Jorge Paz Amorim

Minha foto
Belém, Pará, Brazil
Sou Jorge Amorim, Combatente contra a viralatice direitista que assola o país há quinhentos anos.

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Os fatos e a numerologia


O caso de uma jovem agredida por um delinquente, dentro de um bar na região central de Belém, é exemplar na revelação do porquê da criminalidade viver baixando nas estatísticas oficiais. Toda equimoseada, a vítima tentou em vão dar queixa em uma unidade da Delegacia da Mulher, todavia, a delegada de plantão negou-se a fazer ocorrência alegando que só registrava casos de violência doméstica.

Óbvio que para a numerologia lorótico/policial esse tipo de procedimento estúpido da servidora pública de segurança é a sopa no mel. Se não houve registro policial, não houve a violência, daí ser justificável, mas não factual, que a violência vem observando a queda em seus índices de ocorrência.

No caso da jovem citada, ainda foi possível reverter a situação por se tratar de alguém com bom nível de esclarecimento, que teve condições de lutar por seus direitos em outras instâncias. Agora imagine nas periferias e cidades longínquas, onde o aparato policial é pura ficção, quantas pessoas ficam na orfandade da segurança pública, enquanto a cúpula do setor e o governador festejam índices mentirosos. Lamentável!

3 comentários:

Polícia do Pará Ao Alcance de Todos! disse...

Gostaríamos de esclarecer que esse que envolveu a Delegacia da Mulher não reflete o trabalho desenvolvido pela equipe que atua nesta unidade policial, que é referência nacional no atendimento à violência contra a mulher. Foi um momento de infelicidade da delegada que estava no plantão, o que será devidamente apurado pela Corregedoria da Polícia Civil, onde o caso já foi comunicado.
Para efeito de esclarecimento, a Delegacia da Mulher apura casos de violência de gênero, ou seja, qualquer crime em que a mulher é vítima por sua condição de mulher. Independentemente ser for violência contra a mulher ou não, a Delegacia da Mulher deve registrar o boletim de ocorrência de qualquer pessoa que a procurar, seja de dia ou durante a noite, já que a Delegacia da Mulher atende 24 horas por dia. Estamos à disposição para quaisquer esclarecimentos.

Anônimo disse...

Quando se vai fazer qualquer boletim de ocorrência, nas delegacias ou seccionais, a resposta é que o sistema está fora do ar e que não há previsão para a normalidade do mesmo; ora, logo a vítima desiste de fazer o BO.
Assim caminha este (governo?)

Anônimo disse...

Polícia do Pará ao Alcance de Todos? KKKKKKK
Gostei dessa piada, nem Chico Anísio seria capaz!