As mentiras da campanha de Collor sobre a filha Lurian

Poucos dias antes do segundo turno das eleições presidenciais de 1989, Miriam Cordeiro, ex-namorada do então candidato do PT à Presidência, Lula, apareceu no programa eleitoral de seu adversário, Fernando Collor, para acusar o pai de sua filha Lurian de supostos defeitos morais. Ela o acusara de ser “racista”, “abortista” e de desprezar a filha que tinham tido.

Lula obteve direito de resposta concedido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e, a pedido da própria filha, levou-a para frente das câmeras, onde desmentiu tudo que foi dito. Mas o estrago já havia sido e esta mentira foi mais um episódio a contribuir para derrota de Lula nas urnas em 1989.

Foi só anos mais tarde que a verdade veio à tona. A própria Miriam Cordeiro revelou que fora paga por Collor para caluniar o pai de sua filha naquele programa eleitoral. Sob o título "A vida confortável de Miriam Cordeiro", reportagem publicada no Jornal do Brasil não deixava margem para dúvidas, tampouco as revelações de Miriam, que afirmou, referindo-se a contas da vida particular: "Eles (equipe de campanha de Collor) pagavam tudo".




- Filho de Lula é dono da Friboi e da sede de uma faculdade pública

Um boato que se espalhou pela internet e redes sociais é o de que "o filho de Lula é dono da Friboi". A Friboi é uma das maiores - se não a maior - indústria de proteína animal do mundo. Todas as mudanças em seu quadro acionário são acompanhadas de perto pelo mercado financeiro e pela imprensa econômica. Fosse algum filho de Lula um dos donos da Friboi, não haveria como tal fato não ser de conhecimento nacional, nem deixar de ganhar as páginas dos principais jornais do país.

Mas os fatos não são suficientes para barrar os boatos, que pululam nas redes sociais, sobre a propriedade do filho do Lula sobre a Friboi e muitos outros patrimônios, incluindo aviões, fazendas e até o campus de uma universidade pública.

A própria Friboi já teve que vir a público se manifestar contra a mentira. Já a família de Lula fez até B.O. na polícia na tentativa de conter os mentirosos. Chegaram a ser identificadas pelo menos seis pessoas dentre as que espalham mentiras sobre o patrimônio do filho do Lula.

Eles foram chamados a depor, e cinco compareceram. Intimados, justificaram suas atitudes dizendo acreditar que os comentários sobre a compra de fazendas e aviões fossem verdadeiros. Desculparam-se alegando que não teriam “pensado na hora de fazer as postagens”. Apenas um dos intimados, Daniel Graziano, filho do dirigente do PSDB Xico Graziano, ex-chefe de gabinete e ex-secretário particular de Fernando Henrique Cardoso. não compareceu. À época, ele era gerente administrativo e financeiro do Instituto FHC.

Ainda sobre "o filho do Lula", um dos últimos boatos apresentou como casa central de uma “fazenda do filho do Lula," em Araçatuba (SP), a majestosa sede da Escola Superior de Agricultura Luís de Queirós (Esalq - USP), que pode ser vista na imagem acima.



- "Lula recebeu por palestras que jamais proferiu"

Após deixar a Presidência da República, em 2010, Lula era reconhecido mundialmente como um estadista que acabara de realizar a maior transformação social que o país já vivera. Passou a cobrar para dar palestras o mesmo valor que cobrava o ex-presidente Bill Clinton, e empresas como a InfoGlobo, que edita os jornais O Globo e Extra, não hesitaram em pagar, conforme já publicou a própria empresa, em reportagem nO Globo: "Além de divulgar o evento em seus jornais, a Infoglobo arcou com os custos dos palestrantes, inclusive do ex- presidente Lula".

Procuradores do Ministério Público Federal no Distrito Federal, no entanto, afirmaram em mais de uma oportunidade que tinham desconfiança de que Lula não havia proferido as palestras que proferiu a empresas ao redor do mundo. Especificamente, afirmavam que Lula não havia proferido duas palestras na Angola, nos anos de 2011 e 2014.

Foi preciso que o Instituto Lula divulgasse a lista completa de palestras, bem como vídeos de algumas delas, proferidas em países tão díspares quanto Inglaterra e Angola, para acabar com a boataria que teve origem no núcleo duro do Ministério Público Federal no Distrito Federal. Clique aqui para assistir à palestra proferida por Lula na Angola em 2011, e aqui para acompanhar a palestra de 2014 do ex-presidente no país africano.




- "Lula é dono de uma mansão no Uruguai"

No ano passado, a revista Isto É, que recentemente viu multiplicar as verbas de publicidade advindas da Presidência da República , publicou reportagem em que afirmava ser Lula proprietário de uma mansão no Uruguai, na praia de Punta del Este.

Sem apresentar qualquer documento que comprovasse a exótica tese, o semanário se baseava em boatos ouvidos de guias turísticos. Em que pese a falta de provas, a negativa do ex-presidente e o fato de Lula jamais ter pisado em Pubta desde que deixou a Presidência, em 2010, a revista não deixou de publicar matéria de capa sobre o assunto. O jornalista da TV Globo Alexandre Garcia, então, deixou-se enganar pelo boato, e passou também a espalha-lo.

Semanas depois, visivelmente constrangido, Garcia publicou um desmentido de si mesmo. O áudio gravado pelo jornalista pode ser ouvido aqui. Já a revista Isto É ainda não se manifestou publicamente sobre o assunto.




- "Lula pediu favores a Gilmar Mendes"; o próprio ministro desmente anos depois

Em junho de 2012, a revista Veja acusou Lula de ter pressionado o ministro do STF Gilmar Mendes para adiar o julgamento do mensalão. Nelson Jobim, ex-deputado, ex-ministro do Supremo e ex-ministro da Justiça e da Defesa, que acompanhou o encontro, e Lula sempre negaram essa versão. Gilmar Mendes deixou a imprensa fazer barulho sobre o assunto, mas quando o Ministério Público quis ouvi-lo sobre o caso, não foi depor.

Anos depois, ao explicar o motivo de ter pego uma carona com o presidente em exercício, Michel Temer, até Portugal, onde o jurista queria passar férias, Mendes acabou provando o que Lula e Nelson Jobim diziam.

Em entrevista ao jornal O Globo, tratando do assunto, ele deixou claro que Lula nunca lhe pediu nada. "Jantei inúmeras vezes com Lula no Palácio da Alvorada, e as nossas mulheres sempre mantiveram um relacionamento de amizade. Mas nunca acenei com facilidades, e Lula nunca me pediu nada"

- As mentiras da vez: tríplex do Guarujá e sitio de Atibaia


Atualmente, a mentira que se conta é a de que Lula seria dono de um apartamento no Guarujá e de um sítio em Atibaia, no litoral e no interior de São Paulo, respectivamente. Líder nas pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais de 2018, o ex-presidente sabe que o boato não será desmentido de livre e espontânea vontade tão cedo.

Os advogados de Lula não se cansam de provar na Justiça que essas não passam de mais mentiras a serem somadas à extensa lista de que Lula é vítima. Em Atibaia, Lula frequentava o sítio de amigos de décadas da família, mas o sítio não é dele, mas sim de donos reconhecidos que comprovaram a origem dos recursos para compra. E Lula ou sua família jamais foram donos, tiveram a chave ou usaram o apartamento do Guarujá. Lula esteve lá uma única vez, e sua esposa duas vezes, para avaliar se comprariam ou não o apartamento. Mais uma vez, como em todas as outras, o tempo se encarregará de trazer a verdade à tona.
{LULA.COM.BR}

Estudo revela que Lula e Dilma triplicaram investimento social


Segundo a Secretaria do Tesouro Nacional, as transferências sociais diretas da União passaram de R$ 112,2 bilhões para R$ 343,3 bilhões


A redução expressiva da pobreza da população brasileira depois do aumento dos investimentos sociais promovidos pelos governos dos presidentes Lula e Dilma (2003-2016) ficou mais uma vez evidenciada, de acordo com o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), por um estudo oficial feito por um órgão público.

A Secretaria do Tesouro Nacional divulgou, nos últimos dias, ampla pesquisa sobre gasto social, aquele destinado a atender às pessoas em situação de vulnerabilidade econômica e que proporcionam oportunidades de promoção social.

O estudo mostra que as transferências sociais diretas da União triplicaram entre 2002 e 2014, passando de R$ 112,2 bilhões para R$ 343,3 bilhões, ao passo que a proporção da população classificada como pobre reduziu cerca de 10 pontos percentuais.

A evolução dos investimentos públicos federais nos últimos anos, segundo Humberto, teve consequência direta na mudança de vida dos cidadãos de todas as regiões do país. O parlamentar ressalta que o Coeficiente de Gini, que mede a concentração de renda familiar per capita, também diminuiu significativamente no período de gestão petista: de 0,5942 em 2002 para 0,5227 em 2014.

“O estudo concluiu que os gastos com transferências sociais diretas foram responsáveis por uma parcela de 47% da redução da desigualdade de renda e 32% da melhoria da proporção da pobreza, resultando na saída de 6,8 milhões de pessoas da pobreza. Era algo inimaginável no Brasil, sempre tão desigual”, afirmou.

A Secretaria do Tesouro Nacional analisou o gasto social brasileiro a partir de 2002 em sete categorias: assistência social; educação e cultura; organização agrária; previdência social; saneamento básico e habitação; saúde; e trabalho e emprego. A construção dessa série de tempo criou uma impressionante base bruta de dados com quase 430 mil registros contábeis.

Diante da análise, o senador destaca que, em linhas gerais, observa-se crescimento expressivo do gasto social direto ao longo do tempo, com aumento próximo a 3 pontos percentuais do PIB quando se comparam os patamares de 2002 e de 2015. Os investimentos em educação e cultura e em assistência social, além da ampliação de dispêndios com previdência social, chamaram a atenção da STN.

“A pesquisa apenas reforça o que sempre afirmamos: programas como o Pronatec, o Fies e o Bolsa Família tornaram melhor a vida dos brasileiros, principalmente os mais desfavorecidos economicamente. É isso que sempre buscamos e, agora, cobramos desse governo elitista e golpista de Temer", disparou.
{LULA.COM.BR}

6º Congresso Nacional do PT é lançado em SP


Nesta quinta-feira (19) acontecerá o lançamento do6º Congresso Nacional do PT, que será no primeiro semestre de 2017. O evento vai ocorrer no Hotel Jaraguá, no centro de São Paulo (SP), às 19h, e está aberto ao público até a lotação máxima do ambiente.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participará do encontro. Também estão convidadas as lideranças que compõem a Frente Brasil Popular, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT), entre várias outras.

No mesmo dia haverá a reunião da Executiva Nacional do PT, na sede nacional do partido. Na sexta (20), oDiretório Nacional do PT se reunirá também no Hotel Jaraguá.

O lançamento do 6º Congresso Nacional do PT será transmitido ao vivo pelo site e Facebook do partido. O Hotel Jaraguá fica na rua Martins Fontes, 71, no centro da capital paulista.
{Agência PT de Notícias}

Dilma vai dar palestras denunciando o golpe na Espanha, Itália e França


A presidente Dilma viajará a Sevilha (Espanha), Lecce (Itália) e Paris (França) entre os dias 21 de janeiro e 5 de fevereiro. No Diário Oficial (DOU) desta quarta-feira, dia 18, foi autorizado o afastamento de assessores e seguranças para acompanhar a presidente na Europa.

Em Sevilha, está prevista a presença de Dilma no seminário "Capitalismo Neoliberal, Democracia Sobrante", organizado por universidades da Espanha e Portugal. De acordo com a programação do evento, Dilma fará a palestra inaugural com o tema "O ataque à democracia no Brasil e na América Latina".
{Os Amigos do Presidente Lula}

Cuspindo no prato que comem


Diante da desimportância do Brasil no Forum Econômico Mundial de Davos, a mídia comparsa do golpismo escolheu um modo gaiato de desqualificar o forum pra preservar a imagem, pelo menos internamente, lembrou que Marcelo Odebrecht foi indicado foi indicado como um dos 'Jovens Líderes Globais' da edição desse evento no ano passado.

Aproveitam-se de Marcelo estar atualmente preso, por determinação do juiz Sérgio Moro, pra desqualificar um evento considerado um dos mais importantes do mundo dos negócios em todo o planeta pra encobrir o desprestígio dos assaltantes do poder constituinte no Brasil.

É a 'não-notícia' sobrepondo-se a fatos, conforme o procedimento recorrente do jornalixo tupiniquim a fim de confundir a opinião pública, bem como blindar seus comparsas, ainda que esses estejam conduzindo o país de forma espúria, tal e qual a sua investidura.

Canalhice pura com tendências a virar tiro no pé. Afinal, essa lembrança só aumenta a relevância de tudo aquilo que Marcelo revelar em sua delação premiada diante da justiça. Gostem ou não os operadores das gangues midiáticas, a empresa Odebrecht foi uma das mais importantes empresas do ramo no mundo, daí ter sido achacada por esses rapaces que agora querem desqualificá-lo.

Enfim, essa lembrança não reduz um milímetro a importância daquilo que vier à tona, mas, ao contrário, aumentará seu impacto na medida em que teremos a oportunidade de constatar a que níveis chegava a frenética busca da direita brasileira pelo socorro à influência do poder econômico nos processos de escolha de nossos detentores de mandatos eletivos. Simples assim.

Após sorvetes e Nutella, pães de Temer aparecem superfaturados em edital


Mesmo vazia, Vice-Presidência terá gasto de R$ 1,9 milhão em três meses

Menos de um mês depois do polêmico episódio em que o governo de Michel Temer anunciou licitação com gasto previsto de R$ 1,75 milhão para compra de alimentos com preço acima do valor de mercado para o avião presidencial, o Diário Oficial publica, agora, orçamento para a compra de pães, para os próximos 12 meses, com preços bem acima dos praticados.

A previsão do Palácio do Planalto é gastar R$ 104 mil da presidência em pães variados, sendo R$ 51,6 mil em pães de forma. Cada pacote de 500 gramas de pão de forma custa, em média, nos supermercados R$ 7. Para o governo Temer, um pacote de pão similar poderá custar R$ 12,90. O edital prevê, ainda, gasto de R$ 24 mil em baguetes com gergelim com "textura crocante", R$ 1.350,00 em brioches "de aparência brilhante" e R$ 7.400,00 em pães de cenoura "com pedaços de cenoura entre o miolo".

Também chama atenção os gastos com a Vice-Presidência da República, que está vazia desde que Temer substituiu Dilma Rousseff na Presidência da República, após o impeachment. Em apenas três meses (janeiro, fevereiro e março deste ano), a Vice terá um gasto de R$ 1,9 milhão (R$ 389 em janeiro, R$ 654 em fevereiro e R$ 919 mil em março).
{Jornal do Brasil}